Conecte-se conosco.

Críticas

Tomodachi Life é divertido, mas não é para qualquer um

Publicado

em

Como uma grande surpresa, A Big N anunciou através de um Nintendo Direct especial que Tomodachi Life, o game que já era um sucesso absoluto no Japão, finalmente chegaria ao ocidente. Tendo em mente o conteúdo surreal do jogo, muita gente logo começou a se perguntar se fazia sentido tirar o game de terras orientais.

Não demorou para que o bom humor e as bizarrices do jogo fizessem qualquer um se apaixonar por Tomodachi Life. Como grande fã de coisas sem noção, já havia me interessado pelo título logo que vi as primeiras imagens. O que eu não sabia era que encontraria algo bem diferente do que esperava — para o melhor e para o pior.

 

Entediante e surpreendente

Quando começamos a nos aprofundar em Tomodachi Life, fica perceptível que mesmo sendo comparado com jogos como The Sims e Animal Crossing, o game não tem qualquer semelhança com nenhum dos dois. Principalmente pela impossibilidade de controlar as ações ou a vida de seus personagens como em The Sims e a falta de atividades a serem realizadas ou objetivos a serem alcançados como em Animal Crossing.

O conceito principal do jogo é simplesmente acompanhar a vida dos Miis que você coloca em sua ilha, sendo que o máximo que você pode fazer é aconselhá-los em seus problemas e dúvidas. A real graça do game é observar a vida destes Miis se desenrolando aos poucos, com diversas situações surreais e aleatórias acontecendo constantemente.

A grande diferença entre Tomodachi Life e a maioria dos outros jogos é exatamente colocar o jogador como mero observador. Isso pode ser desconfortável para muita gente no começo; afinal, estamos acostumados a sermos praticamente deuses em todos os games que jogamos, controlando desde as ações de um protagonista até as estratégias de pequenos grupos ou grandes exércitos.

Assim, logo fica claro que Tomodachi Life não é um jogo para qualquer pessoa. A falta de controle que jogador encontrará em sua pequena ilha povoada por Miis é facilmente entediante, e em diversos momentos você não fará absolutamente nada (a não ser olhar para a tela de seu 3DS).

Ninguém manda no coração, nem os Miis

É preciso ter em mente que Tomodachi Life, em muitos aspectos, representa a vida real mais do que qualquer outro simulador social já feito. Afinal, como mencionamos, você não tem qualquer poder sobre as vontades e desejos de seus Miis.

Isso fica ainda mais perceptível nos relacionamentos que se desenvolvem durante o jogo, parte mais fundamental do game (afinal, “Tomodachi” significa “amigo” em japonês). Seus Miis logo se interessarão em conhecer as outras pessoas que forem se mudando para a ilha, podendo ou nascer ali uma amizade. Se o relacionamento for dando certo, eles podem até virar melhores amigos. Caso contrário, podem acabar não se suportando.

Mas prepare-se: nem relacionamentos bons estão a salvo de brigas, e não serão poucas as vezes que um Mii te chamará para dizer o quanto está nervoso porque brigou com alguém. Ainda assim, o melhor que você pode fazer é acalmá-lo e tentar convencê-lo a pedir desculpas, mas isso não garante que o outro Mii vá se desculpar ou querer continuar a amizade.

Como devem imaginar, também não é possível adivinhar quem vai se apaixonar por quem, ou se o amor de um Mii será retribuído. É até difícil explicar o quanto é de partir o coração ver um Mii todo apaixonado se declarando para então ser rejeitado. Mas com sorte, eles vão conseguir encontrar o amor, sair em encontros, se casar e ter filhos.

Isso aí, filhos. Com o tempo, os bebês Miis vão crescer e você vai poder decidir se eles vão viajar pelo globo (para o 3DS de alguém no mundo, na verdade) ou se vão ficar na ilha também. Ainda assim, como na vida real, os relacionamentos também podem acabar se seus Miis se sentirem infelizes. De novo, não há nada que você possa fazer.

tomodachi-life-playreplay-003

Os Miis também se divertem

Assim como na vida real, nem sempre os Miis vão ter algo interessante para fazer, e provavelmente você vai acabar se entediando enquanto espera algo legal acontecer. Seus Miis até propõem alguns joguinhos ocasionalmente, mas são outros aspectos que acabam ajudando a diminuir o efeito inevitável do tédio.

