Conecte-se conosco.

Séries

Interpretando o final de Sherlock pela “Teoria Doyle”

Publicado

em

Eu sou um cara chato para seriados. Muito chato! Considere-se avisado antes de me xingar nos comentários, mas preciso deixar isso claro antes de expor meus argumentos. Game of Thrones não me causa qualquer sentimento além do tédio, Stranger Things era nostalgia rasa sem conteúdo, e Westworld foi enfadonhamente ordinário em cada aspecto. Desde que Lost chegou ao fim, o único drama para televisão que conseguiu me deixar engajado pela trama e seus personagens foi o Sherlock da BBC.

Acho que isso acontece porque adoro assistir um programa no qual os autores estão muitos passos à minha frente, escondendo mistérios, reviravoltas e surpresas em cada esquina. A melhor sensação que a televisão pode me causar é jogar uma cena totalmente inesperada na minha cara. Quando Lost fez esse truque em sua forma mais magistral, na já clássica cena do “We have to go back!”, na qual descobrimos não estar assistindo mais um flashback, mas sim o primeiro flashforward de Lost, acabei batizando esse maravilhoso evento como “um tapa na cara”.

Moral da história: assim que Lost chegou ao fim, como bom masoquista, fiquei órfão dos tais tapas. Qual não foi minha surpresa, então, ao baixar casualmente o primeiro episódio de Sherlock pouco depois de sua estreia, e descobrir uma maravilhosa e apaixonante criação de Steven Moffat e Mark Gatiss?


Episódio após episódio, a dupla conseguia me surpreender com viradas deliciosas de roteiro. Já profundamente investido nos personagens, era fantástico rir e chorar ao seu lado enquanto Holmes e seu parceiro Watson protagonizavam cenas incríveis. Do toque de celular com aquele gemido cômico até a queda no telhado, não faltam grandes momentos na memória.

Foi um privilégio e prazer assistir cada minuto de Sherlock, e foi nesse estado de espírito que vi o episódio final da série, adequadamente batizado como The Final Problem. O problema? Eu não gostei nem um pouco dele.

Estranhamente, a despedida da quarta (e última?) temporada mais parecia um filme de ação estrelado pelo 007. Tudo bem que não havia metralhadoras e martinis à vista, mas a maior parte da narrativa foi mostrada de forma tão direta e linear que não parecia haver muito espaço para as reviravoltas inesperadas. Onde estavam os meus tão queridos “tapas” tão presentes nos capítulos anteriores?

Quando as cortinas desceram e os créditos começaram a rolar, eu olhava atônito para a tela. Pela primeira vez em quase 30 anos assistindo televisão, eu sentia que ou eu tinha acabado de ver algo muito ruim, ou eu não estava enxergando uma peça importante do quebra-cabeça. Após um breve retiro em meu palácio mental (quem dera), eis que ele chegou. Súbito e sem aviso, um tapa me pegou em cheio: “Eurus Holmes é Sir Arthur Conan Doyle”.

Só não interprete essa frase de forma literal demais, dado que o saudoso escritor não está mais entre nós desde 1930, enquanto Eurus é apenas uma personagem fictícia. Pense de forma um pouco mais poética. Pense nas similaridades entre os dois. Pense no modo como ambos são responsáveis pela criação de Sherlock Holmes a seu modo.

Estabelecer isso parece um bom ponto de partida para explicar uma interpretação que, imagino, não será das mais felizes para a maioria dos fãs, mas que mudou minha visão sobre o fim e me deixou plenamente satisfeito pelo encaixe que acontece entre o episódio final da série e a mitologia que cerca o detetive até no mundo real. Com alguma sorte, as próximas linhas formarão um enigma instigante digno da alta qualidade do seriado.

O problema final é o seguinte: E SE… tudo que você viu desde o primeiro episódio, A Study In Pink, até os minutos finais de The Final Problem, forem apenas projeções criadas pelo cérebro brilhante e perturbado de Eurus Holmes?

Imagine, por um segundo, que as únicas verdades sobre a mitologia da série sejam o fato de que, alguns anos atrás, uma menina verdadeiramente genial se sentia sozinha e ignorada por seus irmãos. Um dia, tomada por ciúmes, ela decide se livrar de Redbeard, apelido carinhoso do melhor amigo de seu irmão. Ela prende o menino em um poço e acaba com sua vida na medida em que o pobre menino é afogado pelas turvas águas de um poço abandonado.

