ás

Carbono-14: 7 curiosidades sobre o Mega Drive que vão te encher de nostalgia

Há mais ou menos 20 anos, o cenário dos consoles de mesa era bem diferente do atual. Em comum, apenas a forte presença da Nintendo, mas disputando o território estava a Sega, veterana de guerra. Super Nintendo e Mega Drive batalhavam, palmo a palmo, pela preferência dos consumidores, no que se tornou uma verdadeira guerra dos 16 bits. Ainda que cada sistema tivesse suas vantagens e desvantagens, a Big N acabou levando a melhor nas vendas. O que isso significa? Rigorosamente, nada. Ambos foram bem sucedidos e construíram uma história sólida por todo o mundo.

Pelo bem dos velhos tempos, esse Carbono-14 vai ser especialmente dedicado ao Mega Drive, com 7 curiosidades sobre a casa do Sonic. Semana que vem, para ser justo, vou seguir o mesmo esquema, mas falando do Super Nintendo. Preparados? Então podem seguir a leitura! ;)

 

Lançamento na Coreia

Até pouco tempo atrás, produtos japoneses não podiam ser comercializados em território sul-coreano, por conta da rivalidade secular entre as duas nações. As companhias nipônicas acabaram criando formas de burlar esse bloqueio, fazendo parcerias com empresas locais e trocando o nome dos seus produtos. O Master System, por exemplo, teve seu nome alterado para Gam*Boy (Game Boy, oi?), em uma parceria entre Sega e Samsung. Seguindo a lógica, qual seria o nome do nosso querido Mega Drive? Super Gam*Boy, evidente! Eta, povo confuso…

supergamboy-playreplay

 

Ouriço pra todo lado

Somos todos fãs do Sonic, aqui no PlayReplay. Não por acaso, o ouriço mais rápido do mundo foi a estrela da estreia do Carbono-14. Seus dois primeiros games, somados, ultrapassam a marca de dez milhões de unidades vendidas (4.34 milhões do primeiro e 6.03 milhões do segundo), liderando com folga a lista de maiores sucessos do console. Além disso, outros dois títulos da franquia marcaram presença no top 10 (Sonic & Knuckles, em sétimo com 1.82 milhões de unidades e Sonic 3, em oitavo lugar, com 1.76 milhões).

sonic-emeraldhill-playreplay

Sonic, polivalente que só, ainda achou tempo pra uma aventura em 3D e outros spin-offs de menor relevância.

 

Vivo, mesmo depois do abandono

Mesmo após ser descontinuado pela Sega, o Mega Drive continuou recebendo títulos novos. Fãs mais entusiasmados continuaram produzindo jogos, para o deleite da galera. Fix-It Felix Jr. é um desses games, baseado no desenho Detona Ralph, da Disney. Outro que vale a conferida é Pier Solar and the Great Architects, RPG extremamente bem trabalhado, disponível também para plataformas atuais. Vale dar uma conferida no site dedicado ao game.

pier-solar-playreplay

SEEEEGAAAAAAA

Impossível ler o subtítulo acima e não associar diretamente a introdução de boa parte dos games de Mega Drive.

Ainda que a tecnologia da época não permitisse ter vozes de alta qualidade nos jogos (recurso que só se popularizou com o surgimento dos CDs), a Sega fazia questão de manter sua assinatura digital sempre que possível, para mostrar o poder do seu hardware. O problema é que a bravata custava preciosos bytes dos já limitados cartuchos, chegando a ocupar até 1/8 da memória disponível.

Será que algum game chegou a ser tesourado em detrimento de um corinho com 3 segundos de duração? Tenso!

 

SG-1000? Quem é esse?

Ao contrário do que muitos imaginam, o Mega Drive não é o segundo console lançado pela Sega, e sim o terceiro. Antes mesmo do Master System, a empresa chegou a lançar um console de 8 bits conhecido como SG-1000, que não chegou a ser lançado no ocidente. Seu lançamento se deu em 1983, mas não chegou a incomodar os concorrentes da época.

sg-1000-playreplay

O SG-1000 passou por duas revisões, até virar o Sega Mark III, que viria a ser relançado com o nome de Master System, esse sim reconhecidamente o primeiro console de sucesso da empresa.

 

Muitos modelos

Por aqui, nós vimos passar dois layouts distintos do Mega Drive: o primeiro, maior e mais conhecido, e o segundo, menor e mais compacto, explorado a exaustão pela Tec Toy. Se você acha que esses foram os únicos, melhor segurar o queixo: a brincadeira foi longe e deve ter por aí, facilmente, uma dúzia de variações do console, desde versões compactas e repaginações baratas até lançamentos de empresas terceiras.

genesis3-playreplay

O prêmio de versão mais bizarra vai, sem nenhuma sombra de dúvida, para o CSD-GM1, que fundiu o Mega Drive e o Sega CD na forma de um radinho qualquer. Passa batido como um mero AM/FM em um camelô da vida!

csd-gm1-playreplay

Sega CD e 32X

Você achou mesmo que nós não reservaríamos um espacinho para falar desses dois trambolhos cheios de amor pra dar? Afinal, ambos foram o sonho de consumo de qualquer dono de Mega Drive que se preze, sob juras de amor e promessas de gráficos perfeitos, áudio cristalino e a capacidade de processamento de um console da geração seguinte.

sega-cd-playreplay

Tanto o Sega CD quanto o 32X receberam bons jogos, garantindo assim um espacinho na memória dos fãs mais fervorosos. O problema é que nenhum dos dois cumpriu a promessa de revolucionar o mercado de games. Com a baixa adesão aos periféricos, poucos títulos foram lançados e ambos os projetos acabaram perdidos no tempo.

sonic-cd-playreplay

Sonic CD foi o título de maior destaque dentre os lançados para o Sega CD

 

O 32X foi lançado apenas um ano antes do Sega Saturno, criando uma confusão sem precedentes na cabeça do consumidor. Aliás, erros sucessivos desse porte marcaram o começo do declínio da Sega.

kuckles-chaotix-playreplay

Já no 32X, quem puxou o bonde foi Knuckles Chaotix, com o equidna como protagonista

 

Não negamos que é uma bela visão, hoje, ver um Mega Drive devidamente equipado. Mas pra quem investiu pesado na década de 90, deve ter sido uma frustração sem tamanho ver seu dinheiro ir pelo ralo por conta de meia dúzia de bons jogos. Aliás, trocando uns nomes aqui e ali, não dá pra dizer que essa história é bem atual?

SONY DSC

Os comentários estão fechados.