Conecte-se conosco.

Críticas

Como recuperar arquivos deletados usando o EaseUS Software, a ferramenta essencial para todo PC Gamer

Testamos ferramenta que promete, sem complicações, recuperar arquivos deletados ou perdidos no seu computador

Publicado

em

Quando você pensa em começar a sua jornada no mundo dos games no computador, as primeiras preocupações são quais peças são necessárias para jogar um game recém-lançado e quanto custa pra ter o PC dos sonhos. É uma tarefa árdua e que pesa no bolso, mas que, com toda certeza, compensa o investimento. Afinal, a próxima vez que você vai precisar trocar essas peças será em questão de anos.

O problema é que muita gente acaba esquecendo dos possíveis problemas que podem acontecer depois de já estar envolvido nesse mundo, como a perda dos arquivos, saves ou aquele bendito .dll que some do nada, sem nem dar tchau! Algumas das vezes, é possível recuperar o arquivo procurando pela internet (mas com chances de acabar infectado com um vírus de computador), baixando o jogo de novo ou copiando o arquivo de um amigo. Mesmo assim, saves são arquivos que, se perdidos, não tem mais volta… ou será que tem?

Recupere seus arquivos sem preocupação

A ferramenta EaseUS Software tem justamente essa função: recuperar os arquivos perdidos e deletados do seu computador. Ou seja, nada mais de esquecer de fazer o backup dos saves dos seus jogos favoritos durante uma formatação ou até mesmo ao deletar o game, a EaseUS é o programa para recuperar facilmente esse arquivo de maneira simples e prática, e o melhor, não precisa nem de guia para entender o funcionamento dela.

Assim que você baixar o programa, você se depara com a tela que mostra os diretórios do seu computador (no meu caso, o diretório C, o F e o disco local como visto na imagem). Caso você mantenha os seus arquivos organizados, basta selecionar a pasta que deseja para recuperar, o processo é bem mais rápido do que buscar o diretório inteiro. Ou, caso você queira recuperar múltiplos arquivos, compensa mais realizar a busca no diretório completo e depois ir selecionando os arquivos que deseja.

Simples, prático e rápido

Como eu já disse antes, não é necessário realizar um tutorial para aprender a utilizar a ferramenta, ela é bem intuitiva. Para melhorar a situação, assim que é realizada a busca, o software mostra os resultados de forma organizada, colocando seus arquivos em pastas conforme você havia organizado anteriormente (é muito importante manter seus arquivos organizados!), dessa forma, caso esteja procurando arquivos específicos, a localização deles fica mamão com açúcar!

O primeiro grande teste que fiz foi trazer todos os arquivos do diretório F, onde eu normalmente salvo os meus jogos. Como muitos arquivos de lá são pesados, o processo completo levou em torno de 5 horas para ser finalizado, e foi em torno de 500GB analisados.

Confesso que, mesmo com meu computador montado em menos de 1 ano, fiquei impressionado com a forma com que os resultados foram apresentados, tudo organizado e fácil de identificar cada arquivo. Uma pena que ainda não existe a possibilidade de pré-visualizar arquivos de imagem antes, é preciso recuperá-la para poder ver se é o arquivo desejado.

E quanto custa?

Por incrível que pareça, a EaseUS Software permite que você baixe uma versão gratuita do programa. É claro que há algumas limitações dessa versão, uma delas sendo a possibilidade de recuperar um arquivo por vez ao invés de fazer em lotes. Mesmo assim, já é o suficiente para fazer a recuperação do seu HD, caso alguns arquivos tenham se perdido em seu computador. Mas caso queira a versão EaseUS Data Recovery Wizard Professional, recomendamos para quem tem muitos arquivos a serem recuperados.

Claro que existe a possibilidade de fazer um teste gratuito da versão paga, que vem com 100% da funcionalidade da ferramenta, te dando total liberdade de verificar cada detalhe antes da aquisição do produto. Isso mostra que a empresa quer garantir que EaseUS Software seja exatamente o que você precisa e que se familiarize com ela durante esse período. O valor do plano mais barato está próximo de US$ 70,00, que deve ser pago uma vez para a licença do programa.

Vale a pena?

Como todos sabem, não temos como prever quando algum arquivo pode ser perdido durante toda a vida de um computador, então é sempre bom você ter algum jeito de recuperar seus arquivos perdidos para que não seja jogado fora suas 200 horas de gameplay de Monster Hunter: World, por exemplo!