Conforme formos presenteando (com roupas, decoração de casa e diversos outros itens), ajudando e alimentando nossos Miis, a felicidade deles sobe de nível e eles podem receber algumas coisas especiais como músicas, objetos para interagir (como videogames, livros e maquiagem), frases personalizadas e visuais novos para seus apartamentos.

O progresso do jogo também vai destravando, aos poucos, todos os locais disponíveis da ilha, como o parque de diversões, a cabine de fotos, a lanchonete e diversas lojas. E o legal é que alguns destes cenários têm diversos eventos programados em horários específicos (sendo que o jogo trabalha com tempo real do 3DS). Por exemplo, se quiser ver seus Miis falando de assuntos absurdos, é só ir até a lanchonete à tarde e se quiser brincar de RPG, é só ir até o parque de diversões à noite.

Outros lugares permitem uma diversão mais personalizada, como a cabine de fotos, na qual é possível colocar diversos Miis em poses e lugares inusitados. Mas o lugar que realmente mais chamou a atenção foi a casa de shows. Como seus Miis podem aprender diversos estilos de músicas, você pode fazê-los se apresentarem com as músicas criadas pelo próprio jogo ou editar a letra de cada uma como preferir, abrindo centenas de possibilidades para a criatividade dos jogadores.

 

A vida como ela é

tomodachi-life-playreplay-004Por fim, dá pra dizer que é difícil não gostar de Tomodachi Life. O game realmente é tudo aquilo que a Big N mostrou em seu irreverente Nintendo Direct, mas de uma forma diferente do que imaginamos à primeira vista. É perceptível que a Nintendo teve a intenção de criar um verdadeiro pequeno mundo naquela ilha cheia de Miis onde, assim como na vida real, você não pode impor sua vontade.

As situações bizarras que ocorrem são apenas um charme a mais na desenvoltura do jogo como um todo, mas é um dos fatores que mais vão conquistar aqueles que se aventurarem por Tomodachi Life. É quase impossível não sentir curiosidade com o que acontecerá com seus Miis ou se divertir com cada situação nova que ainda acontece mesmo depois muito tempo de jogo.

Não vai ser difícil se surpreender com a profundidade das coisas que os Miis nos dizem aleatoriamente, quase como se soubessem o que se passa na sua cabeça naquele exato momento. Foi marcante quando o meu próprio Mii disse que “não é porque algo na vida parece não ter sentido que não tem um significado”. Não era algo que eu esperaria ver em um jogo assim. Mas, coincidentemente ou não, é a melhor definição que alguém poderia fazer a Tomodachi Life.

 

[infobox color=”eg. light”]

Tomodachi Life — Nota 4/5

Desenvolvimento: Nintendo
Plataforma: Nintendo 3DS[/infobox]

Compartilhe

Gosta de cachorros, pizza e pipoca. Já foi fanboy da Nintendo e da Sony, mas hoje joga qualquer coisa. Já colaborou em sites e revistas como GameBlast, Nintendo World, Herói e Portal Pop, mas hoje se dedica exclusivamente ao PlayReplay.

Críticas

ICEY oferece muito mais que um simples Hack and Slash no Switch

O jogo, que mistura ação com diversas surpresas e quebra da quarta parede, chegou ao console da Nintendo recentemente.

Publicado

em

icey

Embora os jogos de Hack and Slash tenham feito um grande sucesso entre os anos 1980 e 1990, é mais difícil de encontrar um título desse gênero atualmente. Parte disso se deve ao grande número de games similares que foram lançados no passado, o que realmente causou certa exaustão.


Veja também:


Ainda assim, jogos como ICEY estão aí para provar que é possível reaproveitar essa fórmula de maneira mais original, divertida e algumas viradas interessantes no meio do caminho.

