ás

Carbono-14: Relembre alguns excelentes Beat-’em-Ups esquecidos (Parte 1)

Quando falamos do gênero Beat-’em-up, logo lembramos da Capcom. A empresa-mãe de Street Fighter também tem em seu vasto currículo outros bons games onde a porrada come solta, mas em progressão lateral, com uma tendência forte a ter comida espalhada pelo chão (e você come numa boa!) e muitos, mas muitos inimigos mesmo!


Títulos como Cadillacs and Dinosaurs, Final Fight e Captain Commando fizeram a cabeça da molecada nos anos 90, fosse nos botecos e fliperamas da vida ou no sofá com excelentes ports para consoles de mesa.

beat-em-up-final-fight-playreplay

Outra empresa que se destacou no gênero foi a Konami, com games igualmente viciantes e bem-sucedidos, vide Batman Returns (SNES) e The Simpsons (Arcade). Não foram as únicas, já que todo mundo tentou pegar uma carona nesse bonde, mas são as empresas que mais se destacaram pela quantidade de títulos lançados.

A fórmula de andar lateralmente esmurrando quem viesse pela frente fez sucesso e faz muita falta no mercado atual. Ainda que Double Dragon Neon ou Dungeons & Dragons: Chronicles of Mystara tentem iluminar a geração atual, falta aquele brilho que só quem já perdeu muitas moedas no bar da esquina sabe reconhecer. Para matar saudades, traremos algumas edições do Carbono-14 com grandes títulos do gênero que foram esquecidos com o passar dos anos. Nessa primeira parte, destaque para os games dos arcades.

 

5. Battle Circuit (Arcade)

Battle Circuit é, sem dúvidas, um dos games menos conhecidos do gênero. Não chegou a ser lançado na América e nem recebeu ports nos consoles, ficando restrito aos japoneses e europeus. Lançado pela Capcom em 1997, o game foi um dos últimos títulos da era dourada dos beat-’em-ups.

battle-circuit-playreplay

Suas opções de personagens são as mais excêntricas possíveis, a menos que você ache normal jogar com uma planta com pernas ou um avestruz rosa! São cinco as opções disponíveis, conforme imagem abaixo.

battle-circuit-playreplay

Durante o jogo você tem a opção de comprar movimentos extras, upgrades de energia e de golpes. Cada personagem tem seu próprio golpe especial e habilidades distintas, para deixar a jogatina ainda mais estratégica.

Seria interessante ver um desses personagens em um crossover da empresa, ou mesmo um game definitivo de progressão lateral. De toda forma, Battle Circuit merece o destaque por marcar o começo do declínio do gênero.

[youtube id=”zSjtMzhcRWM” width=”633″ height=”356″]

 

4. Super Battletoads (Arcade)

Os sapos porradeiros são velhos conhecidos da galera, principalmente por conta do Turbo Tunnel, que já tirou o sono de muito marmanjo por aí. Mas a versão que entra na nossa lista não tem muito a ver com o que jogamos nos consoles, já que Super Battletoads saiu 3 anos depois (1994) exclusivamente para os arcades.

super-battletoads-playreplay

Aqui nós temos um game muito mais completo, mesmo que o desafio seja menor. Pegando emprestados alguns elementos de outros games consagrados, você ora estará esmurrando alguns capangas, ora atirando para todos os lados no melhor estilo Contra, pra não mencionar as escorregadias plataformas de gelo e as partes a bordo de uma nave espacial.

Super Battletoads mostra-se um game completo e mais bem acabado que seus irmãos mais velhos para consoles de mesa. Uma pena que tenha ficado apenas nos arcades.

[youtube id=”6qXeqzkzRB4″ width=”633″ height=”356″]

 

3. Gaiapolis (Arcade)

Gaiapolis (1993) entra na lista em terceiro lugar por fugir dos padrões: é um beat-’em-up em progressão vertical (no melhor estilo Mercs) com elementos de RPG, como ganhar experiência e level conforme derrota inimigos, poder equipar escudos ou ganhar a companhia de mascotes.

A visão vertical surpreende, já que a maior parte dos jogos com essa configuração eram shooters. Dá para dizer que foi uma jogada arriscada e bem sucedida da Konami, uma vez que o game acaba se tornando interessante justamente por suas diferenças.

gaiapolis-playreplay

Você escolhe entre Prince (o balanceado), Dragon (forte, porém lento) ou Fairy (rápida, mas fraca) para encarar as fases, que são relativamente curtas. O cenário é medieval, mas isso não impede a existência de alguns tanques de guerra aqui e ali, para deixar a trama ainda mais louca. Entre cada uma das fases rola um bate-papo entre os personagens, para contextualizar a pancadaria.

[youtube id=”DZoP3fqUgxQ” width=”633″ height=”356″]

 

2. Aliens vs Predator (Arcade)

Dez anos antes de virar filme, Aliens e Predadores já se enfrentaram no título lançado para Arcade, em 1994. Outra obra prima da Capcom, Aliens vs Predator deixa que até três jogadores simultâneos derrotem hordas de alienígenas controlando Predadores ou humanos, em total nível de tensão. Pelo lado dos humanos estão Dutsch Schaefer e Linn Kurosawa, dois soldados ciborgues, e pelos predadores, um Hunter e um Warrior, todos com características distintas para dar maior variedade aos jogadores.

alien-vs-predator-playreplay

Um dos grandes diferenciais do game está em optar entre o combate corpo-a-corpo ou usar armas de fogo de forma ilimitada. Mas ainda que não haja preocupação com munição, recarregar no meio de um combate ou super-aquecer suas armas naquele momento de pressão podem significar a morte certa, restringindo o tiroteio a momentos chave das fases.

O game foi concebido para a placa CPS-2 da Capcom (a mesma de Marvel vs Capcom e Street Fighter Alpha 3), o que resulta em belos gráficos e sons de qualidade. É difícil destacar um ponto que sobressaia, já que o game é realmente bem-feito por inteiro.

[youtube id=”IhsT182UwSM” width=”633″ height=”356″]

 

1. The Punisher (Arcade/Mega Drive)

Lançado em 1993 pela Capcom, The Punisher é sem dúvidas a mais famosa incursão de Frank Castle no mundo dos games. Ainda que o jogo não seja lembrado com todo o carinho e respeito que merece, o Justiceiro e Nick Fury fizeram bonito no Arcade (CPS1) e no Mega Drive, colocando o Rei do Crime e sua trupe para correr.

punisher-playreplay

Um dos pontos altos do jogo está na trilha sonora, que transmite com precisão a grandiosidade e imponência de seus personagens. Ainda que a versão de Mega Drive seja inferior, pelo menos nas músicas houve grande esmero por parte da Sculptured Software, empresa responsável pelo port. Na dúvida, compare abaixo uma das músicas mais bonitas do game, primeiro em sua versão Arcade, seguida pela versão caseira. Um verdadeiro clássico!

[youtube id=”BMmI1Ez9ajo” width=”633″ height=”356″]

[infobox color=”light”]Carbono-14 é a coluna semanal do PlayReplay destinada a escavações de fatos históricos sobre as franquias e sistemas mais amados por nós, gamers.[/infobox]