Vale a pena lembrar também que EaseUS Software também funciona para Mac, Android e iOS, ou seja, qualquer uma dessas plataformas também podem passar por perdas de arquivos durante o processo de vida e esse serviço com certeza vai garantir que você não se desespere nesses momentos, podendo confiar 100% nela!

Compartilhe

Designer, pós graduado em Gestão da Informação e Business Intelligence, amante da música e pianista, é gamer desde os 4 anos de idade e seu maior sonho sempre foi trabalhar com videogames. Fez parte do portal GameBlast, mas hoje se dedica exclusivamente ao PlayReplay.

Comentários

Anime

The Promised Neverland entrega tudo que prometeu

Um dos melhores animes de 2019

Publicado

em

The Promised Neverland (約束のネバーランド) era uma das estreias mais aguardadas de anime neste começo de 2019. A adaptação do mangá de Kaiu Shirai já tem todos os episódios da primeira temporada disponíveis para streaming na Crunchyroll nacional com legendas em português, então corra lá para ver, e confira abaixo a nossa crítica completa sobre os primeiros 12 episódios de Yakusoku no Neverland!


Veja também:


O vídeo de review acima foi postado no nosso canal parceiro Aquele Cara

Era uma casa, muito engraçada…

O estúdio Cloverworks não poupou despesas e investiu um bom tempo e orçamento para garantir que cada episódio de The Promised Neverland atenda às expectativas dos fãs da série. Desde o primeiro minuto do primeiro episódio, é evidente que o anime largou com toda a banca de brigar pelo posto de melhor anime do ano, com ótima arte, trilha sonora e acabamento. Como falamos em nossas primeiras impressões da temporada, o primeiro episódio já faz um ótimo trabalho ao apresentar o clima de tensão e suspense da casa onde moram as crianças.

Se você não sabe nada sobre The Promised Neverland, aliás, eu recomendo que você feche o texto agora mesmo, já que boa parte da graça é tomar todas as revelações e surpresas ao vivaço, então fica aqui um breve alerta de spoiler, já na sinopse da obra: no anime, acompanhamos os protagonistas Emma, Ray e Norman, três crianças muito inteligentes que dividem um “orfanato” com dezenas de outros pimpolhos, todos sob cuidados da “Mamãe” Isabella, enquanto esperam sua vez para serem adotados por uma família amorosa.

Só que não! Logo descobrimos que o orfanato é, na verdade, apenas uma fachada. As crianças são criadas como gato e servem apenas para atender à fome de criaturas assustadoras para quem a Mamãe trabalha. Quanto melhor o cérebro das crianças, mais valiosa é a sua carne. Quando os heróis descobrem isso, começa uma eletrizante missão para descobrir como e quando fugir das garras de seus captores e alcançar a terra prometida, além das muralhas que os cercam.

Reviravoltas e mais reviravoltas

Um dos maiores trunfos, mas também uma das maiores maldições de The Promised Neverland, é o fato de que todos os seus episódios apresentam múltiplas guinadas na narrativa, com plot twists e surpresas constantes para te deixar na ponta da cadeira a todo momento. Isso é bom para deixar o espectador sempre apreensivo e atento, mas pode quebrar um pouco da graça na medida em que uma reviravolta é anulada pela seguinte, tirando o peso de algumas decisões do roteiro.

São momentos que revelam agentes duplos, agentes triplos, gente que parece que morreu mas não morreu, gente que parece que vai viver mas morre… é tanto puxa e empurra que cansa ao longo da temporada, e isso contamina um pouco o ritmo do miolo deste primeiro ano de The Promised Neverland. Ainda assim, os dois primeiros e os dois últimos episódios são simplesmente fantásticos, e o ponto alto dessa primeira leva de episódios.

O clímax consegue amarrar bem todos os arcos de personagem e os principais mistérios levantados até então, e sabiamente amarrar um flashback da Mamãe com as questões enfrentadas pelas crianças no momento. Só seria melhor ainda se a nossa suspensão de descrença não fosse testada ao máximo ao ver crianças de quatro anos com uma maturidade e inteligência maiores que as de muitos adultos, mas esse pecado passa batido perto dos grandes acertos do arco final de Promised Neverland.

Vale muito a pena!

