Conecte-se conosco.

Cinema

Surpreendente, Deadpool 2 é cinema descontraído, divertido e cheio de ação

Entre erros e acertos, longa diverte e surpreende ao tomar rumos inesperados

Publicado

em

Deadpool 2, a continuação do aclamado filme que chegou as cinemas em 2016 com os dois pés nos peitos de nossas expectativas ao subverter o gênero de super-heróis com todo tipo de piadas e violência gratuita e explícita, chega aos cinemas esta semana. O filme, estrelado novamente por Ryan Reynolds, tem a missão de ser tudo o que a película anterior foi e ir além. Mas será que consegue?


Veja também:


Antes de começar a crítica, é preciso fazer aqui uma declaração: nunca fui realmente fã do Deadpool. Voltando uns bons 15 anos no tempo, lembro que quando mais jovem, na época da escola, lia avidamente as HQs da Marvel e discutia os arcos e edições com os amigos, meio que ignorava um pouco o mercenário falastrão. Lembro nitidamente de ranquear meus super-heróis favoritos com a galera e sempre — sempre mesmo — um dos únicos a bater o pé e dizer que “o Deadpool é que é foda” era o Luiz Felipe Piorotti, que também colabora aqui no PlayReplay.

Avançamos no tempo e agora é 2016. Wade Wilson chega aos cinemas, interpretado por Ryan Reynolds, em um filme que muda bastante alguns aspectos do personagem e seu folclore, mas ainda assim se mantém fiel à essência do que se entende por Deadpool.

Era mais do que evidente que o filme vinha para causar com sua classificação etária alta, que lhe rendeu o título de filme para maiores mais rentável da história do cinema e ainda ajudou a preparar o terreno para o violentíssimo (além de muito bom) Logan, que fechou com chave de ouro a saga do Wolverine de Hugh Jackman nos cinemas. Não digo que virei fã de carteirinha do Deadpool, mas o filme com certeza me divertiu bastante e deixou aquele gostinho de “quero mais.”

Cuidado! A partir daqui o texto contém spoilers!

Voltamos agora ao presente, e Deadpool 2 está aí. Desde o começo do filme é notável que a equipe de produção optou por apostar todas as fichas em repetir (e aprimorar) tudo o que deu certo no longa anterior, como todo tipo de piadas sexuais, escatológicas e tiradas quebrando a quarta parede, até porque o fator “novidade” (que foi sem dúvidas um dos maiores trunfos da estreia de Deadpool nos cinemas) já passou.

Somos apresentados a um Deadpool tristonho — mas sem perder o senso de humor — cometendo suicídio, e após sua “morte” o filme repete o esquema de “memória narrada” do longa anterior e acompanhamos Wade Wilson matando bandidos ao redor do planeta, mostrando o que o personagem fez entre uma trama e outra. A ação durante este trecho do filme beira a perfeição (palmas para o diretor David Leitch, de John Wick!), cheia de cenas rápidas e violentas repletas de desmembramentos e mortes e piadas e muito, mas muito sangue. E são os acontecimentos desta sequência que desencadeiam a trama de Deadpool 2.

Após um terrível infortúnio, Wade perde a vontade de viver (culminando na tentativa de suicídio) e acaba sendo socorrido por Colossus (Stefan Kapicic), que aqui ganha um papel mais relevante como bússola moral e verdadeiro amigo do mercenário falastrão em uma sequência que tem uma das melhores (e mais inesperadas) participações especiais do filme. A trama vai se desenrolando até que Deadpool topa entrar para os X-Men como trainee/estagiário ao lado de Colossus e Míssil Adolescente Megassônico (Brianna Hildebrand), e é aí que somos apresentados a Russell Collins (Julian Dennison), um jovem mutante que busca vingança contra o orfanato onde sofria constantes abusos.

