Conecte-se conosco.

Críticas

Ni no Kuni II: Revenant Kingdom é uma obra de arte em forma de videogame

Novo jogo da série acompanha aventura de rei destronado que busca criar um reino de paz e felicidade para o povo

Publicado

em

Há tempos venho procurando por um RPG que me prenda do começo ao fim, daqueles com história envolvente, personagens carismáticos, sistema de jogo complexo e jogabilidade caprichada. Minhas últimas tentativas foram com Digimon Story: Cyber Sleuth e Sword Art Online: Hollow Realization, jogos que têm lá o seu charme — mas nada que fosse muito impactante. Foi quando apareceu Ni no Kuni II: Revenant Kingdom, jogo desenvolvido pelos estúdios Level-5 e Bandai Namco, mostrando que ainda é possível ter um RPG de classe para o PlayStation 4.


Veja também:


Ni no Kuni é uma série de jogos do gênero RPG que ganhou bastante destaque em 2010, quando Ni no Kuni: Wrath of the White Witch chegou exclusivamente para o PlayStation 3 repercutindo positivamente graças a elementos de altíssima qualidade como gráficos, narrativa, jogabilidade e, principalmente, pela veia artística, já que o famoso Studio Ghibli, criador de clássicos da animação japonesa como A Viagem de Chihiro, estava envolvido no projeto. Agora, mesmo sem a colaboração do estúdio de animação, a sequência de Ni no Kuni lançada para PS4 e PCs traz consigo o mesmo charme do jogo anterior.

A história de Ni no Kuni vai se tornando cada vez mais complexa no decorrer do jogo. Centenas de anos após os eventos vistos no game anterior, no dia em que seria coroado Rei de Ding Dong Dell, o príncipe Evan é traído e deposto do trono, precisando fugir e abandonar seu reino para sobreviver. Roland, um humano que veio do mundo real, auxilia sua fuga e garante que o pequeno rei consiga escapar são e salvo. A partir daí, a missão de Evan é recriar seu reino e unificar todos os outros sob uma mesma bandeira, visando garantir a felicidade e a paz de todos.

Evan quer construir um reino de paz e felicidade em Ni no Kuni II: Revenant Kingdom

Fugindo da mesmice

Diferente dos RPGs convencionais, Ni no Kuni II: Revenant Kingdom traz a evolução do RPG tático para as telinhas. Inicialmente, durante as batalhas, você controla Evan e Roland, que unem forças como companheiros de luta, e no decorrer do jogo é possível liberar novos aliados. Cada personagem pode equipar três armas diferentes de dano corpo-a-corpo, que podem ser alteradas durante a batalha. Quanto mais dano você causar no inimigo, mais poder sua arma acumula, o que possibilita utilizar habilidades especiais potencializadas com aquela arma. Além disso, é possível equipar ainda uma arma de dano a distância e quatro habilidades ou golpes especiais.

Durante as batalhas, apenas três personagens do seu time participam das lutas. Você controla apenas um personagem por vez, podendo tomar controle de outro personagem quando os pontos de vida do anterior chegarem a zero. Com a ajuda dos Higgledy, pequenos seres que auxiliam ativamente durante suas batalhas, é possível montar estratégias e ter alguma vantagem durante as lutas. Os Higgledy podem ajudar tanto com ataque quanto com suporte, podendo curar sua equipe numa hora de maior necessidade ou oferecer um pouco mais de poder de fogo.

Essas criaturinhas são encontradas pela primeira vez durante a história principal, e depois é possível encontrar vários outros espalhados pelo mundo. Para que eles aceitem entrar o seu grupo, é preciso oferecer um item como presente. Se eles aceitarem te acompanhar, pode ter certeza de que serão valiosos aliados — então vale a pena o esforço!

Ni no Kuni II conta ainda com o modo de guerra, no qual você controla Evan e deve comandar seu exército para derrotar os inimigos. Cada exército adversário tem seu general e sua própria especialidade. O esquema tático desse modo lembra bastante os jogos da série Fire Emblem, onde cada tipo de arma tem vantagem sobre outra, então é super importante saber quando avançar, quando utilizar habilidades especiais e, principalmente, quando recuar.

Como disse anteriormente, a missão de Evan é construir seu próprio reino — e essa missão, é claro, depende de você. É preciso recomeçar do zero, construindo seu castelo e as demais estruturas para que ferreiros e armeiros possam montar suas lojas, além de possibilitar a criação de hortas e várias outras estruturas. Assim, seu reino vai se fortalecendo em um esquema que lembra bastante o visto na construção da cidade em Bravely Default, JRPG exclusivo do Nintendo 3DS.