The Promised Neverland possui algumas falhas sérias de ritmo e estrutura, e constantemente somos bombardeados com soluções do tipo “era tudo parte do meu plano o tempo inteiro“, mas nada apaga o brilho desta que é uma das melhores estreias de 2019 até agora. Da empolgante opening gravada pela banda Uverworld até os sempre instigantes ganchos no final de cada episódio, o anime é recomendadíssimo para qualquer um que goste de um pouco de terror e aventura.

[rwp-review id=”0″]

Continue lendo

Críticas

Resident Evil 2 é a melhor homenagem que o clássico poderia ganhar

Testamos o remake do clássico Resident Evil 2, lançado para Xbox One, PS4 e PCs

Publicado

em

Jogos de terror tiveram seu ápice na década de 90 e nos anos 2000, com franquias que fizeram a gente borrar as calças a cada susto tomado com games como Fatal Frame, Silent Hill e Resident Evil. Porém, no decorrer dos anos, o gênero terror foi enfraquecendo, ganhando apenas alguns jogos de destaque. Até mesmo as nossas franquias amadas tomaram um rumo inesperado, deixando de lado o terror — ou o desenvolvimento dos jogos do gênero deixou a desejar.


Veja também:


Porém, nos últimos anos, o gênero terror parece estar ganhando seu brilho novamente, com a demo P.T. de Silent Hills fazendo muito sucesso, Resident Evil 7 se esforçando para entregar uma experiência mais assustadora e o recém-lançado Resident Evil 2 Remake prometendo ser um novo rumo para a franquia.

Leon já ta pronto pra entrar em Resident Evil 2

Como já disse anteriormente, Resident Evil tomou um rumo que os games acabaram tendendo mais para a ação do que um jogo de terror e sobrevivência, como havia sido feito originalmente. Mas com o lançamento de Resident Evil 7 e o remake de Resident Evil 2 a série parece estar mirando em voltar às origens. E o remake de Resident Evil 2 Remake realmente merece um destaque por toda essa re-transformação da série.

Revivendo Raccoon City

O novo lançamento da série da Capcom é uma remodelagem do clássico game Resident Evil 2 lançado originalmente para o primeiro PlayStation e o Nintendo 64. E, para manter o jogo interessante tanto para gamers que já jogaram o clássico como para novos aventureiros que não acompanharam a primeira aventura de Leon e Claire (é o meu caso), a Capcom refez não apenas os gráficos, mas também inúmeras mudanças para surpreender os dois grupos de jogadores.

A história continua basicamente a mesma: dois personagens estão indo para Raccoon City sem saber que a cidade já estava infestada de zumbis. Leon S. Kennedy é um policial novato e está indo para a delegacia para seu primeiro dia de trabalho. Já Claire Redfield é irmã do membro da S.T.A.R.S. Chris Redfield e, por conta disso, vai em busca do seu irmão (que desapareceu depois do primeiro Resident Evil). Ambos se encontram no posto perto da cidade, onde são atacados por zumbis e, após escaparem, decidem ir para a cidade para ver o que está acontecendo.

Os Cerberus voltaram para causar na sua jogatina, agora em HD!

Com gosto de nostalgia e novidade, o novo Resident Evil 2 mantém praticamente o mesmo layout dos mapas, porém inúmeras mudanças foram feitas no geral. Puzzles, por exemplo, foram totalmente remodelados, pegando de surpresa até o mais experiente dos jogadores. Por mais que o game seja um remake, é possível ser considerado um jogo completamente novo, mesmo que mantenha a mesma história de forma geral.

Falando em história, assim como no original, é possível escolher entre Leon e Claire para iniciar a aventura. Nessa primeira jornada, existem algumas diferenças mínimas entre o percurso dos dois, como as armas, por exemplo, Leon consegue a Shotgun e a Claire um lança-granadas no lugar. Eles se encontram algumas vezes durante a jornada, mas confesso que é menos do que eu esperava depois de ler muito sobre RE2.

Ao completar o modo história, você libera o modo Segunda Jornada do personagem oposto ao que você jogou, ou seja, complete a primeira aventura com Leon e libere a segunda jornada da Claire e vice-versa. Vale lembrar que esse modo, apesar de ser o mesmo cenário, é mais difícil que o normal, mudando algumas rotas e localização de alguns itens, encontrando mais inimigos e tendo munição reduzida.