Horrorizada pelo ocorrido, sua família interna a garota e a isola do convívio social, um sofrido sacrifício para uma menina que seria eternamente atormentada pela morte, mas um mal necessário para que seus irmãos possam viver em relativa paz depois da tragédia. Assim, a pobre menina genial acaba presa em ambiente claustrofóbico tendo somente a morte como sua companheira. Mais ou menos como a cena de abertura do episódio:

Só que nem mesmo uma mente genial é capaz de apagar o trauma daquele dia maldito. Como ela poderia fazer isso? Como parar de lembrar da injustiça cometida contra Redbeard? Pior, como se perdoar por ter machucado tanto o seu próprio e amado irmão, que teria que crescer convivendo com o fato de que sua irmã é a assassina de seu melhor amigo?

É aqui que as coisas começam a ficar interessantes. E se a genial Eurus Holmes pudesse criar uma nova vida para seu irmão? E se ela pudesse fazer com que o pequeno Sherlock tivesse não apenas a mesma inteligência apurada que ela, mas também ganhasse um melhor amigo de volta?

Eis que surge John Watson. Mas não apenas John Watson, pois isso seria vazio demais. Para compensar Redbeard, era preciso criar muito mais do que um novo amigo para Sherlock. Era preciso criar uma nova realidade para sustentar a ficção. O que é apenas um jeito mais elaborado de dizer “Eurus Holmes criou tudo que você assistiu desde o primeiro segundo do seriado até a cena em que ela tocava violino sozinha em sua cela”.

Sim, sozinha. Porque o Sherlock que Eurus vê do outro lado do espelho, tocando a mesma canção que ela, não é nada além de uma projeção. Lembra que a própria Eurus afirmou ter ensinado Sherlock a tocar violino? Sherlock sabe tocar porque Eurus sabe tocar. Ambos são a mesma pessoa.

Nesse sentido, a série é bem didática ao mostrar como os temas e sentimentos de Eurus se espalham pela narrativa de Sherlock Holmes. A mesma água que sufucou Redbeard leva seu irmão ao fim na Queda de Reichenbach. A água está lá na piscina do primeiro encontro com Moriarty, e, claro, catalisa a revelação máxima quando John Watson se vê à beira da morte ao lado dos ossos de Redbeard.

Assim, as Aventuras de Sherlock Holmes ajudam na resolução do Problema Final: quando elas chegam ao seu clímax, Eurus finalmente aceita sua responsabilidade pelo que fez na infância. Quando fica em paz com Sherlock Holmes, Eurus se sente novamente digna de voltar para casa. Ou de pousar com segurança em Londres, deixando toda a morte, medo e culpa para trás.

Sherlock Holmes pode não ser real, mas, ao menos dentro da mitologia da série, sua jornada é essencial para salvar a mente de Eurus. É o momento em que a criatura se torna maior que o criador. E para os que tiveram a sorte de acompanhar essa jornada, fica o lembrete da bela mensagem final, o último consolo de Eurus:

“Quando tudo o mais falhar, teremos dois homens sentados, debatendo e discutindo em seu pequeno apartamento, como sempre estiveram e sempre estarão. Os melhores e mais sábios homens que conheci. Meus meninos de Baker Street; Sherlock Holmes e o Doutor Watson”.

Formado na arte de reclamar, odeia a internet. Ainda assim, sua hipocrisia sem limites o permite administrar a página no Facebook, plataforma de divulgação do seu primeiro livro. Você também pode seguí-lo em @thomshoes no Twitter, mas provavelmente é uma má ideia...

Notícias

Sabrina | Atriz afirma que a Aprendiz de Feiticeira não pertence ao mesmo universo de Riverdale

Chances de um crossover entre as duas séries estão cada vez menores

Publicado

em

Há pouco tempo ficamos sabendo que Sabrina, Aprendiz de Feiticeira chegaria à Netflix. Baseada na personagem dos quadrinhos Archie Comics, a série deve chegar ao catálogo da empresa de streaming ainda este ano. Desde o anúncio da nova série, fãs de Riverdale se perguntam se veremos um crossover entre os dois seriados.