A evolução em Ni no Kuni II se dá de forma automática, com status como força, agilidade e vitalidade aumentando automaticamente, se ajustando às características de cada personagem. Com o menu Tactical Tweaker é possível personalizar as várias vantagens que você pode ter numa batalha, podendo por exemplo aumentar o status básico dos personagens do seu time. É possível, ainda, configurar para ter vantagem contra um tipo específico de inimigo, em contrapartida tendo desvantagem contra algum outro. São várias as opções, o que permite repensar e mudar sua estratégia a cada nova batalha.

Mesmo com tantas opções e novidades, a jogabilidade de Ni no Kuni II é bem intuitiva e de fácil memorização, permitindo a qualquer gamer dominar facilmente os seus comandos.

A jogabilidade de Ni no Kuni II: Revenant Kingdom é simples e intuitiva

Beleza imperfeita

Embora lindo e um tanto complexo, Ni no Kuni II não é perfeito. O jogo é fácil demais, contando com batalhas que não oferecem muita dificuldade, além de indicar visualmente quais adversários são muito mais fracos ou muito mais fortes que você. Assim, fica fácil escolher quais batalhas evitar e quais arriscar.

A progressão dos personagens também é outro ponto negativo. Não apenas por ser automática — o que por si só já limita um pouco a imersão —, mas por não haver necessidade de encarar mais batalhas e desbravar cenários em busca de mais pontos de experiência.

Outra consideração importante é em relação aos botões de esquiva. Para se esquivar, é necessário segurar o botão de bloqueio (L1) e, em seguida, o direcional na direção para onde deseja rolar. Porém, muitas vezes, me vejo bloqueando e girando a câmera, fazendo meu personagem levar dano (ainda que reduzido por conta do bloqueio) de ataques que poderiam ter sido facilmente evitados com um rolamento de esquiva.

Mais que um jogo, uma obra de arte

Hoje em dia é muito mais comum ter jogos com gráficos em cel shading, daqueles que simulam o visual de desenhos animados, coisa que não era muito aceita na época do lançamento de The Legend of Zelda: The Wind Waker. O que é curioso, dado que boa parte da beleza de Ni No Kuni II: The Revenant Kingdom de dá por conta deste estilo de comunicação visual, apresentando ótimos gráficos e características únicas que tornam o jogo uma mescla perfeita entre game e animação japonesa.

Outro ponto importantíssimo que auxilia na criação de uma experiência de jogo extremamente agradável e emocionante é sua trilha sonora, toda orquestrada, que ajuda a criar uma ambientação singular para a aventura de Evan e seus companheiros. Cada arranjo é importante, permitindo identificar momentos de maior tensão, de descontração e de descanso em poucas notas.

Depois de anos de busca, Ni no Kuni 2: The Revenant Kingdom foi o RPG que atendeu e superou minhas expectativas. Como não tive a oportunidade de jogar o título anterior, ficou aquela vontade de descolar uma cópia de Ni no Kuni: Wrath of the White Witch para curtir no PlayStaion 3. Afinal, Ni no Kuni é daquelas séries que merecem um espaço na sua coleção, e a prova disso é o alto padrão de qualidade de The Revenant Kingdom.

Review 0
9.5 Nota
5.5 Leitores (2 Notas)
Prós
  • Jogabilidade simples
  • Inúmeros modos de jogo
  • Belos gráficos
  • Trama bem desenvolvida
Contras
  • Fácil demais
  • Comando de esquiva problemático
Avaliação
Ni No Kuni 2: The Revenent Kingdom é um RPG obrigatório para os jogadores de PlayStation 4 e Microsoft Windows. Envolvente, cheio de novidades e, ainda assim, mantendo as características principais do gênero, o novo Ni no Kuni é ideal para quem procura uma experiência divertida e emocionante.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Designer, pós graduado em Gestão da Informação e Business Intelligence, amante da música e pianista, é gamer desde os 4 anos de idade e seu maior sonho sempre foi trabalhar com videogames. Fez parte do portal GameBlast, mas hoje se dedica exclusivamente ao PlayReplay.

Críticas

Resident Evil 2 é a melhor homenagem que o clássico poderia ganhar

Testamos o remake do clássico Resident Evil 2, lançado para Xbox One, PS4 e PCs

Publicado

em

Jogos de terror tiveram seu ápice na década de 90 e nos anos 2000, com franquias que fizeram a gente borrar as calças a cada susto tomado com games como Fatal Frame, Silent Hill e Resident Evil. Porém, no decorrer dos anos, o gênero terror foi enfraquecendo, ganhando apenas alguns jogos de destaque. Até mesmo as nossas franquias amadas tomaram um rumo inesperado, deixando de lado o terror — ou o desenvolvimento dos jogos do gênero deixou a desejar.


