Conecte-se conosco.

Críticas

Ni no Kuni II: Revenant Kingdom é uma obra de arte em forma de videogame

Novo jogo da série acompanha aventura de rei destronado que busca criar um reino de paz e felicidade para o povo

Publicado

em

Há tempos venho procurando por um RPG que me prenda do começo ao fim, daqueles com história envolvente, personagens carismáticos, sistema de jogo complexo e jogabilidade caprichada. Minhas últimas tentativas foram com Digimon Story: Cyber Sleuth e Sword Art Online: Hollow Realization, jogos que têm lá o seu charme — mas nada que fosse muito impactante. Foi quando apareceu Ni no Kuni II: Revenant Kingdom, jogo desenvolvido pelos estúdios Level-5 e Bandai Namco, mostrando que ainda é possível ter um RPG de classe para o PlayStation 4.


Veja também:


Ni no Kuni é uma série de jogos do gênero RPG que ganhou bastante destaque em 2010, quando Ni no Kuni: Wrath of the White Witch chegou exclusivamente para o PlayStation 3 repercutindo positivamente graças a elementos de altíssima qualidade como gráficos, narrativa, jogabilidade e, principalmente, pela veia artística, já que o famoso Studio Ghibli, criador de clássicos da animação japonesa como A Viagem de Chihiro, estava envolvido no projeto. Agora, mesmo sem a colaboração do estúdio de animação, a sequência de Ni no Kuni lançada para PS4 e PCs traz consigo o mesmo charme do jogo anterior.

A história de Ni no Kuni vai se tornando cada vez mais complexa no decorrer do jogo. Centenas de anos após os eventos vistos no game anterior, no dia em que seria coroado Rei de Ding Dong Dell, o príncipe Evan é traído e deposto do trono, precisando fugir e abandonar seu reino para sobreviver. Roland, um humano que veio do mundo real, auxilia sua fuga e garante que o pequeno rei consiga escapar são e salvo. A partir daí, a missão de Evan é recriar seu reino e unificar todos os outros sob uma mesma bandeira, visando garantir a felicidade e a paz de todos.

Evan quer construir um reino de paz e felicidade em Ni no Kuni II: Revenant Kingdom

Fugindo da mesmice

Diferente dos RPGs convencionais, Ni no Kuni II: Revenant Kingdom traz a evolução do RPG tático para as telinhas. Inicialmente, durante as batalhas, você controla Evan e Roland, que unem forças como companheiros de luta, e no decorrer do jogo é possível liberar novos aliados. Cada personagem pode equipar três armas diferentes de dano corpo-a-corpo, que podem ser alteradas durante a batalha. Quanto mais dano você causar no inimigo, mais poder sua arma acumula, o que possibilita utilizar habilidades especiais potencializadas com aquela arma. Além disso, é possível equipar ainda uma arma de dano a distância e quatro habilidades ou golpes especiais.

Durante as batalhas, apenas três personagens do seu time participam das lutas. Você controla apenas um personagem por vez, podendo tomar controle de outro personagem quando os pontos de vida do anterior chegarem a zero. Com a ajuda dos Higgledy, pequenos seres que auxiliam ativamente durante suas batalhas, é possível montar estratégias e ter alguma vantagem durante as lutas. Os Higgledy podem ajudar tanto com ataque quanto com suporte, podendo curar sua equipe numa hora de maior necessidade ou oferecer um pouco mais de poder de fogo.

Essas criaturinhas são encontradas pela primeira vez durante a história principal, e depois é possível encontrar vários outros espalhados pelo mundo. Para que eles aceitem entrar o seu grupo, é preciso oferecer um item como presente. Se eles aceitarem te acompanhar, pode ter certeza de que serão valiosos aliados — então vale a pena o esforço!

Ni no Kuni II conta ainda com o modo de guerra, no qual você controla Evan e deve comandar seu exército para derrotar os inimigos. Cada exército adversário tem seu general e sua própria especialidade. O esquema tático desse modo lembra bastante os jogos da série Fire Emblem, onde cada tipo de arma tem vantagem sobre outra, então é super importante saber quando avançar, quando utilizar habilidades especiais e, principalmente, quando recuar.

