Conecte-se conosco.

Críticas

Brawlout leva a galera indie para uma divertida arena de combate

Criado pela Angry Mob Games, jogo de luta em arena Brawlout mostra que é mais do que um clone de Smash Bros.

Publicados

on

Jogos de luta, nos tempos de hoje, já não possuem mais tanto destaque na área de games. Dá para contar nos dedos os principais jogos que possuem destaque no mercado, como Mortal Kombat, Street Fighter, The King of Fighters e Super Smash Bros.

Dificilmente novos jogos desse gênero são criados por empresas desenvolvedoras independente. Mas, mesmo assim, nada impediu que o estúdio Angry Mob Games fizesse o seu próprio jogo de luta e, ainda por cima, trazendo personagens famosos de outros jogos indies. Estamos falando de Brawlout, jogo lançado para Xbox One, PlayStation 4, PC e, futuramente, para o Nintendo Switch.


Veja também:


Caso você já tenha visto algum vídeo do game na internet, com certeza rolou aquela comparação imediata com Super Smash Bros., da Nintendo, jogo que reúne as maiores estrelas da empresa japonesa como Mario, Link, Samus, e vários outros. É visível que Smash Bros. inspirou bastante a criação de Brawlout. O jogo tomou para si apenas alguns aspectos de Smash, adaptando-os para outro estilo de gameplay que mesmo veteranos da série Smash Bros. precisam se acostumar para conseguir dominar o jogo.

Igual, mas diferente

Em geral, Brawlout é o básico jogo de luta onde você precisa acertar golpes no oponente, aumentando sua porcentagem de dano recebido para lançá-lo para fora da arena, independente de para qual lado da fase, seja para cima, os lados ou para baixo.

O jogo permite até 4 jogadores simultâneos, contando com nove personagens que podem ser liberados ao longo das partidas. Algumas caras são novas e desenvolvidas para o jogo, como Paco, Chief Feathers e King Apu, mas também vemos alguns rostos conhecidos do mundo indie, como The Drifter, de Hyper Light Drifter, Juan de Guacamelee! e Yooka-Laylee, do jogo homônimo. Ainda está para sair em uma atualização gratuita o protagonista de Dead Cells. Além deles, 15 outros personagens podem ser liberados efetuando algumas atividades específicas durante o jogo.

Aproveitando que entrei no mérito desses novos personagens desbloqueáveis, veio a primeira decepção. Eles são tratados como novos personagens, com nomes diferentes e aparências sem igual, porém o moveset deles é igual ao dos personagens iniciais, sendo como skins ou “Echo Fighters” dos seus originais (como no vindouro Super Smash Bros. Ultimate), e não novos personagens com movesets diferenciados. Mesmo assim, isso não tira o brilho que o jogo consegue apresentar.

Os movimentos de cada personagem são únicos, sendo necessário dominá-los antes de sair dando porrada em todo mundo. Alguns possuem combos com intenção de aumentar mais rápido a porcentagem do inimigo enquanto outros são mais focados em dar golpes fortes para mandá-los para longe.

Como fiz o teste no controle do PlayStation 4, utilizarei os botões dele para explicar os combos. Com o quadrado você pode utilizar os golpes básicos, podendo utilizar os direcionais para mudar a direção do golpe e, ao segurar o botão, é possível dar um golpe mais poderoso e carregado. Com o triângulo, é possível utilizar os golpes especiais dos personagens e, de uma forma simples e prática, combos entre os dois botões podem ser utilizados para que você prenda seu inimigo numa série de golpes sequenciais. Os gatilhos do controle servem para esquivar e, ao utilizar junto com um movimento do direcional, ele rola para direção apontada e, por fim, o botal X e O são o pulo, permitindo até dois pulos em sequência.

O grande diferencial nesses movimentos, além dos combos com os dois botões de ataque, é a questão da defesa. Esse jogo não utiliza essa função, ou seja, você precisa melhorar seu timing nas esquivas para evitar tomar qualquer golpe do inimigo. Foi uma coisa que demorei para pegar o jeito, pois em Smash Bros. a defesa garantia uma proteção extra caso o timing fosse errado. Essa é uma feature que considerei positiva pois muda a estratégia necessária, fazendo muitas vezes com que você pense em atacar antes do inimigo para não ser pego num combo dele.