Veja também:


Porém, nos últimos anos, o gênero terror parece estar ganhando seu brilho novamente, com a demo P.T. de Silent Hills fazendo muito sucesso, Resident Evil 7 se esforçando para entregar uma experiência mais assustadora e o recém-lançado Resident Evil 2 Remake prometendo ser um novo rumo para a franquia.

Leon já ta pronto pra entrar em Resident Evil 2

Como já disse anteriormente, Resident Evil tomou um rumo que os games acabaram tendendo mais para a ação do que um jogo de terror e sobrevivência, como havia sido feito originalmente. Mas com o lançamento de Resident Evil 7 e o remake de Resident Evil 2 a série parece estar mirando em voltar às origens. E o remake de Resident Evil 2 Remake realmente merece um destaque por toda essa re-transformação da série.

Revivendo Raccoon City

O novo lançamento da série da Capcom é uma remodelagem do clássico game Resident Evil 2 lançado originalmente para o primeiro PlayStation e o Nintendo 64. E, para manter o jogo interessante tanto para gamers que já jogaram o clássico como para novos aventureiros que não acompanharam a primeira aventura de Leon e Claire (é o meu caso), a Capcom refez não apenas os gráficos, mas também inúmeras mudanças para surpreender os dois grupos de jogadores.

A história continua basicamente a mesma: dois personagens estão indo para Raccoon City sem saber que a cidade já estava infestada de zumbis. Leon S. Kennedy é um policial novato e está indo para a delegacia para seu primeiro dia de trabalho. Já Claire Redfield é irmã do membro da S.T.A.R.S. Chris Redfield e, por conta disso, vai em busca do seu irmão (que desapareceu depois do primeiro Resident Evil). Ambos se encontram no posto perto da cidade, onde são atacados por zumbis e, após escaparem, decidem ir para a cidade para ver o que está acontecendo.

Os Cerberus voltaram para causar na sua jogatina, agora em HD!

Com gosto de nostalgia e novidade, o novo Resident Evil 2 mantém praticamente o mesmo layout dos mapas, porém inúmeras mudanças foram feitas no geral. Puzzles, por exemplo, foram totalmente remodelados, pegando de surpresa até o mais experiente dos jogadores. Por mais que o game seja um remake, é possível ser considerado um jogo completamente novo, mesmo que mantenha a mesma história de forma geral.

Falando em história, assim como no original, é possível escolher entre Leon e Claire para iniciar a aventura. Nessa primeira jornada, existem algumas diferenças mínimas entre o percurso dos dois, como as armas, por exemplo, Leon consegue a Shotgun e a Claire um lança-granadas no lugar. Eles se encontram algumas vezes durante a jornada, mas confesso que é menos do que eu esperava depois de ler muito sobre RE2.

Ao completar o modo história, você libera o modo Segunda Jornada do personagem oposto ao que você jogou, ou seja, complete a primeira aventura com Leon e libere a segunda jornada da Claire e vice-versa. Vale lembrar que esse modo, apesar de ser o mesmo cenário, é mais difícil que o normal, mudando algumas rotas e localização de alguns itens, encontrando mais inimigos e tendo munição reduzida.

Após completar esse modo, libera-se o famoso 4º Sobrevivente (4th Survivor), em que você controla Hunk, um agente secreto da corporação Umbrella que liderou uma equipe para levar William Birkin, criador do G-Virus, de volta à sede da corporação. Claro que tudo dá errado, a equipe acaba matando o cientista mas ainda coletam uma amostra do vírus. Nesse modo, você precisa apenas chegar ao ponto de extração do helicóptero para fugir da cena.

Birkin não autorizou a Claire de levar a Sherry pra longe dele!

Mas não é tão simples quanto parece, você apenas pode contar com os itens em seu inventário, não tendo saves, acesso ao baú de itens e nem mesmo encontrará itens e munições durante a missão. E, pra finalizar, completando o modo você libera a versão Tofu dele, onde você controla um Tofu gigante, membro da S.T.A.R.S. e pode utilizar apenas faca. Boa sorte!

O retorno ao horror

Resident Evil 7 veio trazendo de volta as coisas que mais amamos na franquia, como sobrevivência e o medo de se aventurar pelos corredores. Porém, mesmo não apresentando zumbis, conseguiu conquistar muitos fãs. Já o remake de Resident Evil 2 traz de volta tudo o que sentimos na época em que os primeiros títulos da série Resident Evil chegaram aos consoles. Mesmo não tendo jogado a versão original de RE2, tive a oportunidade de poder desfrutar dos outros jogos da série e, com certeza, a sensação de medo e pavor durante o jogo deve ter sido a mesma.

