Conecte-se conosco.

Críticas

Crawl | Escape das masmorras neste excelente multiplayer assimétrico

Enquanto você controla o herói, os seus amigos ficam no controle dos monstros ao seu redor.

Publicado

em

Existem quatro coisas sobre o Switch que não se pode negar: ele é um excelente lugar para jogos indies, ele foi feito para jogatinas rápidas, pixel art é linda na sua tela em modo portátil e ele é uma excelente plataforma para multiplayer local.

Muitos jogos atuais possuem essas características, mas elas são ainda mais evidentes em Crawl.

Originalmente lançado em 2014 na Steam, Crawl, como talvez você possa advinhar, trata-se de um dungeon crawler com elementos procedurais. A diferença aqui é que tanto os exploradores quanto os monstros da masmorra são controlados por jogadores (ou pelo computador, caso esteja jogando solo).

Empurrando a estética de uma maquina de fliperama desde sua tela inicial, Crawl opta por jogatinas rápidas e repetidas. A ideia aqui é que quatro jogadores competem para sair da tal masmorrana qual se encontram – mas somente um poderá sair de lá vivo.

Após o primeiro embate entre os jogadores – para definir o primeiro sobrevivente, cabe aos jogadores mortos assumirem o papel de fantasmas que podem incorporar objetos e armadilhas ou invocar monstros em círculos de magias arcanas para tentar derrotar o jogador humano. Quem acertar o golpe fatal recupera sua humanidade enquanto o recém-falecido assume a forma de fantasma.

Mas para escapar dessa masmorra não basta estar vivo. Você terá que coletar experiência o suficiente, chegar ao nível 10 e enfrentar um chefe gigante que também tem cada uma de suas três partes controladas pelos outros na partida.

Ainda assim, ficar no mundo dos vivos nem sempre é uma boa ideia, já que é na forma de fantasma, causando dano ao jogador vivo, que se adquire ouro para comprar melhores armas e habilidades – o que lhe oferecerá melhores chances de derrotar o chefão.

Alternar entre fantasma, humano e monstros é simples pelo fato do jogo manter o mesmo esquema de controle independentemente da entidade sendo controlada. “A” é seu ataque simples, “B” seu especial (que pode ser um ataque, invocação ou desvio de golpe) e o direcional lhe move.

A cada andar da masmorra o jogo balança os jogadores ao distribuir pontos que permitem tornar mais fortes os montros invocados através de uma árvore de upgrades. O balanceamento se dá através da distribuição dos pontos ser proporcional aos níveis adquiridos por seus rivais.

Desta forma, quem está em último recebe mais pontos para ter monstros mais fortes e, ultimamente, mais chances de derrotar o humano no próximo andar.

Um dos aspectos mais bacanas de Crawl é que existe uma certa progressão, apesar da abordagem arcade do jogo. Ao chegar em níveis mais profundos da masmorra, novos itens e monstros são desbloqueados para serem comprados e invocados, respectivamente. Com eles, novos desafios para um jogador são destravados.

Por todos os jogadores sempre estarem no mesmo cômodo da masmorra, Crawl também é uma excelete opção para se jogar em modo portátil com outros amigos, já que os pixels e cores primarias contra os cenários de tons terrosos são fáceis de se distinguir.

Com uma leve pegada Lovecraftiana em seu design e história (que até no multiplayer permite que “todos percam”), Crawl consegue intrigar e prender a atenção do jogador facilmente.

Também vale mencionar sua excelente direção artística em pixel art, que conta com uma paleta de cores limitada e com pixels relativamente grandes, mas que ganham vida através de animações detalhadíssimas.

Uma trilha sonora em chiptune empolgante e viciante eleva tudo a um outro nível, fazendo deste um excelente jogo para rápidas doses single-player ou horas de diversão e gritaria com amigos.