A química entre Wade e Russell funciona muito bem, o que ajuda a comprar a ideia de que Deadpool faria de tudo para salvá-lo quando Cable vem do futuro para exterminar o rapaz. Segundo o coroa bombado, quando adulto, Russel é responsável pela morte da família do brucutu, interpretado por Josh Brolin — que parece tão confortável na pele do mutante viajante do tempo quanto estava como Thanos, no último Vingadores.

E a partir daí o filme engata em um ritmo frenético, parando apenas para respirar (e soltar uma piada ou quebrar a quarta parede, isso quando não faz tudo isso de uma vez), e nos deleita com sequências de ação, diálogos, interações e reviravoltas na trama que nos deixam ao mesmo tempo sentados na pontinha da cadeira, gargalhando e boquiabertos.

Um dos grandes destaques dos trailers, a equipe X-Force criada por Deadpool brilha na sequência mais interessante, divertida e inesperada de todo o filme. Vanisher (não pisque ou vai perder a ótima participação especial!), Shatterstar (Lewis Tan), Bedlam (Terry Crews, o eterno “pai do Chris”), Zeitgeist (Bill Skarsgaard, o palhaço de It- A Coisa), Peter (Rob Delaney, simplesmente o melhor!) e Domino (Zazie Beetz, que mostrou que apesar de todas as críticas negativas dominou o papel) extrapolaram o surpreendente e provaram que a Fox fez a lição de casa na hora de conseguir manter os segredos guardados a sete chaves.

Deadpool 2 acerta em cheio em nos presentear com o inesperado, tomando rumos completamente diferentes do que esperávamos, mas peca (e muito) no uso da computação gráfica. Quando personagens feitos em CG aparecem na tela, fica mais do que evidente que são gerados por computação gráfica. Basta comparar o Colossus do primeiro filme com o desta nova película para perceber que a qualidade dos efeitos especiais caiu consideravelmente. Quando o último vilão do filme aparece, então, aí sim é que a coisa fica realmente feia.

Por falar em vilão, Deadpool 2 sofre ao mesmo tempo com o excesso e com a falta de vilões. Pois é, eu explico. O filme tem 3 vilões principais: o primeiro surge na sequência de introdução, mas é descartado logo em seguida; o segundo, Cable, vira a vida de Deadpool de cabeça pra baixo mas logo se torna um aliado; enquanto o terceiro e último surge de maneira extremamente inesperada mas não tem qualquer peso ou importância para a trama. Em momento algum em Deadpool 2 há um senso de urgência ou de real perigo, o que atrapalha um pouco a experiência.

Em alguns momentos o filme também parece não saber aonde quer chegar, e de certa forma transformar Deadpool em alguém tão emocional em uma trama de alma amargurada em busca de redenção não combinou tanto com o personagem que Ryan Reynolds nos agraciou em 2016. Foi até mesmo por isso que foi impossível conter a risada quando o próprio Deadpool aponta que o roteiro do filme é preguiçoso.

Mas nada disso torna a experiência de Deadpool 2 ruim. Muito pelo contrário, a continuação honra o legado do filme anterior e se prova um filme imperdível. Depois do trauma de Vingadores: Guerra Infinita, nada melhor do que gargalhar no cinema em uma aventura descontraída, divertida e cheia de ação.

A sacada de aproveitar ambientações como a Mansão X e utilizar músicas famosas que realmente funcionam no contexto da trama ajudam Deadpool 2 a segurar a atenção do espectador, que fica atento a todo instante tanto pra pegar as referências e rir das piadas quanto para saber o que vai rolar na cena seguinte. 

Ah, e não saia do cinema quando subirem os créditos! Deadpool 2 tem as melhores cenas “pós-créditos” (no caso, no meio dos créditos) que já vi em um filme de super-heróis, tirando sarro e “corrigindo erros” do passado. Simplesmente genial! Resta saber o que será da franquia, agora que a Marvel detém os direitos do personagem e dos X-Men — e é provavelmente por isso que o longa termina sem deixar tantos ganchos para uma possível sequência.