A sensação de jogar a versão remake de Resident Evil 2 é incrível, você fica tenso o tempo todo, a cada susto tomado e preocupado com cada bala gasta para matar ou apenas atordoar os inimigos para avançar. Durante a primeira jogatina na história do Leon, confesso que dei alguns gritos e soltei alguns xingamentos de nervoso para cenas de surpresas e inimigos inusitados aparecendo onde não foram chamados.

Claro que isso se deve a toda ambientação e clima construídos durante a jogatina. Os cenários finalmente possuem iluminação adequada para um jogo de terror, coisa que não era possível durante a geração do primeiro PlayStation. Joguei o game todo com as configurações que o próprio game indica, ou seja, nas áreas que os personagens utilizam a lanterna para iluminar o caminho, apenas o que a luz tocava conseguia enxergar, o resto era escuridão pura. Então cada grunhido do zumbi que eu não via era um novo momento de tensão.

Mr. X ta putaço por colocarem esse chapéu nele!

Além disso, vale dizer que todos os inimigos foram remodelados para poder se adequar ao novo clima retratado no remake e, para ser bem mais realista, modelaram os zumbis utilizando os próprios desenvolvedores, ficando mais tenebroso ainda. As outras criaturas, apesar de não conseguir ver tão bem os detalhes delas por estar fugindo praticamente o tempo todo, são bem assustadoras. Depois de liberar o modelo delas no modo Extra do jogo, é possível ver os detalhes das criaturas, uma mais monstruosa que a outra.

A versão do jogo que utilizamos, cedido pela Capcom, contava com os bônus incríveis como a clássica arma de Albert Wesker de sua época de líder da S.T.A.R.S., a possibilidade de aprofundar mais ainda o nível nostálgico do jogador com a trilha sonora original e novas roupas com possíveis referências à outras séries, games e até mesmo de uma versão de Resident Evil 2 1.5, game que seria o RE2 original se não fosse descartado no meio do processo de desenvolvimento e refeito com cara do RE que conhecemos.

O único ponto negativo de tudo isso é a questão de tempo de jogo. Em minha primeira jogatina, foram um pouco mais de 9 horas para completar a primeira parte da campanha, o que foi até um bom tempo de jogo. Porém, nos outros modos, ele cai para 5 horas e até menos, já que, como todo Resident Evil clássico, é questão de decorar os caminhos certos a serem percorridos e otimizar esse tempo. Mesmo contando com 3 modos diferentes, a história principal, a segunda jornada e o 4º sobrevivente, é possível completá-la de forma rápida, sobrando apenas os liberáveis que requerem mais habilidade para conquistar. Isso se deve por ser um remake de um jogo onde essa média de tempo era normal na época, mas estamos em um ano onde games e gamers estão acostumados com aqueles jogos que duram mais que isso.

Afinal, o novo modo de jogo ou o antigo?

Como disse, muitas mudanças foram realizadas nesse remake, inclusive podendo ser considerado um novo jogo, já que as mudanças foram intensas. Como era de se esperar, também a gameplay evoluiu, não contamos mais com aquela câmera fixa para causar mais pânico numa época onde a capacidade gráfica era pequena. Dessa vez, combinou a gameplay apresentada em Resident Evil 4, combinando bem com a forma de jogatina que novos jogadores possam se adaptar.

A coisa ficou feia pra Claire agora

O remake de Resident Evil 2 consegue trazer a grandeza e o peso que a franquia merece e, com relatos até de fãs da versão original de RE2, posso dizer que a Capcom é excelente em criar remakes. A história se repetiu como em Resident Evil Remake (a versão refeita do primeiro jogo da série) e, mesmo sendo mais ousados em mudar a forma de jogo de um game já conceituado no mundo gamer, a homenagem feita para esse grande clássico, com certeza, entrou na lista de um dos melhores games da série, podendo até retratar como um novo recomeço para a série, mas isso é assunto para uma outra postagem.

A experiência de poder desfrutar Resident Evil 2 pela primeira vez através do remake para mim com certeza foi mais que positiva, dando esperança para um renascimento incrível da franquia, podendo ter a mesma força que tinha durante a minha infância. Para os nostálgicos de plantão, a emoção bate mais forte ainda ao jogar essa releitura do segundo jogo, além das grandes surpresas incríveis que apenas jogando para saber.

