Conecte-se conosco.

Destaques

Ontem, hoje e amanhã: A evolução nos roteiros dos jogos de videogame

Publicado

em

Tramas mirabolantes cheias de reviravoltas e muitas explicações complexas. Jogar videogame hoje não é mais uma experiência ligada apenas a coordenação motora e padrões que se repetem. Estar no comando de um joystick, hoje, é ter controle sobre uma ou mais vidas, com histórias que (geralmente) tomam rumos imprevisíveis, mais ou menos como em um bom filme. E isso não para por aqui, se analisarmos a fundo a história dos jogos eletrônicos.

 

Ontem

No começo de tudo, ou um pouco ainda depois disso, os jogos eletrônicos estavam ligados apenas ao entretenimento instantâneo, em uma experiência fechada e única, sem nenhum roteiro ou motivação: você tem uma nave e está no espaço, destrói tudo e ganha pontos. Não havia, sequer, um fim. O objetivo era bater o recorde de pontos da máquina e só.

galaga-playreplay

Se Galaga fosse lançado em 2015, viria com um vídeo de 10 minutos explicando como a nave foi parar no espaço

 

Uns anos mais tarde chegou aquela empresa japonesa que todos conhecemos e redefiniu os padrões, criando jogos que tinham começo e fim, ainda que o meio não fizesse lá muito sentido. Nós éramos algo e salvávamos alguém, ponto. Esquilos saltando entre caixotes, encanadores fugindo de plantas carnívoras ou irmãos gêmeos enfrentando bandidos, não importava muito: bastava seguir à direita e uma hora chegaríamos aos nossos objetivos. Com todos os clichês dos jogos da época, como fases d’água, de lava, florestas, desertos… Como se tivéssemos que dar a volta ao mundo, passando por todo tipo de cenário para atingir os nossos objetivos.

donkey-kong-2-playreplay

Pobres macacos: atormentados por um clichê

 

Essa etapa evolutiva, não por acaso, é a minha favorita entre todo esse amadurecimento da indústria de videogames. Esse quê de fantasia que não busca criar raízes no mundo real, tem um lado místico muito mais próximo da Literatura que do Cinema, usando e abusando da nossa imaginação para dar algum sentido às suas licenças poéticas. Afinal, se a princesa sempre está no castelo rodeado por lava, o que raios o Mario vai fazer no deserto? Por que não ir direto ao encontro dela?


Esse exercício mental aliado a ausência de um roteiro fixo conferiam aos jogos um ar bastante caricato, muito por conta da tecnologia da época que não permitia grandes exarcebações. E mesmo em um RPG, gênero famoso por contar histórias longas e com muitos personagens, era necessário um grande poder de abstração para sentir empatia por um punhado de sprites e chiptunes. A cena da ópera de Final Fantasy VI sem a sua imaginação, certamente não seria nada de mais, querido leitor.

 

Hoje

Ao falar com tanto saudosismo dos jogos do passado, parece que estou aqui demonizando a indústria dos jogos e seu rumo acelerado. Não é isso! Mas eu gosto de separar esses momentos tão distintos de um mesmo produto, até para fins comparativos. Um jogo de ação dos anos 90 não tem muitas semelhanças a um jogo do mesmo gênero das gerações mais novas. E não nos cabe vir aqui dizer que um ou outro é melhor, simplesmente porque não é possível comparar um e outro em pé de igualdade. São bananas e maçãs!

Essa transformação tão brusca pode ser creditada apenas ao avanço tecnológico? Imagino que não e gosto de dar nomes aos bois. Afinal, se fosse só uma questão de tecnologia, teríamos os mesmos jogos com apenas alguns apetrechos a mais, como o som digital e alguns polígonos. Versões revistas de clássicos do passado, como foi de fato o começo da moda poligonal: Virtua Racing, Virtua Fighter, nada mais que repaginações do que já havia sido feito no passado. E aí veio Hideo Kojima, com seu brilhantismo habitual e reescreveu os rumos da indústria com a facilidade que nós apertamos os botões dos nossos joysticks, promovendo um salto gigantesco entre a brincadeira de criança e o negócio bilionário. Diretamente? Não. Sozinho? Não. Metal Gear Solid não é fruto do trabalho de um homem só, além de não ter sido o primeiro jogo tridimensional do estilo. Mas provou que é possível um jogo ter um roteiro sólido (viajado, mas sólido), digno de um bom filme.

