Conecte-se conosco.

Críticas

God of War leva a franquia ao seu auge

Publicado

em

God of War é o mais novo jogo exclusivo para PlayStation 4, lançado fisicamente e em versão digital para download em abril de 2018. O primeiro capítulo da série na nova geração de consoles promete uma reimaginação completa da franquia, mas, apesar de algumas ousadias, é um legítimo God of War 4, sob medida para os velhos fãs da série. Confira nosso review completo logo abaixo:


Veja também:


Desde pequeno eu sempre tive bastante interesse em mitologia grega e nórdica. Talvez isso seja culpa do anime Cavaleiros do Zodíaco, ou quem sabe dos livros que minha avó lia para mim, mas, seja como for, o fato é que eu adoro ler e ver coisas sobre os heróis e deuses mitológicos em suas aventuras épicas.

Assim, nada foi mais natural que experimentar todos os jogos da franquia God of War assim que comprei meu PlayStation 3. Comecei minha odisseia com God of War 3, e depois zerei todos os outros jogos, até aqueles de PSP, já que tudo estava convenientemente disponível em relançamentos para o console da Sony em boas coletâneas.

Um novo (e melhorado!) Kratos

Talvez o que vou falar pareça meio estranho, considerando que eu cheguei a platinar cada um desses jogos, mas o fato é que fiquei o tempo inteiro de jogatina com uma ou duas pulgas atrás da orelha. Um tempo depois, finalmente descobri o que estava rolando: passado o deslumbre inicial com o contexto mitológico, eu realmente não gostava do Kratos.

Falar assim chega a ser um eufemismo: fora o seu design marcante, a personalidade e motivação do Kratos eram, sem dúvidas, algumas das piores que já vi em qualquer videogame. Pouco a pouco, passei a vê-lo como um brucutu chiliquento e sem noção, absolutamente incapaz de receber um pingo de empatia. Comecei a achar quase engraçada a forma infantil como o roteiro tratava sua jornada. O que começou como uma promissora trama de vingança, logo virou um arco patético cheio de banhos de sangue sem propósito.

É exatamente por isso que fiquei curioso quando a desenvolvedora Santa Monica revelou um Kratos totalmente diferente para o mais recente jogo da série: um pai zeloso e preocupado com seu filho Atreus! Parecia uma trama mais madura e interessante e, com isso, a franquia voltou ao meu radar.

Em grande parte, a ideia de renovar o personagem funciona e deu certo. Mais do que nunca, é possível compartilhar as emoções e sentimentos de Kratos ao longo do jogo. Meu único problema é que esse lance de pai traumatizado ajudando uma criança já tinha sido feito com perfeição no clássico The Last of Us, né? Mas, para ser bem justo, não dá pra punir alguém por copiar um dos melhores jogos da geração passada.

Em nome do pai…

Tal qual a jovem Ellie, o pequeno Atreus é um companheiro que se destaca não só por seus diálogos interessantes, que auxiliam na construção da trama e desenvolvimento dos personagens, mas também por tímidos auxílios durante os combates, atirando flechas nos inimigos para atordoá-los, e até liberando novos caminhos na solução de puzzles. Não é nada inovador, mas é bem coerente com a nova proposta de gameplay.

Embora o novo ângulo de câmera possa enganar em trailers e vídeos de gameplay, a verdade é que a jogabilidade não é TÃO diferente dos jogos anteriores quanto se imagina. Kratos ainda pode explorar o mapa em busca de baús com power ups, e a cada dois ou três minutos é preciso pausar a exploração para encarar hordas de inimigos em lutas frenéticas. Quanto mais Kratos acerta os inimigos, mais sua barra de raiva se enche, o que permite entrar no clássico modo espartano para detonar a galera, igualzinho a antigamente.

O que realmente muda é que os quick time events foram bem reduzidos, e colocaram várias cenas de caminhada e backtracking na campanha, algo que considerei meio tedioso no fim das contas. A principal alteração, no entanto, é que não temos mais aquelas tomadas aéreas super distantes, que tanto apareciam nos jogos anteriores. Como a câmera é quase colada nos ombros do Kratos, toda luta ganha um ar um pouco mais intimista, então é preciso estudar cada adversário individualmente. Com o perdão do clichê máximo do moderno jornalismo de games, a Santa Monica bem que tentou dar um arzinho de Dark Souls aos combates, já que eles são bem focados no timing de esquiva e contra-ataque.

O problema é que, diferente dos jogos da From Software, o ângulo de câmera de God of War não é dos melhores para esse tipo de luta, então precisaram colocar uma muleta visual meio tosca para contornar o problema: quando um inimigo está perto, ele é indicado por uma seta branca. Quando ele está prestes a atacar, ela fica vermelha. Como as lutas são repletas de pontos cegos, várias vezes você se sente lutando mais contra setinhas no canto da tela do que contra criaturas exóticas.

Lógica de beat ‘em up das antigas

Ao menos os chefões e sub-chefes possuem aquela escala grandiosa de praxe e, com isso, garantem embates memoráveis. Até dá para punir um pouco a falta de variedade de inimigos, já que, seguindo a lógica dos beat ‘em ups de antigamente, basicamente é só a skin que muda um pouco entre cada luta: temos os rivais gigantes, os porradeiros, os que atiram projéteis e coisa e tal. Conforme o jogo progride, a mesma lógica o acompanha, só mudando a cara e quantidade de inimigos em cada cenário de luta.