Resident Evil 2
9.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ótimos gráficos
  • Um verdadeiro jogo de terror
    e sobrevivência
  • Múltiplos modos de jogo
  • Nostalgia e novidades
  • Narração incrível
Contras
  • Jogo curto
Avaliação
O remake de Resident Evil 2 é uma bela homenagem feita pela Capcom que, com certeza, vai agradar tanto aos novos jogadores como aos antigos players, com direito a novos puzzles, aventuras diferenciadas da original e, ainda assim, com direito a toda nostalgia merecida.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Darksiders III e o outro ponto de vista do apocalipse da saga

Testamos Darksiders III, o terceiro jogo da franquia de ação publicada pela THQ Nordic com versões para PS4, Xbox One e PC

Publicado

em

Darksiders III conta uma nova história que ocorre em paralelo como segundo jogo da série e entre os eventos da primeira e da segunda parte da aventura de Guerra. Este novo game traz Cólera (ou Fury em inglês), o terceiro Cavaleiro do Apocalipse, como personagem jogável. Assim como nos outros dois títulos anteriores, ela é comandada pelo Conselho de Fogo para manter o equilíbrio entre os mundos do céu, do inferno e da humanidade.

Após os acontecimentos da primeira parte de Darksiders, Guerra foi acusado pelo conselho de ter quebrado os selos do Apocalipse e, por isso, foi mantido preso até então. O conselho, então, invoca Cólera para uma difícil missão que no passado precisou de quatro cavaleiros para ser concluída. Seu objetivo é derrotar os sete pecados capitais que foram soltos de sua prisão por alguém que até mesmo o conselho desconhecia.

Cólera e seu primeiro encontro com Ira

Nesse cenário em que ocorre a conversa entre o conselho e a cavaleira, Guerra está preso e é assim que a Cólera descobre sobre sua traição. Ao partir para iniciar sua missão, ela escuta seu irmão clamando inocência e que ela iria descobrir a verdade sobre os acontecimentos. E é assim que se inicia as aventuras de Darksiders III.

Cólera e não Fome

De acordo com a Bíblia, os quatro Cavaleiros do Apocalipse são Guerra, Fome, Morte e Peste, mas Joe Madureira, diretor de criação da série, tomou mais liberdade na hora da criação dos jogos e trocou Fome e Peste por Cólera e Conflito — sendo que este último ainda não apareceu como personagem jogável.

Cólera é acompanhada pelo seu fiel cavalo, Ímpeto, e seu poderoso chicote, as Farpas do Desprezo. Bem armada e acompanhada, ela possui uma jogabilidade bem diferente dos outros dois irmãos, a Morte e Guerra. Ela é, de fato, mais fraca que os dois, porém mais ágil, contando com sua velocidade e estratégia para lidar com os inimigos.

Dessa forma, é necessário tomar muito cuidado na hora de avançar no mapa, já que qualquer dano tomado pode ser fatal para a protagonista e o game pune muito bem os jogadores por isso. Ao morrer (e pode ter certeza que isso vai acontecer muitas vezes), você volta para o último checkpoint passado na jogatina e, muitas vezes, ele pode ser tão longe que você terá que penar para derrotar os inimigos no caminho de novo para chegar no local onde morreu.

Cólera está furiosa de tanta derrota sofrida no jogo!

Além disso, a dificuldade também implica fortemente no combate. O jogo permite quatro tipos de dificuldade: História, Equilibrado, Desafiador e Apocalíptico, sendo o primeiro o mais fácil e o último a dificuldade máxima do game. O que ela muda em questão de gameplay? Muita coisa, além dos inimigos darem um dano maior a cada nova dificuldade, podendo ter chefes que acabam com você em dois golpes no Apocalíptico, também muda a abertura de tempo de esquiva. Quanto mais difícil o jogo, menor a janela para poder realizar a esquiva perfeita, que permite um golpe de contra-ataque crítico contra o inimigo, ou seja, a sua principal arma de combate para evitar mortes e mais mortes no jogo.

Cólera conta com novas habilidades no decorrer do jogo, elementos do Abismo que vão mudando sua forma de jogar e gerando novas habilidades. Para não dar maiores spoilers, a primeira delas é a Chama Abismal, que concede à personagem a arma Correntes do Desprezo, que é utilizada em combo com o chicote, e permite novos golpes de fogo, além de resolver puzzles no mapa com essa magia.

Quem já jogou Darksiders II deve lembrar que foi implementado um sistema de RPG onde poderia realizar upgrades no personagem, nao é? No terceiro jogo também é possível realizar essa evolução. Ela é separada em três status: Saúde, que aumenta sua vida máxima; Força, que aumenta o dano físico de todos os ataques básicos com a arma primária e secundária; e Arcano, que aumenta o dano de contra-ataques em esquiva, ataques carregados, ataques de fúria e ataques na forma do Caos. Isso mesmo que você leu! Cólera também tem uma transformação assim como seus irmãos, nela é necessário acumular a barra para utiliza-la, ganhando vida e causando um imenso dano ao inimigo, além da invencibilidade temporária.