Além disso, Brawlout conta com o Rage Burst, uma barrinha que vai enchendo a cada golpe efetuado ou recebido que fica localizada abaixo da porcentagem de dano. Ela é dividida ao meio, mostrando que há dois níveis de carregamento dessa barra. Ao chegar em 50%, você pode ativar o Rage Burst com os botões R1 e R2 apertados simultaneamente para empurrar o adversário e sair dos combos. Com a barra em 100%, utilize os mesmos botões para ficar com um poder absurdo por um tempo limitado. Os golpes nesse modo vão mandar seus inimigos mais longe que o normal, mesmo com uma porcentagem de dano pequena. Usando essa habilidade eu consegui lançar um inimigo para longe com 40% de dano!

Batalhas e mais batalhas

Brawlout conta com quatro tipos de diferente de modo, Couch Play (jogatina de sofá), Single Play, Online e Tournments. Como fica bem claro com os nomes, da pra imaginar a função de cada uma. Couch Play seria para jogar com seus amigos no mesmo console, utilizando batalhas de cada um por si ou em times.

Online teria a mesma função, porém com oponentes de todo o mundo para jogar contra você, num modo de 1×1, free play ou até mesmo ranked. Nesse modo, recomendo sempre fazer busca de jogadores da mesma região que a sua, para reduzir o lag das partidas.

O modo Tournments são torneios feitos entre os jogadores e organizados pela Angry Mob Games. Ainda não tive a oportunidade de testá-lo, mas estou de olho para ver como me saio nessas partidas.

O modo Single Play traz o básico player vs CPU, tutorial, pratice e o modo Arcade. Nesse modo, você deve selecionar entre três dificuldades, funcionando como as torres do Arcade mode de Mortal Kombat, por exemplo. A diferença é que quanto maior a dificuldade, mais oponentes você vai enfrentar, tanto em rodadas quanto na luta. Ou seja, na dificuldade fácil, as batalhas ocorrem no 1×1; na dificuldade médio é de 1×2; e na difícil, 1×3. A última batalha está marcada como interrogação, podendo ser qualquer personagem mas, independente da dificuldade, você vai enfrentar sempre três oponentes dele. Uma pena não ter algum inimigo com mais cara de Chefão como a maioria dos games de luta apresentam, pois do jeito que é apresentado, a expectativa no fim é um pouco triste.

Ainda assim, o legal do arcade é que você passa a conhecer um pouco mais de cada personagem e até mesmo vê interações muito interessantes que rolam entre eles. Por exemplo, Yooka-Laylee faz menção ao Shovel Knight, pois a dupla está fazendo parte do primeiro jogo em que eles foram convidados, assim como o cavaleiro da pá no jogo deles. E, ao finalizar o modo, conta o final de cada personagem, como acontece em grandes clássicos dos jogos de luta.

Aprecie a batalha

Como já era de se esperar, cada personagem possui um cenário próprio. Cada um deles conta com suas particularidades que você pode e deve utilizar a seu favor. Por exemplo, no cenário Sunset Eyrie, o chão em cada canto da fase pode ser destruído. Dessa forma, assim que você lançar o inimigo para longe, basta destruir esse espaço para dificultar ainda mais o retorno dele.

Além dessa interação, cada cenário tem uma forma de ser apresentado, trazendo grande variedade ao jogo. O jogo conta com 13 cenários diferentes, cada um com uma construção, tema e forma de ser apreciado. O design de cada fase traz também um pouquinho da história por detrás de cada personagem. Por exemplo, o King Apu, o macaco tirano, possui a fase Storm City, na qual é possível visualizar seu imenso castelo ao fundo do cenário.