Crawl - Switch
9 Nota
5.5 Leitores (2 Notas)
Prós
  • Excelente direção artística
  • Ótimo como single e multiplayer
Contras
  • Alguns Easter Eggs foram retirados
Avaliação
Além de um estilo artístico incrível e uma ótima trilha sonora, Crawl oferece um tipo de conteúdo que funciona muito bem no single player e no modo cooperativo.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Cursando Game Design, Artes Sequenciais e Design de Serviços nos EUA, quando não está colocando seus desenhos no instagram (@hugoh2p), está gritando "Objection!" por aí, resolvendo enigmas com o Professor Layton ou assistindo a todas as séries de super-heróis da DC.

Comentários

Críticas

Moonlighter divide seu tempo entre o comércio e a exploração de dungeons

Para que ficar só explorando dungeons quando você também pode vender todo o loot que encontrar?

Publicado

em

O aumento da quantidade e popularidade de jogos independentes nos últimos anos acabou sendo responsável por uma boa diversidade nos tipos de games que foram lançado recentemente. Como dá para imaginar, isso permitiu que jogos que misturam mecânicas de comércio com exploração de dungeons geradas aleatoriamente encontrassem um grande público interessado, como é o caso de Moonlighter.


Veja também:


O jogo chegou este ano no PC, PlayStation 4 e Xbox One, mas foi só no início de novembro que ganhou sua esperada versão no Nintendo Switch.

Nossa aventura já começa com um tutorial bem básico e estritamente visual dos nossos movimentos e habilidades em uma dungeon cheia de inimigos e loot a ser adquirido. Para dar mais ênfase na trama que vem a seguir, nosso herói de cabelos brancos acaba sendo derrotado por dezenas de inimigos que não param de aparecer.

Em seguida somos resgatados e aprendemos as mecânicas da nossa pequena loja chamada “Moonlighter” (um termo usado para aqueles que possuem um trabalho normal durante o dia e precisam trabalhar à noite para ter uma renda extra). O esquema é bem simples: todo aquele loot que você conseguiu na dungeon explorada pode ser colocado à venda na loja.

Quando o seu comércio estiver aberto, diversos clientes virão, avaliarão os preços dos itens e comprarão aquilo que considerarem um bom negócio. É aí que entra um fator interessante: descobrir quanto vale cada objeto colocado à venda. É você que determina o preço, mas é a reação dos clientes que vai te mostrar se o item está muito caro, muito barato ou com um valor justo.

Tudo é anotado no seu diário dentro do game, então não é preciso ficar lembrando de todos valores por si próprio. Outro aspecto interessante é que se houver muita demanda para um item, seu preço pode ser aumentado de acordo, mas o desinteresse de um objeto bastante oferecido também pode diminuir seu valor.

Com tudo isso entendido, podemos voltar para as dungeons no início da noite. Falando nisso, há 5 dungeons no total, sendo que é necessário passar pelas 4 primeiras (derrotando o chefe de cada) para desbloquear a última. Com isso, você não só faz progresso na trama geral do game, como também enfrenta um número maior de inimigo e encontra uma diversidade de itens diferentes.

Felizmente, esses itens não servem apenas para serem vendidos na sua loja. Eles são necessários para conseguir armas, armaduras, poções e vários outros componentes que podem te auxiliar em suas aventuras norturnas. Isso pode ser adquirido em outros comércios que você desbloqueia na hora que achar melhor.

É claro que para também é necessário ter dinheiro suficiente para pagar tudo isso, o que nos leva de volta à loja. Como dá para perceber, é um belo de um ciclo vicioso que dá o tom pelo resto do game. Por isso, haverá alguns momentos que Moonlighter parecerá meio repetitivo e que será necessário fazer um pouco de grind para conseguir todos os materiais requisitados para uma arma ou item desejado, por exemplo.

Isso não torna o game menos divertido, até porque essa repetição e grind já são esperados de um título deste tipo. Ainda assim, é algo bom de se ter em mente se pretende investir seu tempo e dinheiro no jogo.

O bom é que é possível fazer várias melhorias na sua própria casa e loja, o que já ajuda bastante a facilitar certos aspectos da sua aventura. Isso inclui uma cama que te dá mais energia pela manhã, um baú que guarda mais itens, bônus que fazem os clientes darem uma gorjeta maior, etc.