Cólera e Vigia se preparando para continuar a caça dos pecados capitais!

Mas não é só a Cólera que pode evoluir, suas armas também. Em um momento do jogo, você encontra Ulthane, um forjador que permitirá realizar melhorias nas suas armas; e aprimoramentos, que são runas colocadas nas armas para conceder bônus durante as batalhas. O máximo de upgrade que consegui realizar até o fim do jogo foi de +9, já que fica cada vez mais difícil de coletar o material para realizar o upgrade e deixar os golpes mais fortes.

E o último NPC principal que pode te ajudar é o demônio Vulgrin, personagem que retorna de Darksiders II. Diferente da sua primeira aparição, o demônio faz vendas de consumíveis, ingredientes e especiais, além de poder aumentar seu nível, tudo isso em troca das almas coletadas ao derrotar os inimigos no jogo. Sua última utilidade também são os Buracos de Serpente, que funcionam como uma viagem rápida para outros checkpoints localizados durante o jogo.

Os Sete Pecados Capitais

Como disse anteriormente, a missão da Cólera é derrotar os Sete Pecados Capitais, ou seja, Ira, Gula, Preguiça, Orgulho, Inveja, Ganância e Luxúria. Os Pecados encontram suas formas físicas no jogo e será necessário derrotar cada um deles para cumprir o objetivo e ajudar a manter o equilíbrio no mundo. Cada Pecado possui uma forma diferente, características próprias que, como o próprio nome já diz, representam sua personalidade. Por exemplo, o primeiro Pecado a encontrar é Inveja, que, além de ser o mais fraco dos Sete Pecados, é covarde e inveja todos ao seu redor.

Derrotar os Sete Pecados Capitais não é uma tarefa fácil, ainda mais em um começo de jogo com uma Cólera mais fraca e com um jogador ainda se adaptando aos comandos de esquiva que o jogo impõe. No meu caso, joguei na dificuldade Desafiador e digo logo de cara que apanhei muito desses chefes. Alguns deles até mudei de trajeto para coletar mais almas e evoluir a protagonista para acabar de vez com os miseráveis. Evoluí tanto que os últimos Pecados foram derrotados após algumas tentativas, não mostrando tanta dificuldade quanto no começo. Não sei se foi por ter evoluído uma arma em específico até o +9 ou por ter subido até o nível 51 ao fim do jogo, mas o game foi ficando cada vez mais fácil.

Anjos e Demônios (e Humanos)

Darksiders III é, até o momento, a melhor forma de se trazer um Hack’n’Slash de aventura para os games. Confesso que o gênero não tem muito apelo para mim, mas esse me prendeu do começo ao fim devido à sua trama bem elaborada (característica presente em todos os títulos da série), o gameplay que foca na perfeição da habilidade do jogador e não no nível em que ele se encontra, e a trilha sonora que aumenta e dá mais ênfase nos momentos em que a personagem vive no jogo, como as batalhas, momentos de tensão e reviravoltas que estão presentes no game.

Preguiça não quer nem levantar pra lutar, mas com certeza vai rir de você se te derrotar.

Porém, toda essa empolgação era interrompida inúmeras vezes por telas de carregamento a cada nova região que entrava. Além de demorar para carregar, podendo chegar a 10 ou 15 segundos com a tela travada, muitas vezes me deparei com momentos inoportunos para esses loadings, justamente quando um inimigo escondido ataca imediatamente ao chegar no local e aparece o loading. Como você não faz ideia de quando a tela vai destravar, o golpe já é certeiro, causando um dano em você e, caso sua situação não seja das boas, podendo até te matar. Também é possível perceber que algumas cenas do jogo possuem sua textura ainda carregando, o que faz com que o visual fique um pouco precário até tudo ser carregado completamente.

Apesar disso, Darksiders III faz um grande retorno da franquia de uma maneira esplêndida, garantindo o agrado dos fãs da série e, com certeza, conquistando novos outros que vão querer conhecer mais sobre os Cavaleiros do Apocalipse, a guerra entre os Anjos e Demônios e toda a trama que envolve a série.