Mesmo com tudo isso…

O jogo também tem alguns elementos que foram tomados em decisões durante seu desenvolvimento que fica esquisito enquanto você joga. Por exemplo, durante as telas de loading ou transição de telas, a música do background fica abafada ou há a ausência total dela, ficando aquele silêncio constrangedor.

Outra coisa que achei até engraçado, mas ficou com uma qualidade questionável, foi a imagem dos personagens quando perdem toda a vida. Ela fica em preto e branco e eles ganham um X em preto nos olhos dele, deixando uma impressão um tanto amadora, quando talvez apenas a descolorização do ícone do personagem poderia ser o suficiente.

Apesar desses pontos e a questão dos personagens serem, em sua maioria, “echo fighters” dos principais, Brawlout é um jogo divertido, em sua singularidade com inspiração em Smash Bros. misturados com elementos de games de luta clássicos, trazendo um leve sopro de novidade para o gênero.

Brawlout
7 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Variedade de modos de jogo
  • Movesets variados
  • Cenários diversificados
    e interativos
  • Vários personagens
    de jogos indie
Contras
  • Personagens desbloqueáveis
    são clones/skins
  • Silêncio nos loadings
  • Acabamento visual mediano
Avaliação
Brawlout é um jogo de luta que divertirá você e seus amigos por muitas horas. Traz uma variedade de personagens e cenários que requer dedicação e tempo para dominar os movimentos dos seus lutadores favoritos, e até mesmo convidados de outros jogos indies fazem parte da lista que está pronta para sair na porrada
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Be the first to leave a review.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Designer, pós graduado em Gestão da Informação e Business Intelligence, amante da música e pianista, é gamer desde os 4 anos de idade e seu maior sonho sempre foi trabalhar com videogames. Fez parte do portal GameBlast, mas hoje se dedica exclusivamente ao PlayReplay.

Comentários

Anime

The Promised Neverland entrega tudo que prometeu

Um dos melhores animes de 2019

Publicados

on

The Promised Neverland (約束のネバーランド) era uma das estreias mais aguardadas de anime neste começo de 2019. A adaptação do mangá de Kaiu Shirai já tem todos os episódios da primeira temporada disponíveis para streaming na Crunchyroll nacional com legendas em português, então corra lá para ver, e confira abaixo a nossa crítica completa sobre os primeiros 12 episódios de Yakusoku no Neverland!


Veja também:


O vídeo de review acima foi postado no nosso canal parceiro Aquele Cara

Era uma casa, muito engraçada…

O estúdio Cloverworks não poupou despesas e investiu um bom tempo e orçamento para garantir que cada episódio de The Promised Neverland atenda às expectativas dos fãs da série. Desde o primeiro minuto do primeiro episódio, é evidente que o anime largou com toda a banca de brigar pelo posto de melhor anime do ano, com ótima arte, trilha sonora e acabamento. Como falamos em nossas primeiras impressões da temporada, o primeiro episódio já faz um ótimo trabalho ao apresentar o clima de tensão e suspense da casa onde moram as crianças.

Se você não sabe nada sobre The Promised Neverland, aliás, eu recomendo que você feche o texto agora mesmo, já que boa parte da graça é tomar todas as revelações e surpresas ao vivaço, então fica aqui um breve alerta de spoiler, já na sinopse da obra: no anime, acompanhamos os protagonistas Emma, Ray e Norman, três crianças muito inteligentes que dividem um “orfanato” com dezenas de outros pimpolhos, todos sob cuidados da “Mamãe” Isabella, enquanto esperam sua vez para serem adotados por uma família amorosa.

Só que não! Logo descobrimos que o orfanato é, na verdade, apenas uma fachada. As crianças são criadas como gato e servem apenas para atender à fome de criaturas assustadoras para quem a Mamãe trabalha. Quanto melhor o cérebro das crianças, mais valiosa é a sua carne. Quando os heróis descobrem isso, começa uma eletrizante missão para descobrir como e quando fugir das garras de seus captores e alcançar a terra prometida, além das muralhas que os cercam.