Outro aspecto que merece ser mencionado é o visual do jogo, que segue o padrão retrô de tantos games indies. A diferença é que ele é muito mais detalhado do que temos visto em outros títulos recentemente e consegue entregar um charme extra quando combinado com a ótima trilha e os efeitos sonoros que o acompanham.

No geral, Moonlighter entrega uma experiência bem mais completa do que pode se imaginar no começo da aventura, especialmente se você investir seu tempo na parte do comércio em vez de focar apenas nas dungeons. É um jogo simples, divertido e que definitivamente vai te prender por dezenas de horas no Switch.

Moonlighter - Switch
8.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Estilo artístico lindo
  • Bem viciante
Contras
  • Tem um pouco de grind
  • Pode ser meio
    repetitivo
Avaliação
Moonlighter entrega uma experiência bem mais completa do que pode se imaginar no começo da aventura, especialmente se você investir seu tempo na parte do comércio em vez de focar apenas nas dungeons.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Castlevania Requiem traz o melhor da série para o PS4

Dois jogos clássicos em um pacote extremamente nostálgico

Publicado

em

Bem a tempo da chegada da segunda temporada do anime de Castlevania na Netflix, a Konami lançou a coletânea Castlevania Requiem: Symphony of the Night & Rondo of Blood, exclusivamente por download na PlayStation Store do PS4. Confira logo abaixo o nosso review completo sobre o game e descubra se vale a pena jogar!


Veja também:


Inspirada na coletânea Castlevania: The Dracula X Chronicles do PSP, a nova versão traz, obviamente, os jogos Castlevania Symphony of the Night, lançado originalmente para SEGA Saturn e PlayStation em 1997, e Castlevania Rondo of Blood, lançado em 1993 para PC Engine CD. Por ser baseada no jogo de PSP, a coletânea traz vozes e textos diferentes do game clássico, o que é um pouco triste pois, apesar das vozes melhoradas, perdemos memes e falas marcantes como “What is a man? A miserable little pile of secrets”. E nunca é legal perder um meme assim de bobeira…

Veja no vídeo abaixo dicas para te ajudar a platinar Castlevania Requiem no PS4, começando pelo troféu de prata Vampire Killer, postado no nosso canal parceiro Aquele Cara

Clássicos atemporais

O bom desse pacote é que ele traz o melhor de dois tipos bem diferentes de Castlevania: de um lado temos Rondo of Blood, um dos mais caprichados e desafiadores títulos de plataforma 2D, praticamente a perfeição do estilo consagrado pelos primeiros Castlevania de NES.

De outro, Symphony of the Night começa a era dos Metroidvanias (nomenclatura da qual eu discordo, como explicado detalhadamente no vídeo abaixo. Prefiro chamar de gênero “Super Metroid”), com seu mapa único e bem integrado por atalhos, segredos e power ups espalhados pelo cenário, com direito a levíssimas mecânicas de RPG, como equipamentos e sistema de níveis para evoluir atributos.

Entenda neste vídeo a razão pela qual eu me recuso a usar a nomenclatura Metroidvania, preferindo chamar de “gênero Super Metroid”

São dois jogos clássicos muito queridos pelos fãs e, se você aceitar que é só isso que está buscando para sua vida, então Castlevania Requiem certamente saciará suas vontades. No entanto, quem busca algo a mais pode se frustrar, já que não há extras ou novidades significativas no pacote.

Só faltaram extras

Compare com as coletâneas de Mega Man ou Street Fighter lançadas nesta geração, por exemplo. Além de contarem com muito mais jogos, a Capcom encheu os cartuchos e discos com extras, curiosidades e um verdadeiro museu digital cheio de artes oficiais, conceituais e trilha sonora oficial, o que valoriza bastante a compra.

O tutorial acima ensina como pegar o troféu de bronze The Young Huntress em Castlevania Requiem, obtido ao resgatar a Maria

Aqui, a Konami trilhou o caminho mais rápido e simplesmente colocou os jogos em um único, feioso e preguiçoso menu inicial. De novo mesmo, só o fato do barulho dos itens sair do Dualshock, o que é mais inconveniente do que qualquer coisa. O suporte a resoluções altíssimas é bem-vindo, mas não importa tanto quando levamos em conta o tamanho das molduras que cercam os jogos originais.