Veja também:


Exibido pela emissora The CW, Riverdale também é baseada em Archie Comics e conta a história de Archie Andrews (KJ Apa), Betty Cooper (Lili Reinhart), Veronica Lodge (Camila Mendes) e Jughead Jones (Cole Sprouse) na cidadezinha de Riverdale. A primeira temporada gira em torno do misterioso assassinato de Jason Blossom, o capitão do time de futebol americano, que desapareceu e foi encontrado morto às margens do principal rio local. A série de TV tem tom bastante diferente do produto original em quadrinhos, com o roteirista Roberto Aguirre-Sacasa descrevendo a série como “Archie Comics misturado com Twin Peaks.”

Já a nova série The Chilling Adventures of Sabrina, que por aqui fez bastante sucesso com a versão estrelada por Melissa Joan Hart (Deus não Está Morto 2) nos anos 90, foi encomendada pela Netflix e também deverá ser bem mais sombria que a antiga série. Estrelada por Kiernan Shipka (Mad Men), acreditava-se que o novo seriado fosse um spin-off de Riverdale e que, quem sabe, pudesse até mesmo rolar um crossover.


Essa possibilidade, porém, foi afastada pela atriz Lili Reinhart. Intérprete da personagem Betty Cooper, Reinhart conversou com o Vulture e afirmou acreditar que as séries não devem se cruzar.

“Eu diria que não espero que a Betty esteja naquele mundo”

“Acho que a Betty existe apenas no mundo de Riverdale, o que não faz sentido para um crossover. Foi por isso que decidiram mover a série para a Netflix, para manter Riverdale e Sabrina em universos completamente diferentes,” afirmou a atriz. “Eu realmente não sei quais sãos os planos do Roberto [Aguirre-Sacasa] para Sabrina ou quais aspectos do sobrenatural e da magia serão usados. Mas sei que isso não existe em Riverdale. Pelo menos até agora. Então não faz sentido esses dois mundos colidirem. Então eu diria que não espero que a Betty esteja naquele mundo,” completou.

E o que a atriz disse realmente faz bastante sentido. O universo de Riverdale vem sendo construído com sucesso na CW e, embora a equipe de produção busque inspiração Twin Peaks, até o momento Archie e seus amigos não encararam nenhum mistério sobrenatural. Inserir elementos como magia poderia ser um risco a tudo o que foi alcançado no seriado até agora.

Por outro lado, como exemplo uma outra série da emissora que também é baseada em histórias em quadrinhos, Arrow se abriu a novos horizontes (como superpoderes e magia) e, ainda assim, conseguiu manter-se com os pés no chãodentro do possível para o seriado, é claro. Na série, o Arqueiro Verde (um herói sem superpoderes, munido apenas de coragem, arco-e-flechas e um time de reforço) já cruzou o caminho de personagens como The Flash, Supergirl e Constantine, reconhecendo a existência dos temas sem necessariamente perder a própria essência.

De qualquer forma, ainda é cedo para afirmar que as séries jamais se encontrarão em algum ponto no futuro. Até que Aguirre-Sacasa se pronuncie, a possibilidade continua no ar.

Via

Continue lendo

Notícias

Doug | Funko lançará série de bonecos do desenho

Publicado

em

Doug foi um dos desenhos mais queridos pelos brasileiros que seguiam o canal Nickelodeon nos anos 1990. Se você sente saudades dessa turma, vai gostar de conferir as novidades da Funko Pop!


Veja também:


Durante a feira Toy Fair de Nova York, a Funko revelou uma nova linha de figuras colecionáveis inspiradas na animação. Confira logo abaixo o visual dessas belezinhas:

 

Os personagens mais populares, como o protagonista Doug e seu cão Costelinha aparecem em duas versões distintas, com roupas normais e como Homem-Codorna e Cãodorna. A eterna Patti Maionese também brilha como um dos bonecos mais legais da coleção.

Ainda não há uma data oficial para que essas preciosidades cheguem às prateleiras, mas avisaremos por aqui assim que isso mudar. Até lá, conte pra gente quais pretende comprar nos comentários aqui embaixo.

Continue lendo

Notícias

Santa Clarita Diet | Netflix libera imagens da segunda temporada

Publicado

em

Após um tempinho meio sumida, finalmente temos novidades sobre a nova temporada de Santa Clarita Diet. Afinal, a Netflix soltou hoje as primeiras imagens da nova temporada, além de notícias sobre o elenco.