metal-gear-playreplay

Psycho Mantis lia seu memory card como “prova” de seus poderes mentais. Metalinguagem é especialidade de Kojima

 

Daí pra frente, o movimento só se acentuou e hoje os principais jogos têm histórias profundas e enraizadas, com sequências, finais alternativos, com direito a um gênero especial onde somos espectadores e jogadores ao mesmo tempo, algo executado com maestria pelo pessoal da Telltale Games (de Game of Thrones, Walking Dead e outros), bebendo na fonte da saudosa LucasArts.

fullthrottle-playreplay

Fullthrottle: LucasArts era mestra nos adventures

 

Amanhã

Há espaço para ambos os modelos de jogos, uma vez que a audiência hoje é tão vasta. Sem querer bater na tecla do gamer ou não (afinal, o que é ser gamer?), a verdade é que uma galera que já torceu o nariz para os jogos, hoje não passa um dia sequer sem seu angry-birds-candy-crush-fruit-ninja da vida. E movimentando bastante grana!

Em um mundo com novas redes sociais surgindo a todo momento e experiências sensoriais redefinindo a relação entre o jogador e o jogo (engatinhando, eu diria), o futuro é promissor. A ideia não é favorecer um ou outro público, mas atender a demanda e entregar conteúdo de qualidade, desde a galera do sofá que curte jogos de plataforma até o empresário apressado que só quer matar os 15 minutos de translado entre um ponto e outro da cidade.

the-order-playreplay

The Order – 1886: Mais filme que jogo, não agradou e nem atendeu às expectativas

 

Jogos eletrônicos não precisam, necessariamente, seguir um formato fechado e restrito. O universo é bastante vasto e tem espaço pra todo mundo, só encontrar o que mais se adequa ao seu perfil.

Formado em Publicidade e Propaganda e retrô gamer apaixonado, tem predileção pelos 8 bits. Lê e relê suas revistas de video game antigas todas as noites na hora de dormir. Antes de vir para o PlayReplay, coordenou a área de diagramação do GameBlast.

Cinema

De Fullmetal Alchemist a Samurai X, entenda a febre dos Live-Action

Relembre os melhores filmes em live-action lançados neste século

Publicado

em

Não foi apenas Fullmetal Alchemist que ganhou uma hypada adaptação em live action. A Warner Bros. Japan também está apostando forte no lançamento da versão com atores de Bleach, e esses são apenas dois exemplares de live action que estão repercutindo muito bem na internet!


Veja também:


Com lançamento marcado para 20 de julho de 2018, Bleach chegará aos cinemas japoneses e já tem até um trailer caprichado — esse do link acima —, prontinho para você clicar e se refestelar. Já Fullmetal Alchemist está disponível para streaming no catálogo da Netflix nacional enquanto você lê este texto. Mas não é de hoje que grandes obras dos anime e mangás são adaptadas para filmes!

adaptação em live action de Bleach

adaptação em live action de Bleach

Entre erros e acertos, há uma infinidade de versões com atores de carne e osso por aí. Vamos começar relembrando as melhores lançadas neste século? Todos eles valem um pouquinho do seu tempo!

Os melhores filmes em live-action

Em 2001 tivemos Ichi: O Assassino, adaptação do Ichi the Killer de Hideo Yamamoto. Já em 2003 foi a vez do clássico absoluto Oldboy, baseado no mangá homônimo de Garon Tsuchiya. A versão de Gantz lançada em 2010 também foi uma ótima opção para quem curte os mangás de Hiroya Oku, e ganhou até uma sequência, Gantz: A Resposta Perfeita, no ano seguinte.


Em 2011, Takehiko Shinjo adaptou o mangá Paradise Kiss de Ai Yazawa de forma bem divertida, mas foi em 2012 que tivemos uma das adaptações mais celebradas, quando Keishi Ohtomo lançou Samurai X O Filme, a aclamada versão com atores de Rurouni Kenshin – Meiji Kenkaku Romantan, de Nobuhiro Watsuki.

Já em 2014, outro clássico ganhou vida em Lupin the Third, baseado no Lupin Sansei de Kazuhiko Kato. Apesar da complicada missão, o filme de Assassination Classroom comandado por Eiichiro Hasumi conseguiu ser bem fiel aos livros de Yusei Matsui. Ou seja, não faltam exemplos de boas adaptações por aí!