Reviravoltas e mais reviravoltas

Um dos maiores trunfos, mas também uma das maiores maldições de The Promised Neverland, é o fato de que todos os seus episódios apresentam múltiplas guinadas na narrativa, com plot twists e surpresas constantes para te deixar na ponta da cadeira a todo momento. Isso é bom para deixar o espectador sempre apreensivo e atento, mas pode quebrar um pouco da graça na medida em que uma reviravolta é anulada pela seguinte, tirando o peso de algumas decisões do roteiro.

São momentos que revelam agentes duplos, agentes triplos, gente que parece que morreu mas não morreu, gente que parece que vai viver mas morre… é tanto puxa e empurra que cansa ao longo da temporada, e isso contamina um pouco o ritmo do miolo deste primeiro ano de The Promised Neverland. Ainda assim, os dois primeiros e os dois últimos episódios são simplesmente fantásticos, e o ponto alto dessa primeira leva de episódios.

O clímax consegue amarrar bem todos os arcos de personagem e os principais mistérios levantados até então, e sabiamente amarrar um flashback da Mamãe com as questões enfrentadas pelas crianças no momento. Só seria melhor ainda se a nossa suspensão de descrença não fosse testada ao máximo ao ver crianças de quatro anos com uma maturidade e inteligência maiores que as de muitos adultos, mas esse pecado passa batido perto dos grandes acertos do arco final de Promised Neverland.

Vale muito a pena!

The Promised Neverland possui algumas falhas sérias de ritmo e estrutura, e constantemente somos bombardeados com soluções do tipo “era tudo parte do meu plano o tempo inteiro“, mas nada apaga o brilho desta que é uma das melhores estreias de 2019 até agora. Da empolgante opening gravada pela banda Uverworld até os sempre instigantes ganchos no final de cada episódio, o anime é recomendadíssimo para qualquer um que goste de um pouco de terror e aventura.

The Promised Neverland Temporada 1
8.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Boa direção
  • Mistério instigante
  • Opening ótima
  • Tensão sob medida
Contras
  • Reviravoltas demais
  • Força a barra
Avaliação
The Promised Neverland honra o hype que foi criado ao ser redor e já se consagrou como um dos melhores animes de 2019 com sua aventura e terror sob medida. Que venha a segunda temporada!
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Be the first to leave a review.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Continue lendo

Críticas

Como recuperar arquivos deletados usando o EaseUS Software, a ferramenta essencial para todo PC Gamer

Testamos ferramenta que promete, sem complicações, recuperar arquivos deletados ou perdidos no seu computador

Publicados

on

Quando você pensa em começar a sua jornada no mundo dos games no computador, as primeiras preocupações são quais peças são necessárias para jogar um game recém-lançado e quanto custa pra ter o PC dos sonhos. É uma tarefa árdua e que pesa no bolso, mas que, com toda certeza, compensa o investimento. Afinal, a próxima vez que você vai precisar trocar essas peças será em questão de anos.

O problema é que muita gente acaba esquecendo dos possíveis problemas que podem acontecer depois de já estar envolvido nesse mundo, como a perda dos arquivos, saves ou aquele bendito .dll que some do nada, sem nem dar tchau! Algumas das vezes, é possível recuperar o arquivo procurando pela internet (mas com chances de acabar infectado com um vírus de computador), baixando o jogo de novo ou copiando o arquivo de um amigo. Mesmo assim, saves são arquivos que, se perdidos, não tem mais volta… ou será que tem?

Recupere seus arquivos sem preocupação

A ferramenta EaseUS Software tem justamente essa função: recuperar os arquivos perdidos e deletados do seu computador. Ou seja, nada mais de esquecer de fazer o backup dos saves dos seus jogos favoritos durante uma formatação ou até mesmo ao deletar o game, a EaseUS é o programa para recuperar facilmente esse arquivo de maneira simples e prática, e o melhor, não precisa nem de guia para entender o funcionamento dela.