Lançado originalmente em 2016, o jogo já estava disponível no PC, PlayStation 4, Android e iOS, mas acabou de chegar ao Nintendo Switch. Apesar de não ter recursos inéditos no console da Big N, acaba sendo muito mais confortável jogar um título deste tipo em um aparelho híbrido pela conveniência.

ICEY começa de maneira bem normal, com tutoriais te ensinando como se movimentar, matar inimigos e a adquirir novas habilidades ou melhorar as que já possui. É quando você inicia o game de verdade que percebe que as coisas não exatamente o que esperaria de um Hack and Slash.

Um narrador começa a descrever todas as suas ações, tenha você as realizado ou não. É aí que você percebe que pode desobedecê-lo, primeiro ao não ativar uma ponte que ele diz que você precisa utilizar, algo que o deixa meio desconcertado.

Se continuar esse comportamento, ele reinicia o game, faz algumas mudanças e garante que você siga o caminho que ele planejou. É claro que há várias outras maneiras para fazer exatamente o contrário que o narrador quer e ele não demora para deixar claro que é o próprio desenvolvedor do jogo e o quanto é frustrante que você não siga o game da maneira que ele o criou.

Isso leva a inúmeras possibilidades e finais diferentes que você pode encontrar, afinal, é possível obedecer ou desobedecer as instruções a qualquer momento, sem a necessidade de seguir um único tipo de decisão por toda uma jogada.

É claro que não vamos mencionar detalhes que estraguem sua experiência, mas vale mencionar que isso tudo aumenta bastante a vontade de retornar ao jogo, mesmo depois de terminá-lo algumas vezes.

Felizmente, o jogo não depende dessa interação e quebra da quarta parede para valer a pena. Só pelo aspecto de Hack and Slash, ele ainda é muito divertido e apresenta desafios e ondas de inimigos que podem ser difíceis de matar.

icey análise

Sua melhor chance de ganhar as batalhas é dominar os golpes especiais que mencionamos antes. Você pode adquiri-los e melhorá-los com o dinheiro que recebe ao destruir inimigos, algo que não falta em ICEY.

Esses golpes geralmente consistem de combos que são fáceis de lembrar, especialmente se você focar em dois ou três deles. A habilidade de se esquivar acaba sendo ainda mais importante, já que não só dá a oportunidade de escapar dos inimigos, como também te ajuda a acertá-los em momentos de fraqueza.

Com isso tudo em mente, é bom mencionar que o jogo em si pode ser bem curto e dá para zerá-lo em pouco tempo. Isso poderia ser um ponto negativo se toda a interação com o narrador não aumentasse as possibilidades que o game traz com seus múltiplos finais.

Um ponto positivo é que mesmo depois de ouvir o narrador por horas, esse aspecto nunca fica chato ou cansativo. Graças a maneira que o game funciona e o próprio roteiro divertido seguido pelo narrador, é sempre agradável saber o que ele tem a dizer.

Considerando a boa quantidade de indies que é possível encontrar na eShop do Switch atualmente, dá para dizer que ICEY se destaca muito bem, até por não ser o que parece à primeira vista. Caso esteja procurando por um jogo com mais ação e algumas viradas bem criativas, esta é uma excelente escolha.

ICEY - Switch
9 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Excelente Hack and Slash
  • Narração divertida
    e que não cansa
  • Viradas criativas
    e surpreendentes
Contras
  • Pode ser meio curto para
    quem não tiver a paciência
    de tentar outros caminhos
    e finais alternativos
Avaliação
O game não só traz um antigo gênero à tona com bastante vitalidade ao Switch, como também é perfeito para quem gosta de jogos que quebram a quarta parede.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Juicy Realm é um jogo indie que vai desafiar suas habilidades

Divertido indie chinês para Switch, PS4 e Steam tem cenários gerados aleatoriamente

Publicado

em

Desenvolvido pela X.D. Network Inc., Juicy Realm é um jogo indie dos gêneros shooter e roguelike (aquele em que você deve passar e avançar pelos diversos mapas gerados aleatoriamente derrotando os monstros no caminho até chegar no último chefe) lançado recentemente para Nintendo Switch, PlayStation 4 e PC.