E que venha mais Castlevania!

Seja lá como você for jogar, com ou sem filtros de imagem para emular televisores antigos, o fato é que os jogos possuem uma resolução baixíssima, então chega a ser contraprodutivo usar uma tv 4K para esse tipo de jogo. Não que eu esteja reclamando do suporte a isso, pois ele é bem-vindo e conveniente, só acho que oferecer molduras preguiçosas e filtros básicos é muito pouco para a grandeza desses jogos incríveis.

No vídeo acima você confere como resgatar a Tera e dicas para acessar a rota secreta que leva ao nível 3′ de Castlevania Rondo of Blood

E põe incríveis nisso! Por mais que se possa reclamar da simplicidade da coletânea, o fato é que ela oferece dois clássicos atemporais por um preço módico. Títulos obrigatórios não só para os fãs de Castlevania como para quem quer (re)descobrir o melhor que a plataforma 2D tem a oferecer nos videogames. Tomara que o sucesso do anime e de Requiem estimule a Konami a lançar mais e mais jogos de Castlevania.

Castlevania Requiem
8.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Dois clássicos reunidos
  • Trilha sonora matadora
  • Preço justo
Contras
  • Faltam extras
  • Poderia incluir mais jogos
  • Cadê meu "What is a man"?
Avaliação
Castlevania Requiem Symphony of the Night Rondo of Blood, como o próprio nome indica, reúne dois dos melhores e mais cultuados jogos da série. Seu preço acessível justifica a compra para fãs nostálgicos ou curiosos de plantão, mas seria legal que o pacote trouxesse mais extras ou conteúdo inédito.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Red Dead Redemption II retrata o Velho Oeste de 1899 com perfeição

Testamos Red Dead Redemption 2, o segundo jogo da franquia de Velho Oeste da Rockstar Games, desenvolvedora da série GTA

Publicado

em

John Marston é um antigo pistoleiro fora da lei que, após ser abandonado em um assalto e deixado para morrer pela sua antiga gangue liderada por Dutch Van der Linde, larga a vida de bandido. Junto de sua família, sua esposa Abigail e seu filho Jack, John decide viver uma vida pacata e sossegada. Porém, agentes do governo prendem sua família e o ex-pistoleiro se vê obrigado a acabar com sua antiga gangue para salvar sua esposa e filho. Todos esses acontecimentos ocorrem no primeiro jogo da série, Red Dead Redemption, lançado em 2010 para Xbox 360 e PlayStation 3.


Veja também:


Porém, muitas histórias não foram contadas no primeiro game e por isso, a Rockstar Games trouxe agora o segundo jogo da série que, mesmo sendo nomeado de Red Dead Redemption 2, não é exatamente uma continuação. RDR2 é, na verdade, um prelúdio dos acontecimentos do primeiro game, mostrando a vivência de John Marston — mas pela perspectiva de um outro parceiro da gangue, Arthur Morgan.

A gangue de Dutch

Após um assalto que deu errado em Blackwater (sim, a mesma cidade que tem no primeiro game), o bando de Dutch vê necessária uma fuga para o norte, fugindo das autoridades e deixando alguns membros para trás, presos ou mortos. Eles são obrigados a atravessar uma nevasca para sobreviver e passam dias presos por conta disso. Após o fim dessa neve toda, eles decidem ir para a região de Heartlands, procurar um lugar onde seu bando possa ficar sossegado e sobrevivendo. E o game abre a partir desse momento, em que você pode visitar qualquer um dos lugares do imenso mapa do jogo.

Controlando Arthur Morgan, você tem a missão de cuidar do acampamento e cumprir as missões dadas pelos companheiros do grupo. Então prepare-se para levar as moças para a cidade para coletar informações de possíveis golpes e assaltos para realizar, ou até mesmo caçar animais para garantir a sobrevivência do pessoal. E isso conta muito para a sua moral com a gangue. Os dois primeiros capítulos de Red Dead Redemption 2 não passam de um grande tutorial sobre como jogar o game, então é possível considerar que o jogo realmente começa a partir do capítulo 3.