Assim que você baixar o programa, você se depara com a tela que mostra os diretórios do seu computador (no meu caso, o diretório C, o F e o disco local como visto na imagem). Caso você mantenha os seus arquivos organizados, basta selecionar a pasta que deseja para recuperar, o processo é bem mais rápido do que buscar o diretório inteiro. Ou, caso você queira recuperar múltiplos arquivos, compensa mais realizar a busca no diretório completo e depois ir selecionando os arquivos que deseja.

Simples, prático e rápido

Como eu já disse antes, não é necessário realizar um tutorial para aprender a utilizar a ferramenta, ela é bem intuitiva. Para melhorar a situação, assim que é realizada a busca, o software mostra os resultados de forma organizada, colocando seus arquivos em pastas conforme você havia organizado anteriormente (é muito importante manter seus arquivos organizados!), dessa forma, caso esteja procurando arquivos específicos, a localização deles fica mamão com açúcar!

O primeiro grande teste que fiz foi trazer todos os arquivos do diretório F, onde eu normalmente salvo os meus jogos. Como muitos arquivos de lá são pesados, o processo completo levou em torno de 5 horas para ser finalizado, e foi em torno de 500GB analisados.

Confesso que, mesmo com meu computador montado em menos de 1 ano, fiquei impressionado com a forma com que os resultados foram apresentados, tudo organizado e fácil de identificar cada arquivo. Uma pena que ainda não existe a possibilidade de pré-visualizar arquivos de imagem antes, é preciso recuperá-la para poder ver se é o arquivo desejado.

E quanto custa?

Por incrível que pareça, a EaseUS Software permite que você baixe uma versão gratuita do programa. É claro que há algumas limitações dessa versão, uma delas sendo a possibilidade de recuperar um arquivo por vez ao invés de fazer em lotes. Mesmo assim, já é o suficiente para fazer a recuperação do seu HD, caso alguns arquivos tenham se perdido em seu computador. Mas caso queira a versão EaseUS Data Recovery Wizard Professional, recomendamos para quem tem muitos arquivos a serem recuperados.

Claro que existe a possibilidade de fazer um teste gratuito da versão paga, que vem com 100% da funcionalidade da ferramenta, te dando total liberdade de verificar cada detalhe antes da aquisição do produto. Isso mostra que a empresa quer garantir que EaseUS Software seja exatamente o que você precisa e que se familiarize com ela durante esse período. O valor do plano mais barato está próximo de US$ 70,00, que deve ser pago uma vez para a licença do programa.

Vale a pena?

Como todos sabem, não temos como prever quando algum arquivo pode ser perdido durante toda a vida de um computador, então é sempre bom você ter algum jeito de recuperar seus arquivos perdidos para que não seja jogado fora suas 200 horas de gameplay de Monster Hunter: World, por exemplo!

Vale a pena lembrar também que EaseUS Software também funciona para Mac, Android e iOS, ou seja, qualquer uma dessas plataformas também podem passar por perdas de arquivos durante o processo de vida e esse serviço com certeza vai garantir que você não se desespere nesses momentos, podendo confiar 100% nela!

Continue lendo

Críticas

Resident Evil 2 é a melhor homenagem que o clássico poderia ganhar

Testamos o remake do clássico Resident Evil 2, lançado para Xbox One, PS4 e PCs

Publicados

on

Jogos de terror tiveram seu ápice na década de 90 e nos anos 2000, com franquias que fizeram a gente borrar as calças a cada susto tomado com games como Fatal Frame, Silent Hill e Resident Evil. Porém, no decorrer dos anos, o gênero terror foi enfraquecendo, ganhando apenas alguns jogos de destaque. Até mesmo as nossas franquias amadas tomaram um rumo inesperado, deixando de lado o terror — ou o desenvolvimento dos jogos do gênero deixou a desejar.


Veja também:


Porém, nos últimos anos, o gênero terror parece estar ganhando seu brilho novamente, com a demo P.T. de Silent Hills fazendo muito sucesso, Resident Evil 7 se esforçando para entregar uma experiência mais assustadora e o recém-lançado Resident Evil 2 Remake prometendo ser um novo rumo para a franquia.