Veja também:


O game traz um ar de desafio, característica marcante de jogos do gênero, e apresenta quatro personagens, cada um com habilidades distintas, que devem prosseguir pelos cenários dizimando… frutas! Isso, mesmo, em Juicy Realm você abate melancias, peras, maçãs e diversas outras frutas (devidamente armadas e bastante perigosas).

Bora fazer um suco?

Ao iniciar a aventura, você terá que jogar solo ou em dupla, podendo escolher entre as classes Ninja, Botanista, Boxeadora e Mercenária. Decidida a sua classe, a aventura começa e já te joga em fases repletas de inimigos, cada um requerendo uma estratégia diferente para serem derrotados. Por exemplo, a pera e melancia são inimigos armados com pistola e escopeta, respectivamente. Porém, existe um delay de ataque entre cada tiro disparado por estes inimigos, dando abertura para um ataque seguro e preciso do jogador.

Para chegar ao chefão de cada área, é necessário avançar por várias a várias telas — cada uma gerada aleatoriamente e repleta de inimigos. A cada trecho conquistado, o jogo te recompensa com um bônus, que podendo ser um upgrade de stamina, mais vida ou até mesmo armas especiais. Na minha jogatina, por exemplo, consegui até uma arma chamada Steam que atirava dinheiro!

É possível perceber quando chega o momento do embate contra o chefe, já que antes de cada boss existe um mini bônus aleatório, podendo te dar a chance de recuperar HP, munição ou, se der muito azar, simplesmente nada. Assim como os adversários comuns, cada chefe também requer uma estratégia diferente para ser derrotado. Ou seja, não basta chegar atirando e gastar toda sua munição sem analisar e desenvolver uma tática para derrotá-lo, pois isso pode te prejudicar e o game over vai ficando cada vez mais próximo de se tornar realidade.

Derrotado o chefão, você passa para uma transição de cenário, que apresenta novos inimigos e novos desafios que farão seu percurso cada vez mais perigoso e, sendo necessário redobrar a atenção para não cair em enrascadas.

Suco de laranja + limão

Em Juicy Realm é possível jogar em duplas, e esta é sem dúvidas a melhor forma para avançar no jogo. Com o auxílio de mais um jogador, consegui avançar muito além do que eu fui capaz na minha jogatina solo. Com dois personagens a aventura se torna mais desafiadora, com mais disparos e inimigos aparecendo cruzando seu caminho. Por outro lado, a presença de um segundo jogador permite a criação de estratégias diferenciadas, utilizando habilidades específicas de cada personagem selecionado. Por exemplo, enquanto um player utiliza a Boxeadora, que possui uma skill especial de cura, o outro pode utilizar o Ninja, que possui atributos mais apropriados para abater os inimigos à curta distância.

Como nada é perfeito, tenho dois poréns para adicionar quanto ao modo multiplayer. Meu primeiro empecilho foi não entender o porquê de o jogo não possuir a opção de jogar até 4 jogadores, o que tornaria o modo multiplayer muito mais atrativo. O outro ponto é que, apesar de já começar com quatro personagens de características diferentes, não é possível liberar outros personagens jogáveis. Até surgem outras figuras para auxiliá-lo em sua jornada, vendendo armas ou runas que ajudam a facilitar o decorrer do jogo, mas não é possível controlá-los.

Batendo o liquidificador

Juicy Realm é um jogo com visuais e cenários muito bonitos e bem trabalhados, com alto nível de detalhes, transformando a experiência de jogo mais agradável e intuitiva, já que é possível interagir com objetos nas fases e também identificar onde ir e onde o caminho é bloqueado.

Os controles são bem simples e intuitivos. Quando jogando no PC, as teclas movimentam os personagens e utiliza o especial, enquanto o mouse faz o trabalho da mira, tiro e dash. Já no joystick, o direcional da esquerda faz o movimento, enquanto a mira fica para o direcional da direita. Um grande problema que enfrentei foi ao utilizar o controle. A mira é precisa com o mouse, mas com o controle fica muito difícil de conseguir a mesma precisão, fazendo com que gaste muita munição só para acertar um tiro em um único inimigo, por exemplo.