Mesmo com alguns defeitos bastante evidentes, Deadpool 2 definitivamente merece ser assistido no cinema. Só tome cuidado para não engasgar quando rir enquanto come sua pipoca!

Deadpool 2
8 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ação na medida certa
  • Ótimas participações
    especiais
  • Reviravoltas na trama
  • Cenas "pós-créditos" geniais
Contras
  • Computação gráfica
  • Deadpool de coração mole
  • Não passa sensação
    de perigo
  • Trama meio preguiçosa
Avaliação
Entre erros e acertos, Deadpool 2 oferece uma aventura surpreendente emocional, cheia de reviravoltas e, é claro, violenta e divertida, que merece ser assistida na tela do cinema.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Gosta de cachorros, pizza e pipoca. Já foi fanboy da Nintendo e da Sony, mas hoje joga qualquer coisa. Já colaborou em sites e revistas como GameBlast, Nintendo World, Herói e Portal Pop, mas hoje se dedica exclusivamente ao PlayReplay.

Comentários

Cinema

Aquaman | Primeiro pôster do longa é revelado

Até que essa arte dá um caldo

Publicado

em

Acabou o suspense: hoje a Warner Bros. liberou o primeiro pôster de Aquaman, filme protagonizado por Jason Momoa. Confira:

Pôster Aquaman

Pôster Aquaman

Completam o elenco Amber HeardWillem DafoeNicole KidmanYahya Abdul-Mateen II.

Com direção de James Wan e roteiro de Will Beall, o filme estreia por aqui em 13 de dezembro.

Compartilhe

Continue lendo

Cinema

Uncharted | Nathan Fillion é Nathan Drake neste fenomenal fan film

Alô, Sony, taí o Nathan Drake que merecemos!

Publicado

em

O ator canadense Nathan Fillion já havia dado indícios sobre seu envolvimento em um projeto ligado à série Uncharted, mas só agora finalmente pudemos saber do que realmente se tratava. E não, infelizmente não é nada oficial. Infelizmente mesmo, vai por mim…

Sem mais delongas, assista ao recentemente liberado (e completamente sensacional) fan film estrelado por Nathan Fillion — que, convenhamos, é praticamente um Nathan Drake da vida real.

Olha isso, cara!! Essa galera conseguiu pegar a essência de Uncharted com boa ação, diálogos divertidos e sacadas utilizando acontecimentos históricos reais… e ainda conseguiram adicionar uma câmera simulando o visual dos jogos de maneira natural e sem ficar esquisito! Na boa, não sei você mas eu assistiria isso aí nas telonas feliz da vida. Será que rola um efeito Ryan Reynolds/Deadpool e acabam usando esse curta como molde para a adaptação para os cinemas?

Anunciado láaaa em 2009 (quando já estava em produção havia mais deu um ano), o filme oficial de Uncharted parece preso no limbo das produções cinematográficas. Um monte de gente já entrou e já saiu do projeto que, segundo Neil Druckmann, Diretor Criativo na Naughty Dog, ainda está sendo discutido nos bastidores. Durante o DICE Summit 2018 em fevereiro deste ano, Druckmann comentou que “não estamos mais interessados em uma adaptação direta da história que contamos [nos jogos] porque sentimos que já contamos essa história muito bem, cinematicamente.”

O executivo da Naughty Dog ainda comentou que o diretor Shawn Levy, que também é produtor do monstruoso sucesso Stranger Things, gostaria de contar “uma história diferente das quatro aventuras principais [dos jogos], com um Nathan Drake potencialmente mais jovem,” sendo este jovem Drake interpretado por Tom Holland, o atual Homem-Aranha do universo cinematográfico da Marvel.

Nada contra o jovem Holland (de quem sou fã de carteirinha), mas não comprei a ideia de fazer um James Bond Jr. do Drake. Se é pra ter um filme adaptando Uncharted para as telonas, que tenhamos um Nathan Drake fiel aos games — e Nathan Fillion é sem dúvidas uma das melhores escolhas para o papel.

