Conecte-se conosco.

Críticas

Cuphead é um golão de diversão!

Publicado

em

Cuphead foi um dos jogos indie mais aguardados de todos os tempos. As versões para PC (download via steam) e Xbox One passaram por inúmeros adiamentos que só serviram para aumentar ainda mais a expectativa para ver como seria o primeiro game do Studio MDHR. Felizmente, a espera valeu cada segundo!

Veja também:

Não sei vocês, mas eu, uma criança dos anos 1980, sempre tive uma mistura de medo e curiosidade pelos desenhos animados da década de 30. Volta e meia alguma relíquia dessa geração passava no Cartoon Network, e eu assistia intrigado ao modo como os personagens se moviam de forma tão diferente. Até o tom era bem distinto dos otimistas desenhos que eu seguia, como Thundercats e Tartarugas Ninjas.

Não sou um estudioso da história da animação, mas sei que Cuphead consegue me causar o mesmo sentimento que eu tinha ao ver esses desenhos antigos, tanto no design de seus personagens como nas temáticas que aborda, tudo bem dark e macabro, num interessante contraste com o sorriso pueril de seus protagonistas.

No episódio de hoje…

Bem, tudo começou quando Cuphead e seu compadre Mugman, que gostam de rolar os dados, por acaso esbarraram com um jogo dos diabos e, nossa, eles pagaram o preço por isso! Agora, a única forma de resgatar suas pobres almas é cumprindo contratos para o tinhoso. Contratos estes que consistem em derrubar chefões cabulosos em batalhas super intensas, sob medida para quem é fera em videogames. E põe fera nisso!

Embora não figure necessariamente entre os jogos mais difíceis já feitos, Cuphead pode intimidar o pessoal mais leite com pêra graças à sua falta de checkpoints e segmentos extensos que exigem reflexos apurados. Inicialmente o jogo seria focado justamente nesses embates contra bosses, mas durante o ciclo de desenvolvimento, foram incluídas também fases no estilo Run and Gun, como popularizadas pelos clássicos do Super Nintendo e Mega Drive.

Legado do passado

É justamente de títulos como Contra e Mega Man que Cuphead parece tirar mais inspiração para o seu nível de desafio. Em muitos sentidos, o jogo está muito mais para Contra III The Alien Wars do que para, digamos, Battletoads, um dos títulos mais brutais do NES.

Afinal, na maioria do tempo Cuphead é um jogo extremamente justo, focado no aprendizado, tentativa, erro, e memorização de padrões. 99% das mortes serão culpa do jogador, e as 1% que acontecem por algum pequeno bug ou desbalanceamento não chegam perto de estragar a experiência.

O desbalanceamento, inclusive, parece fruto da ousadia dos desenvolvedores do que qualquer outra coisa. Ao incluir diversas fases e padrões nos chefes, nem sempre você vai se deparar com a combinação mais amigável. Para piorar, volta e nunca você ainda pode cair em situações em que os elementos se combinam de tal forma que fica impossível não aceitar levar um dano, o que é punição exagerada demais.

No entanto, isso é apenas um pequeno e raro problema. Ao longo de toda a sua campanha, Cuphead se aproxima dos jogos do passado muito mais pelo seu alto nível de diversão e fator replay que ele proporciona do que pela frustração com a dificuldade.

Pode apostar!

Se você tem dúvidas sobre Cuphead valer ou não o seu investimento, pode descer do muro; caso você seja um admirador dos antigos jogos de plataforma, e de suas lendárias lutas contra chefões, não há jogo indie mais bacana para comprar. Provavelmente eu vou lembrar com alegria de suas batalhas por anos a fio!

E você ainda tem duas opções para calibrar a diversão a seu gosto: dá para jogar cooperativamente com um amigo, ou optar por um modo de dificuldade menos exigente. A pegadinha é que na dificuldade mais simples, você não vai conseguir ver todas as formas dos chefes e, com isso, perder parte do belo conteúdo do game. Ou seja, você tem que GIT GUD para apreciar Cuphead em sua plenitude.