Veja também:


A partir de agora, Joel McHale e Maggie Lawson entram para a trupe como o casal de corretores Chris e Chista, Gerald McRaney será o coronel aposentado Ed Thune, e Zachary Knighton viverá Paul, encarregado de perseguir a verdade sobre os mortos-vivos. Confira as novas imagens na galeria abaixo:

 A primeira temporada segue disponível para streaming na Netflix através deste link. A segunda temporada tem estreia marcada para a primavera americana, ou seja, perto do meio do ano.


Na trama da série, seguimos o casal de corretores Joel (Timothy Olyphant) e Sheila (Drew Barrymore). Na nova temporada, eles tentam se adaptar ao agora avançado estado de morta-viva de Sheila – mesmo que ela esteja desesperadamente trabalhando para manter seu estilo de vida e não ser definida como apenas mais um monstro, embora a população de Santa Clarita já esteja estranhando o desaparecimento de seus habitantes.

Continue lendo

Últimas notícias

Games4 horas atrás

Switch | Acessório transforma o console da Nintendo em um mini arcade

Agora você já pode dar uma surra de Hadoukens nos amigos simulando fliperamas em casa

Cinema5 horas atrás

Hebe Camargo | Andréa Beltrão interpretará a apresentadora nos cinemas

Cinebiografia da saudosa apresentadora ainda não tem uma data de estreia definida

assassin's creed assassin's creed
Games6 horas atrás

Humble Bundle | Jogos da Ubisoft estão em promoção no site

Os descontos em jogos das franquias Assassin's Creed, Far Cry e South Park chegam até 75% do preço original.

fable fortune capa fable fortune capa
Games7 horas atrás

Fable Fortune | Jogo free-to-play será lançado no Xbox One e PC

Depois de quase um ano em acesso antecipado, Fable Fortune será lançado oficialmente ainda esta semana.

Literatura9 horas atrás

Super Mario | Dark Horse lançará enciclopédia sobre os jogos

Demorou, mas a Super Mario Encyclopedia está sendo traduzida e preparada para um lançamento no ocidente neste exato segundo, pelas...

grand theft auto grand theft auto
Games11 horas atrás

Grand Theft Auto V | Edição Premium do jogo aparece na Amazon

A tal edição especial de Grand Theft Auto V foi retirada rapidamente da Amazon e a Rockstar não se pronunciou...

Música11 horas atrás

James Bay | Novo clipe Wild Love traz a Nancy de Stranger Things

O cantor James Bay, um dos nomes mais quentes da atualidade, está bombando com um clipe inédito, o single Wild...

Cinema11 horas atrás

Pantera Negra | Kevin Feige o considerou o melhor filme da Marvel

Ainda nem faz uma semana completa desde a estreia de Pantera Negra, o mais novo filme da Marvel, mas, além...

Notícias12 horas atrás

Sabrina | Atriz afirma que a Aprendiz de Feiticeira não pertence ao mesmo universo de Riverdale

Chances de um crossover entre as duas séries estão cada vez menores

the missing the missing
Games13 horas atrás

The Missing | Novo jogo do criador de Deadly Premonition é anunciado

Hidetaka “Swery” Suehiro prometeu que seu novo projeto irá surpreender a todos.

Cinema13 horas atrás

Fullmetal Alchemist | Live-action está disponível na Netflix

A aventura de Ed e Al em busca da Pedra Filosofal chegou hoje à Netflix

earthbound earthbound
Games14 horas atrás

Earthbound | Funko possui licença para lançar bonecos da franquia

Mesmo tendo os direitos para produzir bonecos de Earthbound, a empresa nunca anunciou nada sobre o assunto.

Games15 horas atrás

Mega Man Legacy | As duas coleções devem ser vendidas juntas no Switch

A Capcom ainda não confirmou a informação, mas uma página do ESRB mostra os dois jogos sendo classificados juntos.

darkest dungeon darkest dungeon
Games16 horas atrás

Darkest Dungeon | Jogo chega ao Xbox One este mês

A Red Hook Studios oferecerá o DLC Crimson Court de graça nos primeiros dois meses do jogo no consoles da...

Cinema1 dia atrás

Tomb Raider | Mattel vai lançar Barbie da Lara Croft

A famosa arqueóloga Lara Croft está prestes a estrelar um novo filme e, para coroar a ocasião, a Mattel já...

Em alta