Como disse anteriormente, a missão de Evan é construir seu próprio reino — e essa missão, é claro, depende de você. É preciso recomeçar do zero, construindo seu castelo e as demais estruturas para que ferreiros e armeiros possam montar suas lojas, além de possibilitar a criação de hortas e várias outras estruturas. Assim, seu reino vai se fortalecendo em um esquema que lembra bastante o visto na construção da cidade em Bravely Default, JRPG exclusivo do Nintendo 3DS.

A evolução em Ni no Kuni II se dá de forma automática, com status como força, agilidade e vitalidade aumentando automaticamente, se ajustando às características de cada personagem. Com o menu Tactical Tweaker é possível personalizar as várias vantagens que você pode ter numa batalha, podendo por exemplo aumentar o status básico dos personagens do seu time. É possível, ainda, configurar para ter vantagem contra um tipo específico de inimigo, em contrapartida tendo desvantagem contra algum outro. São várias as opções, o que permite repensar e mudar sua estratégia a cada nova batalha.

Mesmo com tantas opções e novidades, a jogabilidade de Ni no Kuni II é bem intuitiva e de fácil memorização, permitindo a qualquer gamer dominar facilmente os seus comandos.

A jogabilidade de Ni no Kuni II: Revenant Kingdom é simples e intuitiva

Beleza imperfeita

Embora lindo e um tanto complexo, Ni no Kuni II não é perfeito. O jogo é fácil demais, contando com batalhas que não oferecem muita dificuldade, além de indicar visualmente quais adversários são muito mais fracos ou muito mais fortes que você. Assim, fica fácil escolher quais batalhas evitar e quais arriscar.

A progressão dos personagens também é outro ponto negativo. Não apenas por ser automática — o que por si só já limita um pouco a imersão —, mas por não haver necessidade de encarar mais batalhas e desbravar cenários em busca de mais pontos de experiência.

Outra consideração importante é em relação aos botões de esquiva. Para se esquivar, é necessário segurar o botão de bloqueio (L1) e, em seguida, o direcional na direção para onde deseja rolar. Porém, muitas vezes, me vejo bloqueando e girando a câmera, fazendo meu personagem levar dano (ainda que reduzido por conta do bloqueio) de ataques que poderiam ter sido facilmente evitados com um rolamento de esquiva.

Mais que um jogo, uma obra de arte

Hoje em dia é muito mais comum ter jogos com gráficos em cel shading, daqueles que simulam o visual de desenhos animados, coisa que não era muito aceita na época do lançamento de The Legend of Zelda: The Wind Waker. O que é curioso, dado que boa parte da beleza de Ni No Kuni II: The Revenant Kingdom de dá por conta deste estilo de comunicação visual, apresentando ótimos gráficos e características únicas que tornam o jogo uma mescla perfeita entre game e animação japonesa.

Outro ponto importantíssimo que auxilia na criação de uma experiência de jogo extremamente agradável e emocionante é sua trilha sonora, toda orquestrada, que ajuda a criar uma ambientação singular para a aventura de Evan e seus companheiros. Cada arranjo é importante, permitindo identificar momentos de maior tensão, de descontração e de descanso em poucas notas.

Depois de anos de busca, Ni no Kuni 2: The Revenant Kingdom foi o RPG que atendeu e superou minhas expectativas. Como não tive a oportunidade de jogar o título anterior, ficou aquela vontade de descolar uma cópia de Ni no Kuni: Wrath of the White Witch para curtir no PlayStaion 3. Afinal, Ni no Kuni é daquelas séries que merecem um espaço na sua coleção, e a prova disso é o alto padrão de qualidade de The Revenant Kingdom.

Review 0
9.5 Nota
1 Leitores (1 Nota)
Prós
  • Jogabilidade simples
  • Inúmeros modos de jogo
  • Belos gráficos
  • Trama bem desenvolvida
Contras
  • Fácil demais
  • Comando de esquiva problemático
Avaliação
Ni No Kuni 2: The Revenent Kingdom é um RPG obrigatório para os jogadores de PlayStation 4 e Microsoft Windows. Envolvente, cheio de novidades e, ainda assim, mantendo as características principais do gênero, o novo Ni no Kuni é ideal para quem procura uma experiência divertida e emocionante.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Designer, pós graduado em Gestão da Informação e Business Intelligence, amante da música e pianista, é gamer desde os 4 anos de idade e seu maior sonho sempre foi trabalhar com videogames. Fez parte do portal GameBlast, mas hoje se dedica exclusivamente ao PlayReplay.