O esforço, no entanto, é mais do que recompensado com personagens brilhantes, trilha sonora absolutamente incrível, e um belo sistema de pontuação que o estimula a revisitar os níveis de novo e de novo em busca da diversão. Então, vamos todos fazer um brinde à Cuphead! Venha e sirva-se também de um belo copo de nostalgia, inovação e diversão muito bem equilibradas!

Cuphead – Nota: 5/5

Produtora: Studio MDHR
Plataformas: PC, Xbox One
Plataforma utilizada na análise: PC
Produto cedido para análise: Não
Gamertag do jornalista

Compartilhe

Formado na arte de reclamar, odeia a internet. Ainda assim, sua hipocrisia sem limites o permite administrar a página no Facebook, plataforma de divulgação do seu primeiro livro. Você também pode seguí-lo em @thomshoes no Twitter, mas provavelmente é uma má ideia...

Comentários

Anime

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance: Um Teto Não Familiar

Mudanças e nostalgia se misturam em um longa digno do legado de Eva

Publicado

em

Após “rebootar” a franquia Evangelion de forma bem segura em Rebuild of Evangelion: 1.0 You Are (Not) Alone) — confira nosso review do filme clicando aqui —, Hideki Anno aproveitou o segundo longa, Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance (ヱヴァンゲリヲン新劇場版: 破 ), para fazer o que faz de melhor: surpreender os fãs do anime!


Veja também:


Como explicado na análise do filme anterior, o primeiro filme da linha Rebuild serviu para reapresentar ao mundo os conceitos, temas e personagens da série original de anime e mangá. De forma bem segura (talvez até segura demais), o longa passeia pelos eventos dos seis primeiros episódios da série sem maiores alterações, fora meia dúzia de acréscimos ou releituras.

Já no segundo filme, lançado em 2009, as coisas ficam um pouco mais complicadas: ao invés de se limitar a filmar passo a passo o anime com a maior fidelidade possível, desta vez praticamente tudo foi ou reimaginado totalmente, ou recontado de uma forma que apenas lembra de leve a série original.

Temos anjos novos, mais mudanças em sua numeração, e até uma nova piloto misteriosa de Eva, a Mari Illustrious Makinami, a Quarta Criança! Só isso já seria o bastante para provar que a linha Rebuild estava mais do que disposta a sair da zona de conforto, mas as mudanças não pararam por aí.

Kaji, por exemplo, tem um papel bem reduzido em relação ao anime original, e praticamente toda a paixão platônica que Asuka sentia por ele é totalmente ignorada desta vez. A própria Asuka parece um pouco menos arisca, chegando ao ponto de cozinhar para o Shinji em casa! Isso, claro, só depois de brigar com a Rei na famosa cena do elevador, que também tem um desfecho diferente por aqui. Compare:

Longe de ser uma aberração, mudanças assim viraram regra: em quase todas as ocasiões em que voltamos a uma cena bem conhecida, há um detalhe diferente em tela, ou mesmo uma radical alteração do material original. Como o próprio Shinji sentiu na pele, é quase como acordar em uma nova cama e vislumbrar um teto não familiar!

Isso só aumenta a força das teorias de que o primeiro filme dos Rebuild era apenas uma grande pegadinha: você começa a ver a nova série achando que vai ser tudo igual ao que conhecia mas, bem quando se acostuma com a ideia, Anno e sua equipe chegam e puxam seu tapete violentamente!

Isso se provaria uma ideia ainda mais controversa no filme seguinte (linkaremos o seu review aqui posteriormente para sua conveniência) mas, ao menos até a parte 2.0, a maioria dos fãs ainda estava a bordo das atualizações e mudanças, dado que o rumo da história ainda parecia razoavelmente próximo ao material original. Só que, particularmente, quanto mais o segundo Rebuild se distanciava da fonte original, mais eu gostava. Afinal, a série clássica sempre vai estar lá disponível para a gente, do jeitinho que foi feita, para toda a eternidade! Se é para fazer filmes novos, eu quero mais é me deparar com novidades!

Adorei, por exemplo, a grande mudança na luta contra o Anjo Bardiel (antes 13º anjo, e agora o 9º): desta vez é Asuka quem fica presa dentro do Eva possuído! Eu amo o arco original, mas confesso que essa nova versão da luta me deixou mais nervoso e angustiado, até mesmo pela sacada brilhante da direção, que colocou uma música bem fofinha durante as partes mais brutais do combate, causando aquela inquietação esperta, do jeito que só um bom Eva sabe fazer!