Um Velho Oeste cheio de detalhes

É claro que eu vou começar o review pelos inúmeros detalhes trazidos por Red Dead Redemption 2, mostrando que este segundo jogo é uma evolução gigantesca em relação ao primeiro game, lançado em 2010. Vamos começar pelas coisas mais óbvias: as atividades. Como comentei anteriormente, Arthur pode exercer inúmeras funções para ajudar o acampamento, mas de forma geral ela gira em torno de quatro pontos principais: comida, medicamentos, dinheiro e armamento.

Existem mil formas de dar esse suporte em cada um dos pontos citados. Vamos pegar a parte da alimentação, por exemplo. Você pode optar por caçar os animais, escolhendo entre as inúmeras espécies espalhadas pelo imenso mapa do jogo, podendo pescar peixes, comprar as carnes prontas já do açougueiro etc.

Caçar requer um cuidado maior para que a peça seja melhor aproveitada. Ou seja, ao encontrar a sua presa, é necessário analisá-la para descobrir qual é a melhor arma para realizar o abate, sem prejudicar as partes do animal. Além disso, é preciso procurar acertar em lugares críticos para que o animal não sofra e não prejudicar a qualidade da pele, carne ou qualquer outro item que ele possa dar.

Além da caça para alimentação, existem animais que são nomeados como lendários dentro do jogo. Eles são animais únicos que é necessário uma série de pré-requisitos para conseguir encontrá-los e abate-los. Primeiramente, é necessário encontrar o local da tal criatura, não há marcação nem indicação em lugar nenhum, então nada que uma boa explorada para que o game indique que você chegou no local certo. Chegando lá, basta encontrar os rastros do animal até encontrá-lo e caçá-lo. Eles são criaturas muito mais fortes que o comum, mas dão bônus exclusivos que fazem valer todo o trabalho da caçada. Então fique de olho e se arme bem quando for encontra-los.

As montarias são basicamente cavalos, como já acontecia no primeiro jogo. Você precisa aumentar o vínculo com a criatura para tirar o melhor proveito do seu animal. Para tal, é necessário cumprir certas missões logo no começo do capítulo 2 para liberar o estábulo, onde você pode cuidar do seu azarão e garantir o melhor para ele. O vínculo entre o personagem e o animal vai até o nível 4, e cada nível libera novas habilidades que o cavalo pode realizar, como empinar, responder aos assovios, e por aí vai.

Uma curiosidade que não poderia ficar de fora: os cavalos possuem órgãos genitais em RDR2, e eles reagem de acordo com o clima do ambiente. Ou seja, no frio a parada encolhe. A Rockstar se preocupou com tantos detalhes durante o desenvolvimento do jogo que até coisas desse nível não passaram batido pela equipe — e muito menos pela internet.

As pessoas nas cidades também devem ser mencionadas aqui. Elas possuem um nível de inteligência artificial incrível. As cidades são bem detalhadas, com estalagens, bares, açougues, lojas de armas, e cada cidade pode possuir algum tipo de loja diferente da outra.

Por ser um bandido, você pode assaltá-las. Mas lembre-se que a moral baixa em certas regiões faz com que os preços dos produtos aumentem. Durante esse assalto, se você machucar os habitantes mas poupar sua vida, eles aparecem no dia seguinte com faixas para tratar as feridas que você causou.

Outra coisa que os NPCs fazem é reparar nas roupas e nas ações de Arthur. Se o protagonista está imundo, eles vão comentar, assim como caso você fique seguindo algum deles ou fique muito próximo, eles ficam incomodados, podendo até iniciar um tiroteio por conta disso. Os NPCs também cuidam uns dos outros, a ponto de um cidadão defender outro mesmo você não interagindo com ele.

Eu poderia ficar aqui escrevendo todos os detalhes que percebi durante o jogo, porém creio que o que foi dito aqui já passa a ideia de complexidade que o mundo de Red Dead Redemption 2 apresenta para os jogadores.