Após completar esse modo, libera-se o famoso 4º Sobrevivente (4th Survivor), em que você controla Hunk, um agente secreto da corporação Umbrella que liderou uma equipe para levar William Birkin, criador do G-Virus, de volta à sede da corporação. Claro que tudo dá errado, a equipe acaba matando o cientista mas ainda coletam uma amostra do vírus. Nesse modo, você precisa apenas chegar ao ponto de extração do helicóptero para fugir da cena.

Birkin não autorizou a Claire de levar a Sherry pra longe dele!

Mas não é tão simples quanto parece, você apenas pode contar com os itens em seu inventário, não tendo saves, acesso ao baú de itens e nem mesmo encontrará itens e munições durante a missão. E, pra finalizar, completando o modo você libera a versão Tofu dele, onde você controla um Tofu gigante, membro da S.T.A.R.S. e pode utilizar apenas faca. Boa sorte!

O retorno ao horror

Resident Evil 7 veio trazendo de volta as coisas que mais amamos na franquia, como sobrevivência e o medo de se aventurar pelos corredores. Porém, mesmo não apresentando zumbis, conseguiu conquistar muitos fãs. Já o remake de Resident Evil 2 traz de volta tudo o que sentimos na época em que os primeiros títulos da série Resident Evil chegaram aos consoles. Mesmo não tendo jogado a versão original de RE2, tive a oportunidade de poder desfrutar dos outros jogos da série e, com certeza, a sensação de medo e pavor durante o jogo deve ter sido a mesma.

A sensação de jogar a versão remake de Resident Evil 2 é incrível, você fica tenso o tempo todo, a cada susto tomado e preocupado com cada bala gasta para matar ou apenas atordoar os inimigos para avançar. Durante a primeira jogatina na história do Leon, confesso que dei alguns gritos e soltei alguns xingamentos de nervoso para cenas de surpresas e inimigos inusitados aparecendo onde não foram chamados.

Claro que isso se deve a toda ambientação e clima construídos durante a jogatina. Os cenários finalmente possuem iluminação adequada para um jogo de terror, coisa que não era possível durante a geração do primeiro PlayStation. Joguei o game todo com as configurações que o próprio game indica, ou seja, nas áreas que os personagens utilizam a lanterna para iluminar o caminho, apenas o que a luz tocava conseguia enxergar, o resto era escuridão pura. Então cada grunhido do zumbi que eu não via era um novo momento de tensão.

Mr. X ta putaço por colocarem esse chapéu nele!

Além disso, vale dizer que todos os inimigos foram remodelados para poder se adequar ao novo clima retratado no remake e, para ser bem mais realista, modelaram os zumbis utilizando os próprios desenvolvedores, ficando mais tenebroso ainda. As outras criaturas, apesar de não conseguir ver tão bem os detalhes delas por estar fugindo praticamente o tempo todo, são bem assustadoras. Depois de liberar o modelo delas no modo Extra do jogo, é possível ver os detalhes das criaturas, uma mais monstruosa que a outra.

A versão do jogo que utilizamos, cedido pela Capcom, contava com os bônus incríveis como a clássica arma de Albert Wesker de sua época de líder da S.T.A.R.S., a possibilidade de aprofundar mais ainda o nível nostálgico do jogador com a trilha sonora original e novas roupas com possíveis referências à outras séries, games e até mesmo de uma versão de Resident Evil 2 1.5, game que seria o RE2 original se não fosse descartado no meio do processo de desenvolvimento e refeito com cara do RE que conhecemos.

O único ponto negativo de tudo isso é a questão de tempo de jogo. Em minha primeira jogatina, foram um pouco mais de 9 horas para completar a primeira parte da campanha, o que foi até um bom tempo de jogo. Porém, nos outros modos, ele cai para 5 horas e até menos, já que, como todo Resident Evil clássico, é questão de decorar os caminhos certos a serem percorridos e otimizar esse tempo. Mesmo contando com 3 modos diferentes, a história principal, a segunda jornada e o 4º sobrevivente, é possível completá-la de forma rápida, sobrando apenas os liberáveis que requerem mais habilidade para conquistar. Isso se deve por ser um remake de um jogo onde essa média de tempo era normal na época, mas estamos em um ano onde games e gamers estão acostumados com aqueles jogos que duram mais que isso.

Afinal, o novo modo de jogo ou o antigo?

