ás

Top 5½ Motivos para amar o Hideo Kojima

No concorrido mundo dos videogames, é bem complicado conseguir ser alçado ao posto de celebridade. Mesmo o jogador mais aficionado dificilmente sabe citar de cabeça mais de uma dúzia de nomes de desenvolvedores.

Então quando você consegue firmar o seu nome entre os grandes da indústria e ser facilmente reconhecido pelos gamers, pode ter certeza de que está fazendo alguma coisa muito certa! Esse é o caso de Hideo Kojima, um dos nomes mais fortes da indústria e uma de suas mentes mais geniais!

 

1. Ele é o cara que trouxe Metal Gear Solid ao mundo

metal-gear-evolucao-playreplay

Se a gente quisesse listar Metal Gear em todas as cinco (e meia) posições dessa lista não seria injustiça alguma. Afinal, sem dúvidas trata-se de uma das mais importantes franquias de toda a história dos videogames, e só de tê-la tornado realidade o nosso amigo Kojima já merecia uma estátua.

Desde sua estréia no MSX (não se preocupe, a gente também não jogou e começou pelo nintendinho) 1987, a série se empenha em criar a melhor experiência de espionagem stealth dos videogames, algo que fica especialmente claro em Metal Gear Solid, jogão lançado para o primeiro PlayStation em 1998.

Certamente um dos melhores jogos de todos os tempos, a aventura tinha de tudo: ação, suspense e muitas, muitas sequências de vídeo para dar aquele ar cinematográfico esperto. Suas sequências não foram menos que incríveis, e não temos a menor dúvida de que Metal Gear Solid V: The Phantom Pain será mais um jogo essencial, capaz de redefinir o gênero mais uma vez com sua espionagem em mundo aberto.

 

2. Eleva os games a um novo patamar

metal-gear-criancas-guerra-playreplay

Quem cresceu nas décadas de 1980 e 1990 sabe muito bem que apesar dos jogos da época possuírem um enredo, na prática quase tudo ficava a cargo da mente dos jogadores, que mergulhavam fundo no universo dos jogos. Mas, em 1998, Kojima decidiu mudar os paradigmas e utilizar toda a tecnologia disponível para mudar a imagem dos videogames para o mundo.

Com Metal Gear Solid, Kojima genialmente mostrou ao mundo que jogos são arte, e não apenas isso. Ele mostrou também que videogames não eram apenas diversão para crianças e que temas maduros podem ser abordados pelos jogos de forma tão profunda quanto qualquer filme hollywoodiano.

Após a revolução de Metal Gear Solid, Kojima foi firmando cada vez mais a sua visão no universo dos games, e a cada novo jogo nos surpreendíamos ainda mais com a capacidade do desenvolvedor para contar histórias envolventes e profundas que abordavam temas pesados e maduros. Tudo isso sem nunca deixar a qualidade do gameplay de lado.

Para completar, Kojima-san não revolucionou apenas no roteiro de seus jogos, mas contribuiu para a criação de motores gráficos que dessem vida às suas criações, tal como o espetacular Fox Engine, utilizado em Metal Gear Solid V: Ground Zeroes. Como vocês podem ver, o cara sempre pensa em tudo!

 

3. É o rei das piadinhas e easter eggs

metal-gear-diarreia-playreplay

Além de genial, Hideo Kojima também é famoso por sua personalidade peculiar. Apesar de gostar de tratar de temas maduros em seus jogos, eles também são cheios de piadinhas e easter eggs engraçadíssimos! De personagens recorrentes em diversos jogos até crises de diarréia em pleno campo de batalha, Kojima mistura de uma forma bizarra seus temas sérios com humor nonsense.

Mas talvez não haja algo mais legal do que as participações especiais do próprio Kojima em seus jogos! Além de ter aparecido interpretando a si mesmo em jogos como Metal Gear Solid V: Ground Zeroes e Metal Gear Solid: Peace Walker, ele ainda dublou diversos personagens de jogos da Konami, como o Chupacabra de Castlevania: Lords of Shadows; Genola, de Metal Gear Solid: VR Missions e até mesmo Little John de Sdatcher, uma mini série escrita por Suda 51 e que serve como prequel de Snatcher. Nem Snake é tão versátil assim!