O cantinho da desonra…

Mas nem tudo são flores quando obras queridas ganham uma nova roupagem, especialmente quando americanos tentam a sorte nesse ramo tão traiçoeiro. O exemplo mais infame, claro, é o execrável Dragon Ball Evolution. Lançado em 2009, até hoje ele causa pesadelos nos fãs da obra de Akira Toriyama.

Os últimos tempos foram particularmente ingratos para adaptações ocidentais, já que os filmes de Ghost in the Shell e Death Note, ambos de 2017, tiveram uma recepção muito fria tanto por parte dos fãs como da crítica especializada. Aqui está nossa crítica de Death Note que não nos deixa mentir…

Ou seja, embora o estouro de popularidade do live action de Fullmetal Alchemist possa fazer alguém recém-chegado ao mundo dos live-action acreditar que isso é novidade, acho que ficou bem claro o quão comum é a prática, certo?

Isso porque, neste texto, só falamos em coisas deste século. Quem sabe na próxima não cobrimos também algumas adaptações ainda mais clássicas? Deixe um comentário aqui embaixo caso tenha interesse no tema!

Continue lendo

Destaques

Kingdom Come: Deliverance | Os 5 melhores mods para o jogo

Kingdom Come conta com mods que podem consertar problemas do jogo e contornar mecânicas irritantes.

Publicado

em

kingdom come capa

Apesar de ter sido lançado há pouco tempo, Kingdom Come: Deliverance já se mostrou ser um grande sucesso, especialmente entre os fãs de RPG que queriam algo diferente dos clichês de sempre.



É claro que um jogo deste porte e com tantos jogadores ativos acaba apresentando diversos problemas e algumas mecânicas que não agradam todo mundo.

Felizmente, os jogadores de PC podem contar com modificações feitas especificamente para resolver esses probleminhas. Você pode conferir nossa lista dos cinco mods mais úteis para Kingdom Come logo abaixo!


5. Faster Arrows

Em Kingdom Come: Deliverance, você só conta com armas reais, então aqueles que dão preferência a um estilo de combate de longa de distância, podem acabar gostando de lutar mais com um bom e velho arco e flecha.

O único problema é que o sistema de arco e flecha do jogo não é tão realista assim e as flechas são bem mais lentas do que deveriam ser. Para resolver isso, você pode usar o mod “Faster Arrows”, que ajusta a velocidade das flechas de modo mais aproveitável. Clique aqui para baixá-lo.

4. Cheap Training

Assim como em muitos outros RPGs, você pode pagar por treinamentos para melhorar certas habilidades, mas isso é algo extremamente caro em Kingdom Come.

É claro que você pode fazer bastante dinheiro no jogo, mas isso certamente vai demorar dezenas de horas. Para não sofrer tanto com o preço dos treinamentos no início do game, basta usar o mod “Cheap Training”. Ele diminui o preço para 50% ou 10% do valor original, dependendo do que você preferir. Clique aqui para baixá-lo.

3. Unlimited Weight

O mod “Unlimited Weight” é bem mais superficial e serve para aqueles que não gostam de lidar com sistemas de peso em jogos deste tipo. Basicamente, você pode carregar o que quiser sem se preocupar com o peso dos itens. Você pode clicar aqui para baixar o mod.

2. Sectorial Lockpicking

Quem já jogou qualquer game mais moderno da Bethesda sabe o quanto seus minigames de fechadura são irritantes, mas elas são toleráveis quando você aprende exatamente como elas funcionam.

O sistema que implementaram em Kingdom Come também não é nada fácil e muitos fãs já pediram por uma alteração no futuro. Enquanto isso não acontece, você pode usar o mod “Sectoria Lockpicking”, que deixa o minigame mais viável sem modificá-lo de maneira extrema. Clique aqui para baixá-lo.

1. Unlimited Saving

Por fim, não dava para deixar de fora um dos mods mais úteis que foram disponibilizados até agora para Kingdom Come. Se você já jogou o título, deve ter percebido que não dá para salvar a qualquer momento, já que você precisa usar o item “Saviour Schnapps” toda vez que quiser fazer isso.

Como você só tem um número limitado deste item, acaba sendo irritante ter que esperar o jogo chegar em um checkpoint (para salvar sozinho) e tomar cuidado extra para não perder o progresso de horas por algum problema do próprio game, que ainda é bem instável. Felizmente, o mod “Unlimited Saving” resolve isso e permite que você salve a qualquer momento e lugar. Baixe-o neste link.