Missões e mais missões

Assim como seu antecessor, as missões em Red Dead Redmption 2 podem ser divididas de duas formas: principais e secundárias. A primeira é marcada no mapa na cor amarela e completar essas missões dará continuidade à história do game. Já a segunda é representada no mapa com a cor branca, que presenteiam o jogador com ótimos bônus que auxiliam muito na missão principal. Mas não para por aí, o jogo não lida apenas com esses dois tipos de missões.

Durante a exploração do mapa, inúmeros eventos podem cruzar o seu caminho, e basta você ficar atento ao mapa para percebe-los. Muitos deles são mais fáceis de identificar, pois sempre aparece alguém falando e a legenda entra em destaque na tela. Normalmente, elas aparecem como uma bola cinza clara no mapa, mas nem dão bônus.

No trajeto de uma cidade para outra, encontrei um cidadão que estava sofrendo, dizendo que havia sido picado por uma cobra. A complexidade da missão não chegou ao ponto de precisar ir criar um soro com o veneno da cobra, e uma medicina ou sugar o veneno da área picada já resolveria o problema. Momentos depois, o mesmo personagem me chama na cidade, aleatoriamente, e agradece por ter salvado sua vida, oferecendo-me qualquer item da loja que ele está sentado em frente. Nesse caso, para mim, foi uma loja de armas, mas já encontrei outro caso similar e no fim me levou para a loja de roupas.

Como eu disse anteriormente, algumas delas são apenas para narrativa, como o caso de brigas que você encontra na rua e pode apenas assistir sem receber nada em troca. Como não tomei partido num caso desses, não sei informar se era possível interferir e ganhar algum prêmio nesse tipo de missão. Mas só de acompanhar esses eventos já era gratificante, pois me fazia sentir visitando um mundo realmente vivo e em constante movimento.

O maior pistoleiro do Velho Oeste

Red Dead Redemption é um jogo imenso. Os mapas demoram muito tempo para serem percorridos, a variedade dos animais nos campos é gigantesca, a qualidade da inteligência artificial dos NPCs é surpreendente. Tudo teve sua evolução e isso é apenas uma fração das coisas que Red Dead Redemption 2 traz como melhorias, conceitos aprendidos tanto em seu antecessor como em GTA V, que até hoje recebe atenção da Rockstar e constantes atualizações.

Uma das novas evoluções que merece destaque é a mecânica do Red Eye. Ela é uma habilidade que faz com que tudo fique em câmera lenta, permitindo miras mais precisas nos oponentes ou até mesmo marcar os adversários para disparar tiros automáticos. Ela também é utilizada nos duelos entre os pistoleiros.

Diferente do primeiro game, em que era necessário preencher uma barra a cada ponto crítico marcado, essa é literalmente quem saca mais rápido. Você precisa segurar o botão de gatilho para encher a barra da mira, em seguida apertar novamente para sacar a arma e, por fim, apertar uma última vez para atirar. O tutorial não é bem explicativo, mas com o tempo você pega o jeito disso.

O importante é que em grande parte dos duelos você pode desarmar o oponente, atirando na mão que segura a arma. Mas isso não é sempre possível, já que algumas missões impedem esse acontecimento, sendo necessário matar seu inimigo.

Com todas essas variedades e imersão possíveis dentro de Red Dead Redemption 2, o game com certeza te prenderá por muitas horas de jogatina, isso apenas na versão single player. A prometida versão multiplayer online, que consta a informação no box com sessões de até 32 jogadores, ainda não está disponível, mas já abre nossas mentes para o que pode ser um dos maiores jogos multiplayer já feitos até hoje para consoles, superando até mesmo o GTA V.

Mas nem tudo é um mar de rosas, como disse, a atualização de Multiplayer ainda não existe no game, da mesma forma que fizeram com GTA V, o que deixa a gente ansioso para o que esta por vir. E, claro também, jogos grandes como esse possuem bugs, alguns deles podem atrapalhar levemente a jogatina. Durante a minha análise, encontrei alguns bugs do cavalo andando para o lado do nada durante as trotadas nos campos ou até mesmo Arthur sacando a arma sem necessidade e sem eu apertar o botão para isso. Isso me fez apontar a arma para pessoas inocentes sem que eu quisesse, já que não tinha percebido a arma sacada.