Leon já ta pronto pra entrar em Resident Evil 2

Como já disse anteriormente, Resident Evil tomou um rumo que os games acabaram tendendo mais para a ação do que um jogo de terror e sobrevivência, como havia sido feito originalmente. Mas com o lançamento de Resident Evil 7 e o remake de Resident Evil 2 a série parece estar mirando em voltar às origens. E o remake de Resident Evil 2 Remake realmente merece um destaque por toda essa re-transformação da série.

Revivendo Raccoon City

O novo lançamento da série da Capcom é uma remodelagem do clássico game Resident Evil 2 lançado originalmente para o primeiro PlayStation e o Nintendo 64. E, para manter o jogo interessante tanto para gamers que já jogaram o clássico como para novos aventureiros que não acompanharam a primeira aventura de Leon e Claire (é o meu caso), a Capcom refez não apenas os gráficos, mas também inúmeras mudanças para surpreender os dois grupos de jogadores.

A história continua basicamente a mesma: dois personagens estão indo para Raccoon City sem saber que a cidade já estava infestada de zumbis. Leon S. Kennedy é um policial novato e está indo para a delegacia para seu primeiro dia de trabalho. Já Claire Redfield é irmã do membro da S.T.A.R.S. Chris Redfield e, por conta disso, vai em busca do seu irmão (que desapareceu depois do primeiro Resident Evil). Ambos se encontram no posto perto da cidade, onde são atacados por zumbis e, após escaparem, decidem ir para a cidade para ver o que está acontecendo.

Os Cerberus voltaram para causar na sua jogatina, agora em HD!

Com gosto de nostalgia e novidade, o novo Resident Evil 2 mantém praticamente o mesmo layout dos mapas, porém inúmeras mudanças foram feitas no geral. Puzzles, por exemplo, foram totalmente remodelados, pegando de surpresa até o mais experiente dos jogadores. Por mais que o game seja um remake, é possível ser considerado um jogo completamente novo, mesmo que mantenha a mesma história de forma geral.

Falando em história, assim como no original, é possível escolher entre Leon e Claire para iniciar a aventura. Nessa primeira jornada, existem algumas diferenças mínimas entre o percurso dos dois, como as armas, por exemplo, Leon consegue a Shotgun e a Claire um lança-granadas no lugar. Eles se encontram algumas vezes durante a jornada, mas confesso que é menos do que eu esperava depois de ler muito sobre RE2.

Ao completar o modo história, você libera o modo Segunda Jornada do personagem oposto ao que você jogou, ou seja, complete a primeira aventura com Leon e libere a segunda jornada da Claire e vice-versa. Vale lembrar que esse modo, apesar de ser o mesmo cenário, é mais difícil que o normal, mudando algumas rotas e localização de alguns itens, encontrando mais inimigos e tendo munição reduzida.

Após completar esse modo, libera-se o famoso 4º Sobrevivente (4th Survivor), em que você controla Hunk, um agente secreto da corporação Umbrella que liderou uma equipe para levar William Birkin, criador do G-Virus, de volta à sede da corporação. Claro que tudo dá errado, a equipe acaba matando o cientista mas ainda coletam uma amostra do vírus. Nesse modo, você precisa apenas chegar ao ponto de extração do helicóptero para fugir da cena.

Birkin não autorizou a Claire de levar a Sherry pra longe dele!

Mas não é tão simples quanto parece, você apenas pode contar com os itens em seu inventário, não tendo saves, acesso ao baú de itens e nem mesmo encontrará itens e munições durante a missão. E, pra finalizar, completando o modo você libera a versão Tofu dele, onde você controla um Tofu gigante, membro da S.T.A.R.S. e pode utilizar apenas faca. Boa sorte!

O retorno ao horror

Resident Evil 7 veio trazendo de volta as coisas que mais amamos na franquia, como sobrevivência e o medo de se aventurar pelos corredores. Porém, mesmo não apresentando zumbis, conseguiu conquistar muitos fãs. Já o remake de Resident Evil 2 traz de volta tudo o que sentimos na época em que os primeiros títulos da série Resident Evil chegaram aos consoles. Mesmo não tendo jogado a versão original de RE2, tive a oportunidade de poder desfrutar dos outros jogos da série e, com certeza, a sensação de medo e pavor durante o jogo deve ter sido a mesma.