Comentários

Críticas

Novo Perdidos no Espaço até que consegue divertir

Melhor que o filme de 98, mas não faz nem sombra ao seriado clássico

Publicado

em

Como o fiasco cinematográfico de 1998 deixou claro, rebootar a série Perdidos no Espaço não é a tarefa mais fácil do mundo. Originalmente transmitido entre 1965 e 1968 na CBS, o programa misturava muito bem elementos de aventura, ficção científica e comédia, e marcou época com sua fórmula característica. Assim, a missão da Netflix ao fazer uma nova série não era das mais fáceis.


Veja também:


Assim, o simples fato da versão de 2018 não ser uma catástrofe já é uma conquista notável por si só, ainda mais levando em conta o currículo da Netflix, cujas produções costumam ser por demais genéricas e formulaicas, com aquele modelinho intragável de esticar uma história até seu limite, com maratonas de 13 horas para contar uma trama bem curta e rasa (lembra da intragável Altered Carbon? Pois é).

Pensando nas produções originais Netfix, seu Perdidos no Espaço certamente fica entre os melhores lançamentos entre as séries do serviço de streaming. Mesmo sem chegar ao mesmo patamar de excelência das raras maravilhas como Love e Derek, Perdidos no Espaço consegue divertir e deslumbrar um pouco ao longo de seus nove episódios, e isso tem lá seu mérito.

O valor de produção é o elemento que mais salta aos olhos logo de cara. Na maior parte do tempo o seriado mais parece um filme de orçamento decente, e isso ajuda bastante na imersão do clima de aventura. O design das criaturas, veículos e uniformes ficou bem interessante até mesmo nas decisões mais ousadas, como a repaginação do robô companheiro do jovem Will Robinson.

Falando nos Robinson, os personagens estão razoavelmente diferentes dos originais em seu visual e motivações, mas o importante é que sua essência foi mantida. A ideia, claro, é que por mais intensos que sejam os perrengues e aventuras, no fim do dia, os Robinson sempre ficam juntos, bem como tem que ser em uma boa aventura família.

Como manda a cartilha dos bons costumes ditada pelo senso comum em 2018, há aquelas inevitáveis trocas de etnia e sexo em relação aos personagens originais. Felizmente, diferente da maioria das obras atuais, aqui tudo é feito de forma delicada, esperta e cumprindo seu propósito narrativo com bom gosto.

Com o devido aviso de spoiler (ainda que isso aconteça já no primeiro episódio e a informação esteja em todas as sinopses e IMDB logo de cara), a troca mais inteligente e interessante foi a transformação do Doutor Smith em Doutora Smith. Afinal, em inglês, “doctor” é um substantivo sem gênero, e foi sagaz se aproveitarem disso, especialmente porque Parker Posey consegue interpretar muito bem um dos personagens mais queridos da televisão.

A esperteza e covardia da personagem são aplicadas em doses perfeitas em suas caretas, do jeitinho que tem que ser. De longe, ela é o nome que mais se destaca positivamente no elenco, seguida pela Maureen Robinson de Molly Parker e o Don West de Ignacio Serrichio. Não dá para reclamar muito do elenco jovem, exceto por Maxwell Jenkins, que está totalmente perdido com seu Will Robinson. Cada pequena cena e demonstração de emoção parece um esforço hercúleo para o garoto.

Com bons efeitos visuais e atuações na maior parte decentes, só faltava o roteiro seguir o mesmo padrão de qualidade. Infelizmente ele fica um pouco abaixo da média, mas não o bastante a ponto de estragar tudo. Há algumas viradas espertinhas e divertidas, mas, no geral, quase todas as situações de perigo em que os protagonistas se encontram acabam sendo ou anticlimáticas, ou resolvidas de forma meio preguiçosa e excessivamente conveniente, o que atrapalha um pouco a jornada.

Ainda assim, é uma ficção científica mais coesa e redondinha do que o instável Star Trek: Discovery, e uma das séries de drama originais da Netflix mais interessantes disponíveis em seu fraco catálogo. E, mesmo que você não goste de nada citado acima, ao menos tem um consolo nos créditos finais, que contam com uma versão muito legal do clássico tema escrito pelo mestre John Williams!