Darksiders III
8 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Jogabilidade Fluida
  • Sistema de Upgrades de fácil
    entendimento
  • Progressão requer habilidade
    do jogador
  • Ótima trilha sonora
  • Ótima história
Contras
  • Texturas demoram
    para carregar
  • Travas de loading
    no meio da jogatina
Avaliação
Darksiders III traz o retorno da franquia depois de hibernar por 6 anos desde seu último lançamento. Nele, controlamos Cólera, um dos quatro Cavaleiros do Apocalipse e temos como missão derrotar os Sete Pecados Capitais com o objetivo de trazer o equilíbrio para o mundo. Novos desafios são encontrados com uma nova forma de jogar, diferente dos seus antecessores que colocarão até mesmo o jogador mais viciado da franquia penando para avançar na história.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Pokémon Let’s Go Pikachu e Eevee são bons aperitivos para a próxima gen

Fácil e casual demais, mas também adorável e caprichadíssimo

Publicado

em

Pokémon Let’s Go Pikachu e Pokémon Let’s Go Eevee são os novos jogos da franquia dos famosos monstrinhos da Nintendo, os primeiros lançados exclusivamente para Nintendo Switch. Unindo mecânicas da febre Pokémon Go com os ginásios, cidades e aventuras de Pokémon Yellow, o jogo consegue agradar a todas as tribos. Confira abaixo o nosso review completo de Pokémon Let’s Go!


Veja também:


Nosso canal parceiro, Aquele Cara, também fez uma análise em vídeo. Confira suas impressões clicando no link acima!

Um remake muito bom

Independente de qual é a sua geração favorita da franquia, é um fato que os primeiros jogos (Red, Blue e Yellow) ocupam um lugar especial no imaginário da cultura pop e no coração dos jogadores, não só por terem dado início à longeva franquia, mas também por serem alguns dos jogos mais legais de toda a série, com 150 monstrinhos icônicos, líderes de ginásio emblemáticos e cidades cheias de carisma.

Os jogos estabeleceram um alicerce muito forte, que serve de sustentação até hoje para os jogos da linha principal, geração após geração. Apesar deles já terem sido refeitos nas ótimas versões Fire Red e Leaf Green, o jogo Yellow ainda não tinha sido refeito, o que serviu como um pretexto perfeito para levar a série ao Nintendo Switch, onde também recebeu elementos do sucesso Pokémon Go.

O melhor dos dois mundos

O Go do título é uma óbvia referência ao jogo que a Niantic lançou para Android e iOS. Dele, vieram as mecânicas de captura, que substituem o antigo esquema de lutar contra monstrinhos até enfraquecê-los o suficiente. Desta vez, os encontros se resumem a um minigame de arremesso de pokébola, e o que determina o sucesso é a precisão da jogada e o uso de doces para deixar as criaturas mais mansas, igualzinho ao celular.

Confira no vídeo acima como capturar Meltan, o único monstrinho inédito presente em Pokémon Let’s Go Pikachu e Eevee

Este ponto acaba representando a maior polêmica do remake, já que isso acaba facilitando demais a jornada. Cada captura traz pontos de experiência para toda a equipe, que não precisa lutar e não fica cansada pelas rotas. Com isso, os encontros com treinadores rivais ficam ainda mais fáceis. Seja como for, eu, pelo menos, achei a mudança bem-vinda, pois deu uma sacudida no ritmo já bem batido dos jogos portáteis.

Temos que pegar!

Demora cerca de 20 horas para terminar a campanha principal sem correr nem explorar demais as coisas, e um pouco mais de 40h para completar a sua pokédex, já que ela apresenta um tamanho bem compacto, com os 150 originais, mais os lendários Mew e o inédito Meltan, além da possibilidade de importar criaturas de Alola do celular (mas eles não contam como monstrinhos extra na pokédex).

Um ponto negativo é que, estranhamente, as trocas entre celular e Switch acontecem em mão única. Ou seja, só dá para enviar as criaturas do celular para o Switch, e não o contrário. Isso me frustrou um pouco, porque seria legal poder usar o jogo de Switch para conseguir monstrinhos mais raros e mais fortes no meu celular.

Fazer trocas entre Pokémon Let’s Go e Pokémon Go não é um processo tão simples assim. Veja como fazer isso no vídeo acima!

Cooperativo fraco

Pokémon Let’s Go também inova na série por ser o primeiro capítulo com suporte a modo cooperativo local. O segundo jogador pode entrar na aventura a qualquer momento, e assume o controle do treinador de sexo oposto ao do protagonista. Com isso, ele participa das lutas contra treinadores rivais, o que torna o jogo ainda mais fácil, já que seu time pode atacar duas vezes por turno sempre.