Aliás, mais uma vez a trilha sonora merece todo o destaque e elogios! Shiro Sagisu novamente conseguiu misturar temas clássicos de nova roupagem com ótimas músicas inéditas, em um trabalho fenomenal. A animação também continuou evoluindo e oferece o melhor que estava disponível lá em 2009, misturando ótimo traço 2D com cenas em 3D por computador, que acabou envelhecendo surpreendentemente bem.

Diferente do primeiro Rebuild, que me deu um pouco de sono pelo seu foco excessivo em ação e na reciclagem de material antigo, o segundo Rebuild me deixou o tempo todo na ponta da cadeira, ansioso e empolgado por rever meus personagens queridos, e descobrir quais mudanças os aguardavam. Felizmente, ele é bem melhor sucedido em sua missão de recriar a comédia, ação, e até o “suspense e sedução” (como dizia o anúncio da saudosa Locomotion) da série original!

Claro que ainda há alguns problemas de ritmo e estrutura, e a própria Mari é quem melhor sintetiza isso, já que, depois da sua sólida apresentação, ela fica muito tempo sumida de tela. Sua reaparição não clica tão bem quanto deveria com o resto da trama, e acaba parecendo um pouco forçada — embora Mari até tenha um bom payoff de ação, ao assumir o Eva-02 para uma luta empolgante.

Entre os três filmes lançados até agora, Rebuild of Evangelion 2.0 é provavelmente o que vai agradar ao maior número de fãs das antigas, porque ele não tem tantas polêmicas, e a maioria de suas mudanças acertam em cheio o alvo, recriando um sentimento bastante familiar, mesmo com tanta coisa diferente ao seu redor.

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance
9 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • MINHA ASUKA VOLTOU <3
  • Músicas incríveis
  • Ação voltou a ser
    inquietante
Contras
  • Puristas podem se irritar
  • Ritmo
    inconstante
  • Mari podia ser melhor explorada
Avaliação
Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance é um grande aprimoramento em relação ao primeiro Rebuild. Já ajuda bastante que ele não se limite a refilmar o passado, como fez seu antecessor. Misturar nostalgia com frequente inovação deixa os velhos fãs curiosos na maior parte do tempo, mas nem toda novidade funciona igualmente bem: Mari é legal, mas seu arco todo parece um pouco forçado. O bom uso da música, suspense e inquietação tornam esse filme um legítimo Eva!
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Crawl | Escape das masmorras neste excelente multiplayer assimétrico

Enquanto você controla o herói, os seus amigos ficam no controle dos monstros ao seu redor.

Publicado

em

Existem quatro coisas sobre o Switch que não se pode negar: ele é um excelente lugar para jogos indies, ele foi feito para jogatinas rápidas, pixel art é linda na sua tela em modo portátil e ele é uma excelente plataforma para multiplayer local.

Muitos jogos atuais possuem essas características, mas elas são ainda mais evidentes em Crawl.

Originalmente lançado em 2014 na Steam, Crawl, como talvez você possa advinhar, trata-se de um dungeon crawler com elementos procedurais. A diferença aqui é que tanto os exploradores quanto os monstros da masmorra são controlados por jogadores (ou pelo computador, caso esteja jogando solo).

Empurrando a estética de uma maquina de fliperama desde sua tela inicial, Crawl opta por jogatinas rápidas e repetidas. A ideia aqui é que quatro jogadores competem para sair da tal masmorrana qual se encontram – mas somente um poderá sair de lá vivo.

Após o primeiro embate entre os jogadores – para definir o primeiro sobrevivente, cabe aos jogadores mortos assumirem o papel de fantasmas que podem incorporar objetos e armadilhas ou invocar monstros em círculos de magias arcanas para tentar derrotar o jogador humano. Quem acertar o golpe fatal recupera sua humanidade enquanto o recém-falecido assume a forma de fantasma.

Mas para escapar dessa masmorra não basta estar vivo. Você terá que coletar experiência o suficiente, chegar ao nível 10 e enfrentar um chefe gigante que também tem cada uma de suas três partes controladas pelos outros na partida.