Perdidos no Espaço (2018)
7.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ótimos efeitos especiais
  • Resgate da trilha original
  • Atuação da
    Parker Posey
Contras
  • Roteiro ocasionalmente preguiçoso
  • Will Robinson chatinho
    demais
  • Não é muito memorável
Avaliação
O novo Perdidos no Espaço é mais um reboot desnecessário, mas ao menos consegue ficar acima da média das produções originais da Netflix com seus bons efeitos especiais e alto valor de produção. Superar a série original era uma missão quase impossível, então ao menos resta o consolo de que a série é bem melhor que o filme de 1998.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Anime

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance: Um Teto Não Familiar

Mudanças e nostalgia se misturam em um longa digno do legado de Eva

Publicado

em

Após “rebootar” a franquia Evangelion de forma bem segura em Rebuild of Evangelion: 1.0 You Are (Not) Alone) — confira nosso review do filme clicando aqui —, Hideki Anno aproveitou o segundo longa, Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance (ヱヴァンゲリヲン新劇場版: 破 ), para fazer o que faz de melhor: surpreender os fãs do anime!


Veja também:


Como explicado na análise do filme anterior, o primeiro filme da linha Rebuild serviu para reapresentar ao mundo os conceitos, temas e personagens da série original de anime e mangá. De forma bem segura (talvez até segura demais), o longa passeia pelos eventos dos seis primeiros episódios da série sem maiores alterações, fora meia dúzia de acréscimos ou releituras.

Já no segundo filme, lançado em 2009, as coisas ficam um pouco mais complicadas: ao invés de se limitar a filmar passo a passo o anime com a maior fidelidade possível, desta vez praticamente tudo foi ou reimaginado totalmente, ou recontado de uma forma que apenas lembra de leve a série original.

Temos anjos novos, mais mudanças em sua numeração, e até uma nova piloto misteriosa de Eva, a Mari Illustrious Makinami, a Quarta Criança! Só isso já seria o bastante para provar que a linha Rebuild estava mais do que disposta a sair da zona de conforto, mas as mudanças não pararam por aí.

Kaji, por exemplo, tem um papel bem reduzido em relação ao anime original, e praticamente toda a paixão platônica que Asuka sentia por ele é totalmente ignorada desta vez. A própria Asuka parece um pouco menos arisca, chegando ao ponto de cozinhar para o Shinji em casa! Isso, claro, só depois de brigar com a Rei na famosa cena do elevador, que também tem um desfecho diferente por aqui. Compare:

Longe de ser uma aberração, mudanças assim viraram regra: em quase todas as ocasiões em que voltamos a uma cena bem conhecida, há um detalhe diferente em tela, ou mesmo uma radical alteração do material original. Como o próprio Shinji sentiu na pele, é quase como acordar em uma nova cama e vislumbrar um teto não familiar!

Isso só aumenta a força das teorias de que o primeiro filme dos Rebuild era apenas uma grande pegadinha: você começa a ver a nova série achando que vai ser tudo igual ao que conhecia mas, bem quando se acostuma com a ideia, Anno e sua equipe chegam e puxam seu tapete violentamente!

Isso se provaria uma ideia ainda mais controversa no filme seguinte (linkaremos o seu review aqui posteriormente para sua conveniência) mas, ao menos até a parte 2.0, a maioria dos fãs ainda estava a bordo das atualizações e mudanças, dado que o rumo da história ainda parecia razoavelmente próximo ao material original. Só que, particularmente, quanto mais o segundo Rebuild se distanciava da fonte original, mais eu gostava. Afinal, a série clássica sempre vai estar lá disponível para a gente, do jeitinho que foi feita, para toda a eternidade! Se é para fazer filmes novos, eu quero mais é me deparar com novidades!

Adorei, por exemplo, a grande mudança na luta contra o Anjo Bardiel (antes 13º anjo, e agora o 9º): desta vez é Asuka quem fica presa dentro do Eva possuído! Eu amo o arco original, mas confesso que essa nova versão da luta me deixou mais nervoso e angustiado, até mesmo pela sacada brilhante da direção, que colocou uma música bem fofinha durante as partes mais brutais do combate, causando aquela inquietação esperta, do jeito que só um bom Eva sabe fazer!

Aliás, mais uma vez a trilha sonora merece todo o destaque e elogios! Shiro Sagisu novamente conseguiu misturar temas clássicos de nova roupagem com ótimas músicas inéditas, em um trabalho fenomenal. A animação também continuou evoluindo e oferece o melhor que estava disponível lá em 2009, misturando ótimo traço 2D com cenas em 3D por computador, que acabou envelhecendo surpreendentemente bem.