Ter um segundo jogador também aumenta as chances de capturar um monstrinho selvagem quando o arremesso for feito em total sincronia. Ainda assim, esses atrativos não são o bastante para tornar o modo significativo, e parece algo mais pensado para jogar ao lado de crianças bem novas, para dar aquele sentimento de “ei, olha, eu estou ajudando muito”, mesmo que no fim das contas não esteja ajudando tanto assim.

Que venha a próxima geração!

Por mais fácil e casual que seja a jornada por Pokémon Let’s Go, ela serve como um ótimo aperitivo para os próximos jogos, ainda sem título, mas já anunciados para 2019. Algumas ideias, como poder ver os pokémon selvagens no mapa antes de iniciar a captura, ou o fofo sistema de ter um pokémon companheiro sempre sob seus ombros, parecem sacadas ótimas, que vieram para ficar. A torcida é para que outros sistemas, como o raso online, sejam lapidados no próximo game.

Seja como for, os belos gráficos e trilha sonora caprichadíssima, com belas releituras das músicas clássicas de Pokémon Yellow, já bastam para tornar Let’s Go uma compra bem interessante para quem sente saudades dos primeiros jogos e quer reviver a jornada do GameBoy em grande estilo!

Pokémon Let's Go Pikachu e Eevee
8.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • belo visual
  • nostálgico
  • músicas empolgantes
  • mecânicas criativas
Contras
  • Fácil demais
  • Co-op fraco
Avaliação
Pokémon Let's Go Pikachu e Eevee é um jogo bem fácil, casual e tranquilo mas, ainda assim, conquista graças aos seus belos gráficos e músicas. Mesmo com uma pequena pokédex de 151 monstrinhos, ainda é muito divertido pegar todos eles.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games3 horas atrás

Fortnite Battle Royale | Ganhe gratuitamente um Passe de Batalha para a Temporada 8

Epic Games entra no clima de amor e vai dar um Passe de Batalha gratuito na Temporada 8 de Fortnite,...

Games2 dias atrás

Apex Legends | Battle Royale da Respawn está ajudando a popularizar Titanfall 2

Titanfall 2 recebeu mais atenção do público com a chegada do battle royale Apex Legends

Games2 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Atualização vai nerfar canhão de mão, aviões e lançadores de foguetes

Patch v7.40 terá diversas modificações de enfraquecimento (nerf) de armas poderosas

Últimas Notícias2 semanas atrás

Resident Evil 2 | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo

  Live de Resident Evil 2 no Twitch Watch live video from PlayReplayBR on www.twitch.tv Compartilhe0sharesFacebookTwitterGoogle+Pinterest

Games2 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Vaza traje prêmio do desafio Queda de Neve

Veja agora a skin que jogadores receberão por avançar no desafio Queda de Neve da Temporada 7 de Fortnite

Games2 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Veja as novas skins e emotes encontrados no patch V7.30

Usuários exploraram arquivos de jogo do novo patch v7.30 de Fortnite e encontraram novas skins, picaretas, itens para as costas...

Games2 semanas atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v7.30

Nova granada é adicionada e várias armas são removidas na nova atualização de Fortnite

Últimas Notícias2 semanas atrás

Resident Evil 2: The 4th Survivor | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo

Finalmente fechamos Resident Evil 2 Remake (Parte 1, Parte 2 e Parte 3), seguindo pela história da Claire Redfield. Dessa...

Games3 semanas atrás

Arena of Valor | Tencent Games divulga calendário para a 3ª temporada da Valor Series

Com até U$ 200 mil em premiações, partidas classificatórias começam já em janeiro

Últimas Notícias3 semanas atrás

Resident Evil Remake | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo

  Live de Resident Evil Remake no Twitch Watch live video from PlayReplayBR on www.twitch.tv Compartilhe0sharesFacebookTwitterGoogle+Pinterest

Cinema1 mês atrás

Homem-Aranha: Longe de Casa | Assista agora ao trailer do filme

Assista agora ao trailer oficial de Homem-Aranha: Longe de Casa, novo filme do amigão da vizinhança no MCU

Games1 mês atrás

Resident Evil 2 | Demo do remake é anunciada

Saiba onde e quando baixar a demo do remake de Resident Evil 2, da Capcom

Games2 meses atrás

PUBG Mobile | Novo mapa Vikendi chega ao jogo

Com a nova atualização, novo mapa Vikendi chega a PUBG Mobile e o jogo recebe várias novidades como motos de...

Games2 meses atrás

Fortnite | Evento 14 dias de Fortnite vai começar

Por duas semanas, jogadores vão poder ganhar recompensas e combater adversários em um evento temático nos modos Battle Royale e...

Games2 meses atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v7.10

O Natal chega a Fortnite nos modos Salve o Mundo, Battle Royale e Criativo

Em alta