A sensação de jogar a versão remake de Resident Evil 2 é incrível, você fica tenso o tempo todo, a cada susto tomado e preocupado com cada bala gasta para matar ou apenas atordoar os inimigos para avançar. Durante a primeira jogatina na história do Leon, confesso que dei alguns gritos e soltei alguns xingamentos de nervoso para cenas de surpresas e inimigos inusitados aparecendo onde não foram chamados.

Claro que isso se deve a toda ambientação e clima construídos durante a jogatina. Os cenários finalmente possuem iluminação adequada para um jogo de terror, coisa que não era possível durante a geração do primeiro PlayStation. Joguei o game todo com as configurações que o próprio game indica, ou seja, nas áreas que os personagens utilizam a lanterna para iluminar o caminho, apenas o que a luz tocava conseguia enxergar, o resto era escuridão pura. Então cada grunhido do zumbi que eu não via era um novo momento de tensão.

Mr. X ta putaço por colocarem esse chapéu nele!

Além disso, vale dizer que todos os inimigos foram remodelados para poder se adequar ao novo clima retratado no remake e, para ser bem mais realista, modelaram os zumbis utilizando os próprios desenvolvedores, ficando mais tenebroso ainda. As outras criaturas, apesar de não conseguir ver tão bem os detalhes delas por estar fugindo praticamente o tempo todo, são bem assustadoras. Depois de liberar o modelo delas no modo Extra do jogo, é possível ver os detalhes das criaturas, uma mais monstruosa que a outra.

A versão do jogo que utilizamos, cedido pela Capcom, contava com os bônus incríveis como a clássica arma de Albert Wesker de sua época de líder da S.T.A.R.S., a possibilidade de aprofundar mais ainda o nível nostálgico do jogador com a trilha sonora original e novas roupas com possíveis referências à outras séries, games e até mesmo de uma versão de Resident Evil 2 1.5, game que seria o RE2 original se não fosse descartado no meio do processo de desenvolvimento e refeito com cara do RE que conhecemos.

O único ponto negativo de tudo isso é a questão de tempo de jogo. Em minha primeira jogatina, foram um pouco mais de 9 horas para completar a primeira parte da campanha, o que foi até um bom tempo de jogo. Porém, nos outros modos, ele cai para 5 horas e até menos, já que, como todo Resident Evil clássico, é questão de decorar os caminhos certos a serem percorridos e otimizar esse tempo. Mesmo contando com 3 modos diferentes, a história principal, a segunda jornada e o 4º sobrevivente, é possível completá-la de forma rápida, sobrando apenas os liberáveis que requerem mais habilidade para conquistar. Isso se deve por ser um remake de um jogo onde essa média de tempo era normal na época, mas estamos em um ano onde games e gamers estão acostumados com aqueles jogos que duram mais que isso.

Afinal, o novo modo de jogo ou o antigo?

Como disse, muitas mudanças foram realizadas nesse remake, inclusive podendo ser considerado um novo jogo, já que as mudanças foram intensas. Como era de se esperar, também a gameplay evoluiu, não contamos mais com aquela câmera fixa para causar mais pânico numa época onde a capacidade gráfica era pequena. Dessa vez, combinou a gameplay apresentada em Resident Evil 4, combinando bem com a forma de jogatina que novos jogadores possam se adaptar.

A coisa ficou feia pra Claire agora

O remake de Resident Evil 2 consegue trazer a grandeza e o peso que a franquia merece e, com relatos até de fãs da versão original de RE2, posso dizer que a Capcom é excelente em criar remakes. A história se repetiu como em Resident Evil Remake (a versão refeita do primeiro jogo da série) e, mesmo sendo mais ousados em mudar a forma de jogo de um game já conceituado no mundo gamer, a homenagem feita para esse grande clássico, com certeza, entrou na lista de um dos melhores games da série, podendo até retratar como um novo recomeço para a série, mas isso é assunto para uma outra postagem.