Se você não sabe de quem se trata (shame on you!), Nathan Fillion é bastante famoso por estrelar séries como Firefly e Castle, ser a voz do Lanterna Verde em diversos filmes animados da DC Comics, além de vários outros projetos muito populares.

Enfim, mais de 10 anos depois de entrar em produção, o filme de Uncharted segue sem data de lançamento. Será que um dia sai do papel?

Compartilhe

Continue lendo

Cinema

Uncharted | Nathan Fillion posta sobre Nathan Drake no Instagram. Hmm!

Filme de Uncharted ainda não tem data de estreia

Publicado

em

Não é segredo que a série de jogos Uncharted vai virar uma franquia cinematográfica, mas o projeto continua envolto em mistério.

O ator Nathan Fillion (Firefly) botou um pouco mais de lenha nessa fogueira ao usar seu Instagram nos dias 11 e 12 de julho com postagens bem sugestivas. Confira:

 

Sic Parvis Magna. 7/16/18

Uma publicação compartilhada por Nathan Fillion (@nathanfillion) em

Sic Parvis Magna, como sabemos, é o lema de Drake nos jogos, e significa “Grandeza em pequenos começos”.

 

7/16/18

Uma publicação compartilhada por Nathan Fillion (@nathanfillion) em

Enquanto Nathan Fillion não é confirmado como protagonista do longa, sabemos que a direção será de Shawn Levy (Gigantes de Aço), e que a produção será de Charles RovenAvi Arad, Alex Gartner e Ari Arad.

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Cinema8 horas atrás

Aquaman | Primeiro pôster do longa é revelado

Até que essa arte dá um caldo

Games10 horas atrás

Tales of Berseria | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo no Twitch

Mais um dia agitado e nada melhor do que uma jogatina pra relaxar, não é mesmo? Venha conferir Vargolino se...

Games11 horas atrás

Battlefield 5 | Beta será iniciado em setembro

Segundo a DICE, todo o feedback dado durante os testes Alpha será levado em consideração.

Cinema12 horas atrás

Uncharted | Nathan Fillion é Nathan Drake neste fenomenal fan film

Alô, Sony, taí o Nathan Drake que merecemos!

Anime13 horas atrás

Darling in the Franxx | Zero Two ganha Nendoroid

"Daaaaaaa-rin!"

Séries14 horas atrás

Stranger Things | Terceira temporada ganha primeiro teaser

Personagem de Maya Hawke estreia em divertido trailer

Anime15 horas atrás

My Hero Academia | Jim Lee mostra sua versão do All Might

PLUS ULTRA!

Séries16 horas atrás

South Park | Temporada 22 estreia em setembro

Mais uma chance para você verificar os seus privilégios

Música3 dias atrás

Norah Jones | Novo single It Was You é lançado

Cantora não lança disco de inéditas desde 2016

Música3 dias atrás

Spotify | Serviço revela as bandas de rock mais ouvidas no mundo e no Brasil

Será que sua favorita entrou na lista?

Cinema3 dias atrás

Uncharted | Nathan Fillion posta sobre Nathan Drake no Instagram. Hmm!

Filme de Uncharted ainda não tem data de estreia

Games3 dias atrás

Ao vivo | Assista à equipe do PlayReplay jogando Fortnite

Vargolino, Luciana, Rodrigo e Thomas estarão ao vivo no canal do PlayReplay no Twitch

Música3 dias atrás

Ariana Grande | Saiu o novo clipe: God Is a Woman

Clipe divulga o novo disco Sweetener

Anime3 dias atrás

Domestic Kanojo | Adaptação para anime é confirmada

Ainda não há data de estreia marcada

Games4 dias atrás

Hacknet | Jogo está de graça no Steam

Você tem até amanhã para pegar sua cópia gratuita no PC.

Em alta