Como disse, muitas mudanças foram realizadas nesse remake, inclusive podendo ser considerado um novo jogo, já que as mudanças foram intensas. Como era de se esperar, também a gameplay evoluiu, não contamos mais com aquela câmera fixa para causar mais pânico numa época onde a capacidade gráfica era pequena. Dessa vez, combinou a gameplay apresentada em Resident Evil 4, combinando bem com a forma de jogatina que novos jogadores possam se adaptar.

A coisa ficou feia pra Claire agora

O remake de Resident Evil 2 consegue trazer a grandeza e o peso que a franquia merece e, com relatos até de fãs da versão original de RE2, posso dizer que a Capcom é excelente em criar remakes. A história se repetiu como em Resident Evil Remake (a versão refeita do primeiro jogo da série) e, mesmo sendo mais ousados em mudar a forma de jogo de um game já conceituado no mundo gamer, a homenagem feita para esse grande clássico, com certeza, entrou na lista de um dos melhores games da série, podendo até retratar como um novo recomeço para a série, mas isso é assunto para uma outra postagem.

A experiência de poder desfrutar Resident Evil 2 pela primeira vez através do remake para mim com certeza foi mais que positiva, dando esperança para um renascimento incrível da franquia, podendo ter a mesma força que tinha durante a minha infância. Para os nostálgicos de plantão, a emoção bate mais forte ainda ao jogar essa releitura do segundo jogo, além das grandes surpresas incríveis que apenas jogando para saber.

[rwp-review id=”0″]

Continue lendo

Críticas

Darksiders III e o outro ponto de vista do apocalipse da saga

Testamos Darksiders III, o terceiro jogo da franquia de ação publicada pela THQ Nordic com versões para PS4, Xbox One e PC

Publicado

em

Darksiders III conta uma nova história que ocorre em paralelo como segundo jogo da série e entre os eventos da primeira e da segunda parte da aventura de Guerra. Este novo game traz Cólera (ou Fury em inglês), o terceiro Cavaleiro do Apocalipse, como personagem jogável. Assim como nos outros dois títulos anteriores, ela é comandada pelo Conselho de Fogo para manter o equilíbrio entre os mundos do céu, do inferno e da humanidade.

Após os acontecimentos da primeira parte de Darksiders, Guerra foi acusado pelo conselho de ter quebrado os selos do Apocalipse e, por isso, foi mantido preso até então. O conselho, então, invoca Cólera para uma difícil missão que no passado precisou de quatro cavaleiros para ser concluída. Seu objetivo é derrotar os sete pecados capitais que foram soltos de sua prisão por alguém que até mesmo o conselho desconhecia.

Cólera e seu primeiro encontro com Ira

Nesse cenário em que ocorre a conversa entre o conselho e a cavaleira, Guerra está preso e é assim que a Cólera descobre sobre sua traição. Ao partir para iniciar sua missão, ela escuta seu irmão clamando inocência e que ela iria descobrir a verdade sobre os acontecimentos. E é assim que se inicia as aventuras de Darksiders III.

Cólera e não Fome

De acordo com a Bíblia, os quatro Cavaleiros do Apocalipse são Guerra, Fome, Morte e Peste, mas Joe Madureira, diretor de criação da série, tomou mais liberdade na hora da criação dos jogos e trocou Fome e Peste por Cólera e Conflito — sendo que este último ainda não apareceu como personagem jogável.

Cólera é acompanhada pelo seu fiel cavalo, Ímpeto, e seu poderoso chicote, as Farpas do Desprezo. Bem armada e acompanhada, ela possui uma jogabilidade bem diferente dos outros dois irmãos, a Morte e Guerra. Ela é, de fato, mais fraca que os dois, porém mais ágil, contando com sua velocidade e estratégia para lidar com os inimigos.

Dessa forma, é necessário tomar muito cuidado na hora de avançar no mapa, já que qualquer dano tomado pode ser fatal para a protagonista e o game pune muito bem os jogadores por isso. Ao morrer (e pode ter certeza que isso vai acontecer muitas vezes), você volta para o último checkpoint passado na jogatina e, muitas vezes, ele pode ser tão longe que você terá que penar para derrotar os inimigos no caminho de novo para chegar no local onde morreu.

Cólera está furiosa de tanta derrota sofrida no jogo!