A experiência de poder desfrutar Resident Evil 2 pela primeira vez através do remake para mim com certeza foi mais que positiva, dando esperança para um renascimento incrível da franquia, podendo ter a mesma força que tinha durante a minha infância. Para os nostálgicos de plantão, a emoção bate mais forte ainda ao jogar essa releitura do segundo jogo, além das grandes surpresas incríveis que apenas jogando para saber.

Resident Evil 2
9.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ótimos gráficos
  • Um verdadeiro jogo de terror
    e sobrevivência
  • Múltiplos modos de jogo
  • Nostalgia e novidades
  • Narração incrível
Contras
  • Jogo curto
Avaliação
O remake de Resident Evil 2 é uma bela homenagem feita pela Capcom que, com certeza, vai agradar tanto aos novos jogadores como aos antigos players, com direito a novos puzzles, aventuras diferenciadas da original e, ainda assim, com direito a toda nostalgia merecida.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Be the first to leave a review.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Continue lendo

Newsletter

Últimas notícias

Games2 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Veja os desafios da Semana 6 da Temporada 9

Veja quais são os desafios do Passe de Batalha da Semana 6 da Temporada 9 de Fortnite Battle Royale

Games5 dias atrás

Hollow Knight | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo

Indie games ganham cada vez mais espaço entre os jogos AAA no mundo dos games. Onde as principais franquias não...

Games5 dias atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v.9.21

Veja todas as novidades que a atualização v.9.21 traz para os modos Battle Royale, Salve o Mundo e Criativo de...

Games2 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Veja lista de cosméticos com problemas

Saiba quais itens cosméticos estão com problemas na versão v.9.20 de Fortnite Battle Royale

Games2 semanas atrás

Google Stadia | Plataforma tem requisitos, preços e jogos revelados

Saiba como vai funcionar o Google Stadia, a plataforma de games do Google

Games2 semanas atrás

Star Wars Jedi: The Fallen Order | Veja as artes da caixa do novo jogo

Artes das caixas em versões Standard e Deluxe de Star Wars Jedi: The Fallen Order são reveladas

Games2 semanas atrás

Samurai Shodown | Jogo chega ao Xbox One e PS4 com legendas em português

Reboot da clássica série de jogos de luta baseada em armas traz novos personagens e recursos inovadores para várias plataformas

Anime2 semanas atrás

Crunchyroll | Plataforma divulga dados de audiência do mês de maio de 2019

Saiba quais fora os animes mais populares entre os fãs ao redor do mundo em maio deste ano

Games2 semanas atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v.9.20

Veja todas as novidades que a atualização v.9.20 traz para os modos Battle Royale, Salve o Mundo e Criativo de...

Games2 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Veja os desafios da Semana 5 da Temporada 9

Veja quais são os desafios do Passe de Batalha da Semana 5 da Temporada 9 de Fortnite Battle Royale

Games2 semanas atrás

Pokémon GO | Prepare-se para as Horas de Reides Lendárias em junho

Reides com Pokémon lendários e de cinco estrelas vão rolar toda quarta-feira pela noite no mês de junho de 2019

Games2 semanas atrás

Pokémon Sword & Shield | Jogos chegam em novembro

Muita coisa vai mudar com a chegada de Pokémon Sword e Pokémon Shield, os novos títulos da série exclusivos para...

Games2 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Pacote Selvageria já está disponível

Acesse o seu lado selvagem com o Pacote Selvageria em Fortnite Battle Royale

Séries2 semanas atrás

La Casa De Papel | Netflix libera trailer da Parte 3 da série

Desta vez não se trata de dinheiro, mas de família

Games2 semanas atrás

Fortnite | Jogador acusado de trapaça se qualifica para finais da World Cup

Acusado de trapacear e banido na segunda semana da competição, jogador volta a se classificar para as finais do evento...

Em alta