Hora da degustação

Juicy Realm é um bom game que podia ser muito melhor. Talvez se houvesse a possibilidade de jogar online ou com até quatro pessoas por partida, a diversão poderia ser maior, com mais confusão e mais desafios ao longo da jornada.

O jogo é muito divertido e desafiador, e requer que o player se dedique para descobrir como derrotar cada adversário da melhor maneira possível e avançar de forma estratégica pelas fases. Como há um número grande de armas de fogo e armas brancas, isso ajuda também na questão replay, já há um diferencial gigante entre elas e você pode seguir seu caminho usando uma chave de fenda ou até mesmo aquele frango de borracha para dar cabo dos inimigos. Divertidíssimo!

Juicy Realm
7 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Grande variedade de armas
  • Gameplay desafiador
  • Chefes requerem boa estratégias
Contras
  • Não tem online
  • Multiplayer limitado
  • Skills não têm descrição
Avaliação
Divertido, Juicy Realm peca por não aproveitar a oportunidade de proporcionar uma experiência multiplayer mais interessante, limitando as partidas para apenas dois jogadores e de maneira local.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Elder Scrolls Online: Summerset é uma aventura incrível para novatos e veteranos do jogo

O novo capítulo de Elder Scrolls Online chegou ao PC, PS4 e Xbox One com tudo o que os novos e antigos fãs do MMO poderiam querer.

Publicado

em

Elder Scrolls Online recebeu muitas atualizações gratuitas e DLCs pagos no passado, mas o novo capítulo Summerset é facilmente uma das expansões mais esperadas dos fãs deste MMORPG.


Veja também:


Summerset nos leva para uma das regiões mais conhecidas de Tamriel, traz dezenas de quests, novos recursos, uma nova linha de habilidades, mais uma opção de crafting e uma ótima nova dungeon para grupos de 12 jogadores.

É bom já mencionar que as expansões de ESO funcionam de forma bem diferente de outros MMO que vemos por aí.

Em vez de exigir que você tenha um personagem no nível máximo ou que tenha completado várias outras quests antes de iniciar suas novas aventuras, Summerset permite que você viaje para a famosa ilha dos High Elves imediatamente, seja com um personagem novo ou já existente.

Talvez até por não ter a gigantesca expectativa da expansão de Morrowind (que permanece como uma das regiões mais amadas no coração dos fãs), é mais fácil de apreciar todos os pequenos detalhes e novidades das ilhas Summerset.

Além disso, dá para perceber que apesar de parecer menor que seu antecessor à primeira vista, esta expansão facilmente tem um conteúdo mais robusto e que vai te manter engajado por mais tempo.

“Você já ouviu falar dos High Elves?”

Em questão de trama, até então, o local estava fechado para outras regiões, mas a rainha Ayreen decide abri-lo para os estrangeiros e nosso fiel amigo Razum-dar (um velho conhecido Khajit do game) volta para nos ajudar e explicar nossas primeiras missões na região.

Como tantos outros problemas causados nesta era, logo descobrimos que o desaparecimento de certos turistas está diretamente relacionado aos Daedrics e seus seguidores. Rapidamente, isso nos leva a uma quest principal que se encaixa muito bem com a trama de outras regiões, algo que pode ser bem aproveitado por novatos ou veteranos do jogo.

As quests em si devem ser bem mais interessantes para quem passou apenas algumas dezenas de horas no mundo de ESO, enquanto os veteranos terão certa familiaridade com algumas delas.

A verdade é que adorei algumas das quests que não envolviam ter que ir em uma dungeon, matar certos monstros ou descobrir um plano envolvendo Daedrics. Embora essas ainda sejam divertidas e tradicionais da série, foram algumas das missões casuais e que não tinham nada a ver com esses temas que me chamaram mais atenção.