Além disso, a dificuldade também implica fortemente no combate. O jogo permite quatro tipos de dificuldade: História, Equilibrado, Desafiador e Apocalíptico, sendo o primeiro o mais fácil e o último a dificuldade máxima do game. O que ela muda em questão de gameplay? Muita coisa, além dos inimigos darem um dano maior a cada nova dificuldade, podendo ter chefes que acabam com você em dois golpes no Apocalíptico, também muda a abertura de tempo de esquiva. Quanto mais difícil o jogo, menor a janela para poder realizar a esquiva perfeita, que permite um golpe de contra-ataque crítico contra o inimigo, ou seja, a sua principal arma de combate para evitar mortes e mais mortes no jogo.

Cólera conta com novas habilidades no decorrer do jogo, elementos do Abismo que vão mudando sua forma de jogar e gerando novas habilidades. Para não dar maiores spoilers, a primeira delas é a Chama Abismal, que concede à personagem a arma Correntes do Desprezo, que é utilizada em combo com o chicote, e permite novos golpes de fogo, além de resolver puzzles no mapa com essa magia.

Quem já jogou Darksiders II deve lembrar que foi implementado um sistema de RPG onde poderia realizar upgrades no personagem, nao é? No terceiro jogo também é possível realizar essa evolução. Ela é separada em três status: Saúde, que aumenta sua vida máxima; Força, que aumenta o dano físico de todos os ataques básicos com a arma primária e secundária; e Arcano, que aumenta o dano de contra-ataques em esquiva, ataques carregados, ataques de fúria e ataques na forma do Caos. Isso mesmo que você leu! Cólera também tem uma transformação assim como seus irmãos, nela é necessário acumular a barra para utiliza-la, ganhando vida e causando um imenso dano ao inimigo, além da invencibilidade temporária.

Cólera e Vigia se preparando para continuar a caça dos pecados capitais!

Mas não é só a Cólera que pode evoluir, suas armas também. Em um momento do jogo, você encontra Ulthane, um forjador que permitirá realizar melhorias nas suas armas; e aprimoramentos, que são runas colocadas nas armas para conceder bônus durante as batalhas. O máximo de upgrade que consegui realizar até o fim do jogo foi de +9, já que fica cada vez mais difícil de coletar o material para realizar o upgrade e deixar os golpes mais fortes.

E o último NPC principal que pode te ajudar é o demônio Vulgrin, personagem que retorna de Darksiders II. Diferente da sua primeira aparição, o demônio faz vendas de consumíveis, ingredientes e especiais, além de poder aumentar seu nível, tudo isso em troca das almas coletadas ao derrotar os inimigos no jogo. Sua última utilidade também são os Buracos de Serpente, que funcionam como uma viagem rápida para outros checkpoints localizados durante o jogo.

Os Sete Pecados Capitais

Como disse anteriormente, a missão da Cólera é derrotar os Sete Pecados Capitais, ou seja, Ira, Gula, Preguiça, Orgulho, Inveja, Ganância e Luxúria. Os Pecados encontram suas formas físicas no jogo e será necessário derrotar cada um deles para cumprir o objetivo e ajudar a manter o equilíbrio no mundo. Cada Pecado possui uma forma diferente, características próprias que, como o próprio nome já diz, representam sua personalidade. Por exemplo, o primeiro Pecado a encontrar é Inveja, que, além de ser o mais fraco dos Sete Pecados, é covarde e inveja todos ao seu redor.

Derrotar os Sete Pecados Capitais não é uma tarefa fácil, ainda mais em um começo de jogo com uma Cólera mais fraca e com um jogador ainda se adaptando aos comandos de esquiva que o jogo impõe. No meu caso, joguei na dificuldade Desafiador e digo logo de cara que apanhei muito desses chefes. Alguns deles até mudei de trajeto para coletar mais almas e evoluir a protagonista para acabar de vez com os miseráveis. Evoluí tanto que os últimos Pecados foram derrotados após algumas tentativas, não mostrando tanta dificuldade quanto no começo. Não sei se foi por ter evoluído uma arma em específico até o +9 ou por ter subido até o nível 51 ao fim do jogo, mas o game foi ficando cada vez mais fácil.

Anjos e Demônios (e Humanos)

Darksiders III é, até o momento, a melhor forma de se trazer um Hack’n’Slash de aventura para os games. Confesso que o gênero não tem muito apelo para mim, mas esse me prendeu do começo ao fim devido à sua trama bem elaborada (característica presente em todos os títulos da série), o gameplay que foca na perfeição da habilidade do jogador e não no nível em que ele se encontra, e a trilha sonora que aumenta e dá mais ênfase nos momentos em que a personagem vive no jogo, como as batalhas, momentos de tensão e reviravoltas que estão presentes no game.