Diferente do primeiro Rebuild, que me deu um pouco de sono pelo seu foco excessivo em ação e na reciclagem de material antigo, o segundo Rebuild me deixou o tempo todo na ponta da cadeira, ansioso e empolgado por rever meus personagens queridos, e descobrir quais mudanças os aguardavam. Felizmente, ele é bem melhor sucedido em sua missão de recriar a comédia, ação, e até o “suspense e sedução” (como dizia o anúncio da saudosa Locomotion) da série original!

Claro que ainda há alguns problemas de ritmo e estrutura, e a própria Mari é quem melhor sintetiza isso, já que, depois da sua sólida apresentação, ela fica muito tempo sumida de tela. Sua reaparição não clica tão bem quanto deveria com o resto da trama, e acaba parecendo um pouco forçada — embora Mari até tenha um bom payoff de ação, ao assumir o Eva-02 para uma luta empolgante.

Entre os três filmes lançados até agora, Rebuild of Evangelion 2.0 é provavelmente o que vai agradar ao maior número de fãs das antigas, porque ele não tem tantas polêmicas, e a maioria de suas mudanças acertam em cheio o alvo, recriando um sentimento bastante familiar, mesmo com tanta coisa diferente ao seu redor.

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance
9 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • MINHA ASUKA VOLTOU <3
  • Músicas incríveis
  • Ação voltou a ser
    inquietante
Contras
  • Puristas podem se irritar
  • Ritmo
    inconstante
  • Mari podia ser melhor explorada
Avaliação
Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance é um grande aprimoramento em relação ao primeiro Rebuild. Já ajuda bastante que ele não se limite a refilmar o passado, como fez seu antecessor. Misturar nostalgia com frequente inovação deixa os velhos fãs curiosos na maior parte do tempo, mas nem toda novidade funciona igualmente bem: Mari é legal, mas seu arco todo parece um pouco forçado. O bom uso da música, suspense e inquietação tornam esse filme um legítimo Eva!
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Crawl | Escape das masmorras neste excelente multiplayer assimétrico

Enquanto você controla o herói, os seus amigos ficam no controle dos monstros ao seu redor.

Publicado

em

Existem quatro coisas sobre o Switch que não se pode negar: ele é um excelente lugar para jogos indies, ele foi feito para jogatinas rápidas, pixel art é linda na sua tela em modo portátil e ele é uma excelente plataforma para multiplayer local.

Muitos jogos atuais possuem essas características, mas elas são ainda mais evidentes em Crawl.

Originalmente lançado em 2014 na Steam, Crawl, como talvez você possa advinhar, trata-se de um dungeon crawler com elementos procedurais. A diferença aqui é que tanto os exploradores quanto os monstros da masmorra são controlados por jogadores (ou pelo computador, caso esteja jogando solo).

Empurrando a estética de uma maquina de fliperama desde sua tela inicial, Crawl opta por jogatinas rápidas e repetidas. A ideia aqui é que quatro jogadores competem para sair da tal masmorrana qual se encontram – mas somente um poderá sair de lá vivo.

Após o primeiro embate entre os jogadores – para definir o primeiro sobrevivente, cabe aos jogadores mortos assumirem o papel de fantasmas que podem incorporar objetos e armadilhas ou invocar monstros em círculos de magias arcanas para tentar derrotar o jogador humano. Quem acertar o golpe fatal recupera sua humanidade enquanto o recém-falecido assume a forma de fantasma.

Mas para escapar dessa masmorra não basta estar vivo. Você terá que coletar experiência o suficiente, chegar ao nível 10 e enfrentar um chefe gigante que também tem cada uma de suas três partes controladas pelos outros na partida.

Ainda assim, ficar no mundo dos vivos nem sempre é uma boa ideia, já que é na forma de fantasma, causando dano ao jogador vivo, que se adquire ouro para comprar melhores armas e habilidades – o que lhe oferecerá melhores chances de derrotar o chefão.

Alternar entre fantasma, humano e monstros é simples pelo fato do jogo manter o mesmo esquema de controle independentemente da entidade sendo controlada. “A” é seu ataque simples, “B” seu especial (que pode ser um ataque, invocação ou desvio de golpe) e o direcional lhe move.

A cada andar da masmorra o jogo balança os jogadores ao distribuir pontos que permitem tornar mais fortes os montros invocados através de uma árvore de upgrades. O balanceamento se dá através da distribuição dos pontos ser proporcional aos níveis adquiridos por seus rivais.