Parte disso se deve ao fato de eu já feito todas as missões principais e secundárias das outras regiões, então a experiência de cada um pode variar. Felizmente, há conteúdo diversificado suficiente para todos os gostos, basta explorar os diferentes cantos de Summerset para encontrar algo surpreendente.

Joias, joias e mais joias

Para começar, o tal aguardado e requisitado sistema de criação e aprimoramento de joias finalmente está aqui. Ele se tornou em uma nova linha de habilidades para quem quiser se especializar no assunto e agora há muitos novos traços que podem ser atribuídos a anéis e pingentes.

Com isso, também há novos materiais que você pode encontrar e coletar em todas as regiões de Tamriel para a construção desses acessórios. O interessante é que qualquer jogador pode pegar esses materiais, mas só aqueles que possuem a expansão podem usar as meses de criação de joias.

De certa forma isso pode ser positivo, já que não exclui os jogadores totalmente desta novidade, permitindo que eles vendam os materiais que coletaram a outras pessoas e que usem as joias especiais criadas por seus colegas aventureiros.

Isso abre um novo leque de possibilidades de combinações de armaduras, acessórios e armas que seu personagem pode usar. Antigamente, você só contava com jóias que achava no mundo, em dungeons ou no PVP (modo que coloca jogador contra jogador).

O problema era que só conjuntos específicos de equipamentos que eram encontrados como loot tinham essas joias e você nem sempre as encontrava na qualidade ou com o traço necessário para o seu personagem.

Agora você não só pode aprimorar as joias encontradas no mundo, como também pode fazê-las da maneira que quiser para os conjuntos especificamente disponíveis para criação manual. Acredite ou não, esta é uma tremenda melhora na qualidade de vida daqueles que passavam dezenas de horas procurando o equipamento perfeito em dungeons.

Voltando no tempo

Falando em novas habilidades, é claro que temos que mencionar a adição da nova linha de habilidade ligada a guilda conhecida como “Psijic Order”. Você a desbloqueia ao iniciar uma quest desta guilda, sendo possível conseguir experiência e destravar as habilidades exclusivas e bem diferentes do que vimos até agora no game.

São cinco habilidades ativas, cinco habilidades passivas e uma habilidade suprema. Como em outras linhas, cada uma dessas habilidades pode ser elevada e tomar uma forma diferente dependendo do que você quer para o seu personagem.

O interessante é que todas essas habilidades são relacionadas a um tipo de viagem no tempo, sendo possível restaurar seus pontos de vida, mágica e vigor ao estado que se encontravam há alguns segundos ou fazer seu próprio personagem voltar a uma posição específica que estava há pouco tempo. Isso pode ser usado no PVE ou PVP, o que pode gerar resultados bem interessantes futuramente.

Lindo e cheio de conteúdo

A ilha de Summerset é outra parte que deve ser levada em consideração separamente. Ela é, sem dúvidas, a região mais bonita e bem detalhada que já explorei em Elder Scrolls Online e que me agradou até mais do que Morrowind.

Além de cidades movimentadas, você encontrará muitas dungeons, NPCs espalhados por todo lugar, monstros para destruir em grupo, eventos públicos e novos tipos de fauna e flora.

É claro que além das dungeons públicas normais que a expansão oferece, temos o Trial conhecido como “Cloudrest”. Para quem não é muito familiarizado com o termo, um Trial é basicamente uma dungeon enorme para grupos de até 12 pessoas e que pode ser bem desafiante tanto no modo normal como no modo veterano.

Este Trial é muito bem-vindo, já que eles não são adicionados com a mesma frequência das dungeons de até 4 pessoas (o que é obviamente compreensível), mas fazem parte de um dos conteúdos favoritos dos jogadores de ESO.

Como vários outros Trials, Cloudrest conta com três chefes secundários e um chefe principal, além de ter conjutos de equipamentos exclusivos, uma skin nova, títulos inéditos e vários itens para a casa do seu personagem.

Não é perigoso ir sozinho

Sabemos que todo esse papo de dungeons em grupo, eventos públicos e monstros que só podem ser destruídos com a ajuda de outras pessoas pode criar um receio naqueles que gostam de jogar sozinho.