Ainda assim, ficar no mundo dos vivos nem sempre é uma boa ideia, já que é na forma de fantasma, causando dano ao jogador vivo, que se adquire ouro para comprar melhores armas e habilidades – o que lhe oferecerá melhores chances de derrotar o chefão.

Alternar entre fantasma, humano e monstros é simples pelo fato do jogo manter o mesmo esquema de controle independentemente da entidade sendo controlada. “A” é seu ataque simples, “B” seu especial (que pode ser um ataque, invocação ou desvio de golpe) e o direcional lhe move.

A cada andar da masmorra o jogo balança os jogadores ao distribuir pontos que permitem tornar mais fortes os montros invocados através de uma árvore de upgrades. O balanceamento se dá através da distribuição dos pontos ser proporcional aos níveis adquiridos por seus rivais.

Desta forma, quem está em último recebe mais pontos para ter monstros mais fortes e, ultimamente, mais chances de derrotar o humano no próximo andar.

Um dos aspectos mais bacanas de Crawl é que existe uma certa progressão, apesar da abordagem arcade do jogo. Ao chegar em níveis mais profundos da masmorra, novos itens e monstros são desbloqueados para serem comprados e invocados, respectivamente. Com eles, novos desafios para um jogador são destravados.

Por todos os jogadores sempre estarem no mesmo cômodo da masmorra, Crawl também é uma excelete opção para se jogar em modo portátil com outros amigos, já que os pixels e cores primarias contra os cenários de tons terrosos são fáceis de se distinguir.

Com uma leve pegada Lovecraftiana em seu design e história (que até no multiplayer permite que “todos percam”), Crawl consegue intrigar e prender a atenção do jogador facilmente.

Também vale mencionar sua excelente direção artística em pixel art, que conta com uma paleta de cores limitada e com pixels relativamente grandes, mas que ganham vida através de animações detalhadíssimas.

Uma trilha sonora em chiptune empolgante e viciante eleva tudo a um outro nível, fazendo deste um excelente jogo para rápidas doses single-player ou horas de diversão e gritaria com amigos.

Crawl - Switch
9 Nota
10 Leitores (1 Nota)
Prós
  • Excelente direção artística
  • Ótimo como single e multiplayer
Contras
  • Alguns Easter Eggs foram retirados
Avaliação
Além de um estilo artístico incrível e uma ótima trilha sonora, Crawl oferece um tipo de conteúdo que funciona muito bem no single player e no modo cooperativo.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

The Sexy Brutale | Reviver assassinatos nunca foi tão divertido

Reviva a mesma noite nesse adorável cassino enquanto tenta evitar assassinatos sem ser visto.

Publicado

em

Controlar o tempo já deixou de ser novidade nos jogos há muito tempo, seja controlando areias em jogos de ação como Prince of Persia, ou nos puzzles e pulos de Braid.

Mesmo que essa mecânica não seja nova, poucos jogos se dispõem a explorar a ideia de looping temporal; de reviver o mesmo dia várias vezes tal qual o filme Feitiço do Tempo, com Bill Murray.

Isto é, até The Sexy Brutale, que acaba sendo uma versão simultaneamente mais fofa e sinistra do famoso longa-metragem.

Acordando confuso na mansão do excêntrico Lucas Bondes, o jogador assume o comando de Lafcadio Boone, um dos diversos convidados de Lucas para um espetáculo que rapidamente se torna um show de horrores quando os funcionários da mansão decidem assassinar os seus hóspedes.   Para piorar a situação, Lafcadio está condenado a reviver as doze horas nas quais esse assassinatos ocorrem – até que ele consiga desvendar o que fomentou tais homicídios e salvar todos os convidados.

O que torna o jogo interessante é o fato de que Lafcadio não pode se comunicar – ou sequer estar no mesmo cômodo – que os demais residentes e funcionários, cabendo ao jogador espiar através de fechaduras e interagir com os objetos quando não há ninguem olhando.

É necessário descobrir o trajeto tanto da vítima quanto dos assassinos para entender como a morte ocorre e então revertê-la. É quase impossível salvar alguém de primeira, sendo necessassário coletar informações ou itens e, ao badalar da meia noite ou ao simples clique de um botão, reverter o horário até meio dia e prosseguir, com as novas informações em mãos, mais um passo rumo a impedir o assassinato.