Preguiça não quer nem levantar pra lutar, mas com certeza vai rir de você se te derrotar.

Porém, toda essa empolgação era interrompida inúmeras vezes por telas de carregamento a cada nova região que entrava. Além de demorar para carregar, podendo chegar a 10 ou 15 segundos com a tela travada, muitas vezes me deparei com momentos inoportunos para esses loadings, justamente quando um inimigo escondido ataca imediatamente ao chegar no local e aparece o loading. Como você não faz ideia de quando a tela vai destravar, o golpe já é certeiro, causando um dano em você e, caso sua situação não seja das boas, podendo até te matar. Também é possível perceber que algumas cenas do jogo possuem sua textura ainda carregando, o que faz com que o visual fique um pouco precário até tudo ser carregado completamente.

Apesar disso, Darksiders III faz um grande retorno da franquia de uma maneira esplêndida, garantindo o agrado dos fãs da série e, com certeza, conquistando novos outros que vão querer conhecer mais sobre os Cavaleiros do Apocalipse, a guerra entre os Anjos e Demônios e toda a trama que envolve a série.

[rwp-review id=”0″]

Continue lendo

Últimas notícias

Games9 horas atrás

Hollow Knight | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo

Indie games ganham cada vez mais espaço entre os jogos AAA no mundo dos games. Onde as principais franquias não...

Anime2 semanas atrás

Crunchyroll | Conheça os animes mais vistos no começo de abril

De Food Wars a My Hero Academia, conheça os animes de maior sucesso da plataforma

Cinema2 semanas atrás

Star Wars | A ascensão de Skywalker vem aí no primeiro trailer do Episódio 9

The Rise of Skywalker chega aos cinemas em dezembro deste ano

Games2 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Veja os desafios da Semana 7 da Temporada 8

Veja quais são os desafios do Passe de Batalha da Semana 7 da Temporada 8 de Fortnite Battle Royale

Games2 semanas atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v.8.30

Veja todas as novidades que a atualização traz para os modos Battle Royale, Salve o Mundo e Criativo de Fortnite

Games3 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Epic Games revela skin secreta da Temporada 8

Donos de Passes de Batalha... preparem-se para a Ruína!

Games3 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Van de Reinicialização chega ao jogo na próxima semana

A partir da atualização de patch v.8.30 será possível reviver aliados eliminados em Fortnite Battle Royale utilizando as novíssimas Vans...

Games3 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Veja os desafios da Semana 6 da Temporada 8

Veja quais são os desafios do Passe de Batalha da Semana 6 da Temporada 8 de Fortnite Battle Royale

Games4 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Veja os desafios da Semana 5 da Temporada 8

Veja quais são os desafios do Passe de Batalha da Semana 5 da Temporada 8 de Fortnite Battle Royale

Games4 semanas atrás

Fortnite Battle Royale | Trajes da Temporada 3 ganham visuais alternativos

Novo patch v.8.20 adicionou visuais variantes para duas skins do Passe de Batalha da Temporada 3

Games4 semanas atrás

PUBG Mobile | Jogo comemora um ano com melhorias muitas novidades

Update gigante celebra o primeiro aniversário do jogo, também trazendo mudanças no Royale Pass, ajustes nos mapas e até fogos...

Games4 semanas atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v.8.20

Veja todas as novidades que a atualização traz para os modos Battle Royale, Salve o Mundo e Criativo de Fortnite

Tecnologia4 semanas atrás

Huawei P30 | Smartphone chega ao Brasil em maio em duas versões

Novo Top de linha da a Huawei chega ao Brasil em maio em duas versões, o Huawei P30 Pro e...

Games1 mês atrás

Fortnite Battle Royale | Novo modo O Chão é Lava vem aí

Vá para um terreno alto ou construa acima da lava que está devastando a ilha de Fortnite

Cinema1 mês atrás

Homem-Aranha: Longe de Casa | Filme ganha novos cartazes

Novo filme da Sony Pictures estrelado por Tom Holland e Jake Gyllenhaal vai levar o Homem-Aranha novamente aos cinemas no...

Em alta