Sim, nós também sabemos que MMO são feitos para serem jogados em grupo, mas Elder Scrolls Online é muito conhecido por ter uma vasta quantidade de conteúdo que pode ser aproveitado sem a companhia ou ajuda de ninguém.

Felizmente, você não precisa se preocupar com isso em Summerset, já que também há muito o fazer se quiser se aventurar sozinho pela ilha. A trama principal, as quests secundárias e toda a linha da Psijic Order deve te garantir dezenas de horas de conteúdo sem muito esforço.

Summerset é apenas a segunda grande expansão de Elder Scrolls Online, mas o aprimoramento em relação aos DLCs anteriores é bem vísivel. Com todas as novidades que apresenta, esta é uma surpresa extremamente agradável para aqueles que imaginavam Morrowind como o pico do jogo.

Seja um fã antigo do MMO procurando por novas aventuras ou um iniciante em dúvida de que DLC deve experimentar primeiro, esta definitivamente é uma excelente opção que não pode ser ignorada.

Elder Scrolls Online: Summerset - Crítica
9 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Trial inédito e divertido
  • Região mais bonita e
    detalhada até agora
  • Criação manual de joias
  • Novas habilidades
Contras
  • Algumas quests podem
    parecer similares aos
    jogadores mais antigos
Avaliação
Summerset não só traz mais uma região a Elder Scrolls Online, como também conta com novas habilidades, um Trial inédito e um sistema de criação de joias bastante aguardado.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

life is strange life is strange
Games1 dia atrás

Life is Strange 2 | Jogo recebe data de lançamento

Ainda não se sabe qual será a trama do game ou que personagens aparecerão nele.

Música1 dia atrás

Paul McCartney | Macca revisita sucessos dos Beatles no Carpool Karoke

Teve até um show surpresa em pub!

Música1 dia atrás

Nine Inch Nails | EP Bad Witch já está disponível no Spotify

Ouça aqui o novo disco da banda

Séries1 dia atrás

Cara Gente Branca | Netflix renova a série para sua terceira temporada

Ainda não há data de estreia para os novos episódios

Games1 dia atrás

Overwatch | Assista agora à equipe do PlayReplay jogando ao vivo no Twitch!

Sexta-feira é dia de live com a equipe!

Cinema1 dia atrás

Edgar Wright | Diretor confirma estar trabalhando em documentário sobre o Sparks

Diretor volta a se envolver com o mundo da música

Música1 dia atrás

Panic! At The Disco | Ouça aqui o disco Pray for the Wicked

Confira também o vídeo oficial de Hey Look Ma, I Made It

Games1 dia atrás

World of Warcraft | MMO está gratuito neste fim de semana

Quem ainda tem curiosidade em jogar o clássico MMO, pode aproveitá-lo sem assinatura nos próximos dias.

Games1 dia atrás

PUBG | Jogo perdeu metade dos jogadores ativos no PC

Mesmo com números menores do que antes, ainda há mais de 1 milhão de jogadores ativos no game.

Games2 dias atrás

Red Dead Redemption 2 | Versão de PC pode ter sido confirmada

A Rockstar ainda não se pronunciou sobre o assunto por enquanto.

Mangá2 dias atrás

The Legend of Zelda | Panini lança o mangá The Minish Cap Phantom Hourglass

Conheça a nova Perfect Edition, de Akira Himekawa

Games2 dias atrás

Steam | Promoção de férias já está no ar!

Os usuários do Steam tem até o início de julho para comprarem seus jogos favoritos.

Games2 dias atrás

Shadowrun Returns | Jogo está gratuito no Humble Bundle

O game poderá ser adquirido de graça por mais alguns dias no PC.

Quadrinhos2 dias atrás

Star Wars | HQ de Poe Dameron é cancelada nos EUA

Charles Soule escreverá a edição final da revista

Anime2 dias atrás

Neon Genesis Evangelion | Música de abertura é relançada em versão oficial HD

Seria um sinal de que o Rebuild 3.0+1.0 está chegando?

Em alta