Desta forma, quem está em último recebe mais pontos para ter monstros mais fortes e, ultimamente, mais chances de derrotar o humano no próximo andar.

Um dos aspectos mais bacanas de Crawl é que existe uma certa progressão, apesar da abordagem arcade do jogo. Ao chegar em níveis mais profundos da masmorra, novos itens e monstros são desbloqueados para serem comprados e invocados, respectivamente. Com eles, novos desafios para um jogador são destravados.

Por todos os jogadores sempre estarem no mesmo cômodo da masmorra, Crawl também é uma excelete opção para se jogar em modo portátil com outros amigos, já que os pixels e cores primarias contra os cenários de tons terrosos são fáceis de se distinguir.

Com uma leve pegada Lovecraftiana em seu design e história (que até no multiplayer permite que “todos percam”), Crawl consegue intrigar e prender a atenção do jogador facilmente.

Também vale mencionar sua excelente direção artística em pixel art, que conta com uma paleta de cores limitada e com pixels relativamente grandes, mas que ganham vida através de animações detalhadíssimas.

Uma trilha sonora em chiptune empolgante e viciante eleva tudo a um outro nível, fazendo deste um excelente jogo para rápidas doses single-player ou horas de diversão e gritaria com amigos.

Crawl - Switch
9 Nota
10 Leitores (1 Nota)
Prós
  • Excelente direção artística
  • Ótimo como single e multiplayer
Contras
  • Alguns Easter Eggs foram retirados
Avaliação
Além de um estilo artístico incrível e uma ótima trilha sonora, Crawl oferece um tipo de conteúdo que funciona muito bem no single player e no modo cooperativo.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games39 minutos atrás

Minecraft | Skins de Final Fantasy XV já estão disponíveis

Agora já é possível fazer suas aventuras em Minecraft com Noctis e seus amigos.

Games2 horas atrás

Death Road to Canada | Jogo é adiado no Switch após tragédia em Toronto

Os desenvolvedores do game acharam melhor adiar o lançamento do game depois de um incidente em Toronto.

Games3 horas atrás

Nintendo Labo | Jogadores usam piano para tocar músicas conhecidas

Não demorou para os jogadores do Nintendo Labo começarem a tocar músicas famosas no pianinho.

Games4 horas atrás

Harry Potter: Hogwarts Mystery | Jogo mobile já está disponível

O jogo mobile baseado na franquia de Harry Potter já pode ser baixado no Android e iOS.

Games17 horas atrás

Wolfenstein II | Data de lançamento no Switch é anunciada

A Bethesda anunciou oficialmente a nova data de lançamento do game no console da Nintendo.

Música17 horas atrás

Shawn Mendes | Confira o clipe oficial de In My Blood

Cantor fará show no Brasil ainda este ano

Games18 horas atrás

Twitch Prime | Jogos gratuitos de maio são anunciados

Neste mês, o Twitch Prime oferecerá nada menos do que seis jogos para o seus assinantes.

Séries18 horas atrás

Jack Ryan | Amazon renova série antes mesmo de sua estreia

Primeira temporada estreia em 31 de agosto

dark souls dark souls
Games19 horas atrás

Dark Souls Remastered | Donos da versão original terão desconto no PC

A Bandai Namco dará uma boa oportunidade para quem já possui a versão antiga do jogo no Steam.

Anime20 horas atrás

Fate | Fate/stay Night: Heaven’s Feel I. Presage Flower estreia em junho nos EUA

É o primeiro capítulo de uma trilogia cinematográfica

Séries21 horas atrás

Sense8 | Desfecho da série vai ao ar em 8 de junho

Final terá duas horas de duração

Games21 horas atrás

Fortnite Battle Royale | Saiba quando a 4° temporada começa

A 3° temporada de Fortnite Battle Royale está prestes a acabar, mas uma nova começará logo em seguida.

Quadrinhos23 horas atrás

CCXP | Jill Thompson e John Romita Jr. são confirmados na CCXP 2018

Ingressos já estão à venda no site oficial da Comic Con Experience

Cinema23 horas atrás

Bumblebee | Spin-off de Transformers tem nova data de estreia anunciada

Filme se passará na década de 1980

Cinema24 horas atrás

Guillermo Del Toro | Diretor assina com a DreamWorks Animation

Diretor fecha de vez a parceria com o estúdio

Em alta