Por mais que a ideia seja bem executada, infelizmente ela nunca atinge seu potencial. Os enigmas são claros o suficente para que não haja a confusão que ocorria nos jogos de aventura de antigamente, mas não complexos o bastante para que realmente desafie o jogador, exigindo apenas um ou três passos para que uma morte seja evitada.

Além disso, embora o estúdio Tequila Works se esforce para extender a longevidade do título com colecionáveis espalhados na mansão, em apenas poucas horas a história se acaba sem uma real sensação de aumento de dificuldade.

Infelizmente os mesmos problemas de lag, carregamento e travadas que permeavam RIME, o ultimo port da empresa pro Switch, também se apresentam aqui, ainda que de forma mais sutil.

Mas entre travamentos e enigmas fáceis, Sexy Brutale é uma experiencia única e divertidíssima de se jogar. Ele conta com uma direção artística excelente, uma mansão isométrica igualmente caricata e macabra (com bons tons de Luigi’s Mansion), uma história com reviroltas interessantes e tocantes e uma trilha sonora fenomenal.

The Sexy Brutale pode até não ser o mais complexo puzzle game do ano, mas certamente é um que fãs do gênero não podem deixar de experimentar.

The Sexy Brutale - Switch
7.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ótima trilha sonora
  • Reviravoltas interessantes
  • Boa direção artística
Contras
  • Puzzles são muito simples
  • Problemas de performance
Avaliação
The Sexy Brutale pode não ser muito complexo, mas vale a pena para os fãs de games de puzzle.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games5 horas atrás

Detroit: Become Human | Jogo receberá demo no PS4

A demo contará com a primeira missão do novo jogo da Quantic Dream.

Games6 horas atrás

Night Trap | Jogo será lançado no Nintendo Switch

O jogo que causou tantas controvérsias nos anos 1990 finalmente será disponibilizado em um console da Nintendo.

Playerunknown's Battlegrounds Playerunknown's Battlegrounds
Games7 horas atrás

PUBG | Segundo mapa será testado esta semana no Xbox One

Os jogadores de PlayerUnknown's Battlegrounds finalmente poderão jogar no mapa Miramar.

Música8 horas atrás

Franz Ferdinand | Glimpse of Love recebe clipe oficial

É o novo single do disco Always Ascending

xbox xbox
Games9 horas atrás

Xbox Live Gold | Jogos gratuitos de maio são revelados

A Microsoft revelou os jogos gratuitos da Xbox Live Gold mais cedo do que o esperado.

Música10 horas atrás

Tears for Fears | Banda trabalha em seu primeiro disco de inéditas em 14 anos

Finalmente conheceremos a sequência de Everybody Loves a Happy Ending

Games11 horas atrás

Fire Emblem Heroes | Novos personagens são adicionados ao jogo

O update também trará um capítulo inédito para a campanha principal do game.

Música12 horas atrás

The Killers | Discografia da banda é relançada em box de vinil

Box já está em pré-venda no site oficial da banda

Música13 horas atrás

Avril Lavigne | Cantora anuncia disco de inéditas para 2018

É o primeiro disco de inéditas desde 2013

Games14 horas atrás

Darwin Project | Jogo se torna free-to-play no Steam

A partir de hoje, será possível jogar o novo Battle Royale totalmente de graça.

Games15 horas atrás

NBA Playgrounds | Sequência deve ser lançada este ano

A Saber Interactive garantiu que o jogo chega ao PC e consoles até o meio deste ano.

Literatura16 horas atrás

Os Estranhos | Universal Pictures consegue os direitos do livro de Stephen King

James Wan será o produtor e possível diretor do filme

Anime17 horas atrás

Darling in the Franxx | Episódio 16 só irá ao ar no dia 5 de maio

Antes disso teremos um episódio de recapitulação

Séries1 dia atrás

Westworld | HBO libera novo trailer da segunda temporada

Novo ano estreia neste domingo, dia 22

Games1 dia atrás

Wonderful 101 | Platinum Games quer trazer o jogo para o Switch

Apesar de nada estar confirmado, o estúdio está negociando o port do game com a Nintendo.

Em alta