Continue lendo

Destaques

Venha fazer um Book Tour pelo mangá oficial de Splatoon

Publicado

em

A Nintendo começou a publicar um mangá oficial de Splatoon a partir de dezembro de 2017 nos Estados Unidos. Apesar de ainda não existir uma versão nacional, o livro está disponível tanto para importação como para venda diretamente pela Amazon nacional através deste link. No vídeo de hoje te convidamos a fazer um passeio detalhado pela obra. Basta clicar no player abaixo!


Veja também:


Escrito e desenhado por Sankichi Hinodeya, o mangá foi publicado originalmente no Japão através da Korokoro Comics em 2016, e depois traduzido e lançado nos Estados Unidos pela Viz Media em 2017.

Por enquanto, apenas o primeiro volume está disponível, mas a edição 2 já tem data marcada de lançamento para março de 2018, enquanto o volume 3 sai em junho de 2018.


Os três primeiros volumes são focados no jogo Splatoon de Wii U, enquanto o volume 4 já começa a mostrar a mitologia e personagens de Splatoon 2, um dos principais jogos do Nintendo Switch.

Depois de ver o vídeo, não esqueça de contar o que achou do mangá nos comentários aqui embaixo! Aliás, por que não aproveita e diz pra gente se você já leu ou se tem vontade de ler o mangá também?

Continue lendo

Últimas notícias

Cinema16 horas atrás

Cheetos | Fox está fazendo filme sobre o salgadinho (ou quase isso)

Longa vai contar como Richard Montanez inventou o Cheetos Flamin' Hot

Games2 dias atrás

Naruto to Boruto | Beta de Shinobi Striker já começou

Os jogadores que participarem do teste beta no PS4 receberão uma camiseta exclusiva para seus personagens

Música2 dias atrás

Charlie Brown Jr. | Paula Toller grava cover de Céu Azul

A banda Charlie Brown Jr. sempre terá um lugarzinho especial na mente dos brasileiros, especialmente daqueles que cresceram ouvindo as...

Games2 dias atrás

Sword Art Online | Fatal Bullet, novo jogo da série, já está disponível

Híbrido de RPG e tiro em terceira pessoa tem versões para Xbox One, PS4 e PC

Notícias2 dias atrás

A Bruxa de Blair | Lionsgate está produzindo uma série de televisão

Ainda não há data de estreia ou elenco confirmados

Cinema2 dias atrás

Batgirl | Roxane Gay se oferece para escrever o filme

Ela se ofereceu após Joss Whedon abandonar o projeto

Games2 dias atrás

Far Cry | Plataforma oferece jogos da série com descontos de até 60% neste final de semana

Far Cry 5 - Gold Edition quase pelo mesmo preço da versão simples do jogo!

Games2 dias atrás

Dragon Ball Xenoverse 2 | Transformação de Goku chega na próxima semana

Além de adicionar o "Instinto Superior" de Goku, o novo DLC trará um novo capítulo da campanha principal do jogo.

Cinema2 dias atrás

Pantera Negra | Ryan Coogler ama seu Nintendo Switch e Stardew Valley

"Eu amo plantar!", revelou o diretor de Pantera Negra e Creed

Anime2 dias atrás

Sailor Moon | Atração do parque Universal aparece em trailer 4D

Universal Studios do Japão terá área focada em Sailor Moon por tempo limitado

Games2 dias atrás

Kingdom Come: Deliverance | Novo patch é liberado no Xbox One

Demorou um bom tempo para o principal patch de Kingdom Come chegar no console da Microsoft.

Notícias2 dias atrás

PlayReplay | Você agora pode deixar seu review nas nossas críticas

Liberte o crítico ou crítica que existe em você!

Games2 dias atrás

Final Fantasy XV | Novos 4 DLCs devem ser lançados em 2019

Os DLCs estavam planejados para 2018, mas os desenvolvedores querem garantir a qualidade do conteúdo com o tempo extra.

Cinema2 dias atrás

A Hora do Rush 4 | Chris Tucker confirma produção do filme

Chris e Jackie Chan concordaram com um roteiro e sequência vai virar realidade

Games2 dias atrás

Nintendo Switch | eShop recebe 18 novos jogos esta semana

Entre os novos jogos, estão os populares Old Man's Journey e Layers of Fear: Legacy.

Em alta