ás

Yakuza 0 surpreende com início da carreira de Kiryu Kazuma no mundo da máfia japonesa

Quem nunca sonhou em fazer parte da Yakuza, não é? Ninguém? Bom, nem eu, mas confesso que passei a ter mais curiosidade pelo grupo depois de ter jogado o primeiro jogo da série feita pela Sega. Yakuza sempre trouxe o mundo da máfia japonesa de uma forma mais sutil, mas apresentando inúmeras atividades para te deixar por dentro do que realmente acontece no mundo do crime.

Na série Yakuza, você acompanha o criminoso Kiryu Kazuma, um órfão que entrou para a vida de criminoso desde jovem. Todos os jogos retratam algum momento da sua vida na organização e nesse não é diferente.

 

No mundo do crime

Kyriu acaba de ingressar na Yakuza juntamente com seu amigo de infância, Akira Nishiki, por indicação de Shintaro Kazama, capitão da família Dojima. Com isso, ambos tentam seguir e ajudar Kazama da mesma forma que ele os ajudou, já que ele seria a figura paterna que nunca tiveram. Porém, antes do jogo, Kazama acaba sendo incriminado e preso, fazendo com que abrisse uma vaga para ser o braço direito do patriarca da família. Com isso, os três tenentes começam a fazer suas ações para preencher a vaga deixada por Kazama, e acabam fazendo de tudo para que Sohei Dojima nomeie um deles o novo capitão.

Kiryu passeando pela cidade

Com isso, podemos entrar na trama que o jogo se passa. Kyriu vai fazer uma típica coleta de proteção de um dos “clientes” da Yakuza, porém, recebe instruções para levar o cara até um beco para poder fazer seu trabalho. Como é apenas um subordinado, Kazuma realiza a ação conforme solicitado, porém acaba exagerando na punição do protegido por não querer pagar a máfia, deixando-o inconsciente, porém vivo, nesse beco.

Mais tarde, nosso protagonista se encontra com Nishiki e é quando, no noticiário, mostra a morte de um civil no beco. Tudo aponta Kyriu como culpado, mesmo que ele não andasse com arma e o civil, claramente havia sido morto por um tiro, a Yakuza teve que fazer sua jogada por dois simples motivos: membros da máfia não podem assassinar civis; e o beco em que se encontrava o corpo era um ponto em que a família Dojima tinha interesse e, se um dos tenentes descobrisse o dono para efetuar a compra dele, seria promovido a capitão.

Kazuma não vê outra saída a não ser sair da família, pois esse crime tomaria proporções grandes, afetando até mesmo o cargo do atual capitão Kazama, abrindo a vaga definitivamente para o cargo. Saindo da Yakuza, talvez ele conseguisse proteger seu capitão, pagaria pelo preço, e conseguiria também investigar o que realmente aconteceu e porque armaram para ele naquele beco.

 

Equanto isso, do outro lado da história.

Confesso que, quando isso me apareceu durante minha jogatina, fiquei surpreso, já que não havia lido nenhuma notícia sobre o jogo. Então trago-lhes a história de Goro Majima, um ex-membro da Yakuza que tenta voltar para sua família, o clã Tojo. Para isso, os membros informaram-lhe que é necessário pagar uma taxa absurda de ienes para que eles possam repensar na reintegração dele. Com isso, Majima abriu um cabaré onde conseguiu ser o maior de sua região e conseguindo juntar mais dinheiro. Porém as coisas não param por aí, aparentemente o dinheiro era apenas o primeiro passo para seu retorno, obrigando-o a trilhar um caminho que nem mesmo a Yakuza é permitido fazer.

Majima também sabe sensualizar com seu tapa olho

 

Além da história

Ufa, demorei mas entreguei as informações básicas para a história, mas mesmo sendo a trama principal, Yakuza 0 não para por aí. Existem inúmeras missões secundárias que não complementam em nada a história principal, mas servem para a construção de carácter dos protagonistas. Em um primeiro momento, até estava achando estranho, mas essas missões possuem seu valor próprio, tendo algumas histórias mais elaboradas, outras com um tom mais cômico, ou seja, situações que realmente não se encaixariam no enredo principal do jogo.

Aprenda com o Kiryu como ostentar!

Mas o melhor das histórias secundárias é quando você chega no ponto de conseguir abrir seu próprio negócio. Cada protagonista atinge um ramo diferente, e para conseguir o dinheiro, por mais que o “bruto” desse modo seja o mesmo, as histórias de cada personagem envolvido nessa trama secundária acaba sendo bem elaborado e te dá cada vez mais vontade de jogá-las e completá-las que você acaba esquecendo de avançar na história principal.

 

Fortifique-se!

Claro que um bom jogo de Yakuza tinha que ter a porradaria. Nesse jogo, cada personagem possui três estilos de luta diferentes. Cada um com a sua própria árvore de evolução, aumentando a vida do protagonista, aprendendo novos golpes ou finalizadores. Lembra que falei que tanto Majima quanto Kyriu abrem um negócio próprio em certo ponto do jogo? Você deve avançar nessa história secundária se quiser liberar mais golpes na sua árvore de evolução.

Mas evoluir seu personagem não é barato, literalmente! Você tem que investir o dinheiro em você para que aprenda esses novos golpes! Como assim? Cada golpe novo custa muito dinheiro, sendo no começo com custos de ¥20.000, podendo chegar até ¥50.000.000 (foi o meu limite). Então, ponha-se a trabalhar se quiser ficar mais forte!

Não se segure na hora de descer a porrada nos inimigos!

A pancadaria em si requer movimentos bem simples. Além de escolher e alternar os estilos de luta para se adequar à situação, você pode equipar armas durante as lutas. Elas podem variar de nunchakus, espadas, bastões e até armas de fogo. Elas são de grande valia para inimigos mais complicados, como o Mr. Shakedown, que tem a mania de te encontrar pela cidade e te destruir, roubando grande parte do seu dinheiro (fica a dica, fujam dele caso estejam com muito dinheiro e despreparados! É sério!).

 

E o veredito é …

Yakuza 0 é uma grande evolução dos jogos da série e mostra como uma sequência (ou prequel) deve ser feita, pegando os pontos fracos dos seus jogos anteriores e ir aperfeiçoando-os com o tempo. Há uma imersão gigante com todos os personagens que aparecem no jogo, inclusive os das missões. A jogabilidade é fácil e, mesmo com muitos botões à sua disposição, você os domina de forma prática e a evolução da dificuldade acaba sendo proporcional à evolução de suas habilidades. Ele caminha de maneira harmoniosa e isso é um grande atrativo e, na minha visão, a maior dificuldade que os desenvolvedores enfrentam.

Yakuza 0 da um chute na cara da crítica negativa!

Esse equilíbrio que o jogo traz pra você faz com que desperte o interesse e a vontade de continuar e vasculhar cada centímetro da cidade para encontrar tudo o que é possível. E, para a minha surpresa, cada avanço na história, novas missões, novos modos de jogo vão liberando, dando a sensação de que o jogo vai evoluindo conforme seu personagem amadurece. Yakuza 0 é, definitivamente, um MUST PLAY para todos os donos de um PlayStation 4. Só não ganha nota máxima no PlayReplay pois a câmera ainda atrapalha um pouco nas lutas, mas é um mero detalhe comparado com o que essa obra prima pode lhe trazer.

 

Yakuza 0- Nota: 4,5/5

Desenvolvimento: Sega
Plataformas:PlayStation 4
Plataforma utilizada na análise: PlayStation 4

Compartilhe