O game com certeza vai concorrer ao prêmio de jogo do ano junto com God of War e, definitivamente, é um jogo que receberá muitas atualizações no decorrer do tempo. Red Dead Redemption 2 ainda tem muitas cores para mostrar e muito charme para ser descoberto e, com toda certeza, vale a pena se aventurar nas planilhas do Velho Oeste para descobrir cada novidade que a Rockstar se deu o trabalho de nos entregar.

Cópia de Red Dead Redemption 2 cedida pela Ecogames.

Red Dead Redemption 2
9.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Nível absurdo de detalhes
  • Inteligência artificial
    espetacular
  • Controles fluidos
Contras
  • Alguns bugs
  • Falta do multiplayer
    (por enquanto)
Avaliação
Red Dead Redemption 2 é um game que precede a história do primeiro jogo, trazendo as aventuras do bando de Dutch do qual John Marston e Arthur Morgan fizeram parte. RDR2 apresenta um universo cheio de detalhes, trazendo o game bem próximo da realidade, o que com certeza fará você gastar horas e horas para descobrir cada ponto novo feito para esse jogo.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games7 horas atrás

Truck Driver | Jogo recebe primeiro trailer de gameplay

Game leva os jogadores ao mundo dos caminhoneiros oferecendo diversas missões e variados clientes

Games10 horas atrás

Far Cry: New Dawn | Ubisoft anuncia novo jogo da série

Novo título da série Far Cry coloca os jogadores em uma Hope County pós-apocalíptica para enfrentar o grupo Highwatman e...

Games2 dias atrás

Magic: The Gathering| Jogo está na CCXP 2018 com atividades e influencers

O MTG Arena, versão digital do game, também tem espaço com terminais de computador para o público jogar à vontade

Cinema2 dias atrás

Vingadores: Ultimato | Veja agora o primeiro trailer!

A espera acabou! Confira o primeiro trailer de Vingadores: Ultimato!

Games3 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Epic Games detalha o Passe de Batalha da Temporada 7

Prepare-se pra correr atrás da categoria 100 do Passe de Batalha novamente!

Games3 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Veja o que mudou com o Patch v7.00

Além de várias correções, mudanças e melhorias, novo patch adiciona um novo modo de jogo gratuito, o novo Passe de...

Últimas Notícias4 dias atrás

Triggerun | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo no Twitch, YouTube e Mixer

O bom e velho multiplayer online nunca cansa, não é mesmo? Basta ver exemplos como Fortnite, Overwatch e PUBG, que...

Games4 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Veja o terceiro teaser da Temporada 7

Terceiro e último teaser da Temporada 7 de Fortnite foi liberado agora pela Epic Games

Games4 dias atrás

Brazil Game Awards | Veja os indicados ao prêmio na edição 2018 da premiação

Veja todos os indicados da edição 2018 da Brazil Game Awards, premiação com juri brasileiro que elege os melhores jogos...

Games4 dias atrás

Fortnite | Jogo vai receber novo modo Criativo

Novo modo gratuito permitirá aos jogadores usar a criatividade para criar partidas e ilhas personalizadas

Games4 dias atrás

Mônica e a Guarda dos Coelhos | Jogo já está disponível para consoles e PC

A Turminha está de volta ao mundo dos games 24 anos depois de sua última aventura com Mônica e a...

Games4 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Veja as skins do Passe de Batalha da Temporada 7

Suposto vazamento pode ter revelado as primeiras skins do Passe de Batalha da Temporada 7 de Fortnite Battle Royale

Games5 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Veja o segundo teaser da Temporada 7

Segundo teaser da Temporada 7 de Fortnite Battle Royale mostra o que deve ser uma das novas skins do próximo...

Imagem: Cult of Mac Imagem: Cult of Mac
Games5 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Começa a nevar no jogo com a proximidade da Temporada 7

Com o lançamento da Temporada 7 de Fortnite Battle Royale chegando aí com a provável temática de inverno, finalmente começa...

Cinema5 dias atrás

CCXP 2018 | Turma da Mônica – Laços estará no evento

Filme live-action da Turma da Mônica terá programação especial na CCXP 2018

Em alta