 

4. Sabe reviver franquias esquecidas

castlevania-lords-of-shadow-playreplay

Com toda a fama conquistada por Kojima durante sua carreira, o cara se tornou o “Shigeru Miyamoto da Konami”, e acabou se transformando na esperança das franquias decadentes da empresa. A primeira série decadente que te a honra de ter o nome de Kojima em seus créditos foi Castlevania.

Com Lords of Shadow, Kojima conseguiu reiniciar um enredo completamente cliché de uma maneira genialmente bem executada, e mesmo om as críticas quanto ao jogo em si, ninguém pode se queixar da qualidade da história e da forma como ela foi contada. Apesar dos problemas, Lords of Shadow é facilmente o Castlevania tridimensional mais bem sucedido da franquia.

Mas o melhor ainda estava por vir! Para quem não estava no planeta Terra nas duas últimas semanas, durante a Gamescom, Kojima-san chegou na voadora e anunciou nada menos do que um novo Silent Hill que será co-produzido por Guillermo Del Toro! Para que os jogadores pudessem sentir um gostinho do que estava por vir, foi lançado um teaser jogável do título para o PlayStation 4, e já deu pra notar que o jogo tem tudo para ser um dos mais assustadores de todos os tempos. E imaginem só o que o cara vai conseguir fazer com o já genial enredo da franquia!

 

5. Possui uma das carreiras mais longas da indústria

hideo-kojima-1998-playreplay

Quantos desenvolvedores podem se gabar de estar na ativa há quase 30 anos e ter trabalhado em praticamente todos os consoles lançados? Listar as contribuições de Kojima consumiria todo o espaço que temos para esse texto, mas há alguns games que certamente devem ser lembrados para compreender seu legado.

Snatcher, lançado originalmente para PC-8801 e MSX2 (e depois portado para o SEGA CD, Saturn e PlayStation) é cultuado até hoje por sua temática cyber-punk no melhor estilo Blade Runner. Mas essa não foi a única empreitada de Kojima no mundo da ficção científica. Como poderíamos nos esquecer das séries Policenauts (3DO, PlayStation, Saturn) e Zone of Enders (PlayStation 2, PlayStation 3, Vita e Xbox 360)?

Até em terras nintendistas ele dá o ar da graça. Além das ótimas remasterizações da série Metal Gear no GameCube e 3DS (e um título exclusivo para GameBoy Color), o mestre ainda marcou presença no GameBoy Advance produzindo a simpática Boktai, e no DS, com Lunar Knights. Ah, ele ainda foi o designer do estágio Shadow Moses em Super Smash Bros. Brawl (Wii)! Ufa!

Então se você perdeu algum de seus grandes games, que tal tirar um tempinho para jogá-los? Afinal, não há modo melhor de honrar o trabalho desse que, sem dúvidas, é um dos maiores designers de jogos de todos os tempos. Viva nosso Big Boss, viva nosso herói lendário, viva Hideo Kojima!

 

½. Do Kojima, com amor

metal-gear-snake-007-playreplay

Quem não gosta de 007 bom sujeito não é, mas Hideo Kojima leva sua obsessão de fã um nível além. Há dicas disso espalhadas por todos os cantos, até mesmo em conversas bem explícitas entre personagens, como quando Zero conta à Para-Medic que é aficionado pela série do espião, mas nada barra a melhor e mais sutil homenagem.

Normalmente os games do mestre contam com uma estrutura bem similar aos filmes do espião, contando com uma rápida introdução cheia de ação, depois créditos, e só então a história começa para valer. Isso é bem perceptível em Metal Gear Solid 3: Snake Eater, que conta até mesmo com uma música de abertura no melhor estilo das canções de Shirley Bassey. É para subir o som!

[youtube id=”_CbFAZ2ztlE” width=”633″ height=”356″]

Colaboração: Thomas Schulze