Bem que tentaram dar um pouco mais de profundidade à jornada com alguns elementos de RPG, como a customização e aprimoramento de armas, armaduras, runas e até tiros de flecha do Atreus. Você usa o seu dinheiro virtual (felizmente, não há qualquer sinal de microtransações por aqui!) e pontos de experiência para liberar novos golpes e se fortalecer, mas é tudo bem raso e desnecessário, no fim das contas.

O mais estranho é que ler as opções no menu mais parece um exame de vista, de tão pequenas que elas estão em sua versão atual. Espero que um patch futuro arrume isso, porque é bem inconveniente e, fracamente, é chocante que ninguém tenha pensado em arrumar o tamanho da fonte durante o desenvolvimento. Agora, se faltou capricho nisso, sobrou no quesito artístico: God of War é um jogo muito bonito, tipo, MUITO bonito mesmo. Possivelmente o mais bonito que você pode encontrar no PlayStation 4!

Há uma boa variedade de ambientes, e é tudo bem detalhado e com boa direção artística. O único lado negativo é que, como em Horizon Zero Dawn, o ambiente é meio sem vida e pouco interativo, algo que ainda parece estranho em um mundo pós-Zelda Breath of the Wild. É bizarro ver o machadinho do Kratos interagir apenas com objetos pré-determinados envolvidos na solução de puzzles, enquanto o resto do cenário parece feito de vibranium intransponível, já que quase nada é interativo.

Fechando o pacote artístico, a trilha sonora é bem legal e cheia de músicas épicas, que dão o tom certinho para a aventura. Realmente é um verdadeiro blockbuster do que diz respeito ao valor de produção e capricho aplicados no game!

Sob medida para os fãs da série

Novo God of War vai agradar os fãs das antigas

Novo God of War vai agradar os fãs das antigas

Como o jogo tem vários coletáveis e diferentes níveis de dificuldades, progressivamente mais desafiadores, quem gostou da sua premissa e estilo de gameplay vai encontrar vários motivos para revisitar a jornada várias vezes.

Já na minha visão, ainda não foi dessa vez que God of War conseguiu satisfazer plenamente a minha sede por ação e mitologia. Sem dúvidas é o melhor jogo da série até agora, mas ainda prefiro o combate técnico e eletrizante de uma Bayonetta ou DmC, e a narrativa melhor estruturada de The Last of Us. Quem sabe no inevitável próximo capítulo o jogo me agrade mais? Ao menos agora já simpatizo um pouco mais com o Kratos.

God of War (2018)
7.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Belos gráficos e trilha sonora
  • Se inspira em boas fontes
    como The Last of Us
  • Kratos está mais empático
Contras
  • Sistema de RPG raso demais
  • Câmera cheia de pontos cegos
    gera lutas frustrantes
  • Muito backtracking e andança
    ociosa
  • Letra miúda nos menus irrita
Avaliação
Apesar de seu título sem números indicar um reboot completo, God of War (2018) é um legítimo God of War 4, com referências e gameplay suficientes para satisfazer plenamente quem adorava os jogos anteriores da série. A história está mais madura e Kratos se tornou um protagonista mais interessante no processo. No entanto, o novo ângulo de câmera pode irritar em algumas lutas, e os novos sistemas de customização são bem rasos e sem propósito. Ainda assim, é um jogo essencial para os fãs da série.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Formado na arte de reclamar, odeia a internet. Ainda assim, sua hipocrisia sem limites o permite administrar a página no Facebook, plataforma de divulgação do seu primeiro livro. Você também pode seguí-lo em @thomshoes no Twitter, mas provavelmente é uma má ideia...

Comentários

Críticas

Horizon Chase Turbo é uma deliciosa viagem no tempo

jogo é perfeito para quem sente saudades de Top Gear

Publicado

em

Depois de fazer muito sucesso em sua versão mobile para Android e iOS em 2015, Horizon Chase, o jogo de corrida feito pelos brasileiros do estúdio Aquiris, finalmente chegou em uma versão tunada ao PlayStation 4 e PC (steam). Confira nossas impressões logo abaixo no review completo da nova versão, Horizon Chase Turbo!


Veja também:


Basta ver qualquer imagem do game para entender imediatamente quem é o seu público alvo: toda aquela galera que se amarra em um bom Top Gear, Out Run, ou qualquer um desses clássicos jogos de corrida das gerações 8 e 16 bits, especialmente. Sua proposta é totalmente arcade e sem qualquer compromisso com a simulação, seguindo a cartilha dos jogos que o inspiraram. Nem seria absurdo algum caso o jogo levasse o nome de Top Gear 4 ou qualquer variante disso, já que ele transborda referências à série da Kemco.

Até o compositor da trilha marcante do Super Nintendo, Barry Leitch, voltou para escrever as incríveis músicas que temperam as corridas de Horizon. É uma sonzeira de primeira que sabe misturar nostalgia e inovação na dose certa. O mesmo vale para o game si: por mais que sua proposta de gameplay seja pautada no passado dos jogos de corrida, ele nunca parece um produto derivativo e sem alma, pois há tanto amor e empenho em cada canto do jogo que ele acaba se tornando maior que a soma de suas partes.

E nem falo isso por patriotismo barato nem nada não! Eu realmente me diverti demais em cada um dos modos de jogo do Horizon, especialmente o seu cooperativo local, exatamente como tem que ser. É muito legal jogar com um amigo, pois cabe a vocês decidir se a parada é competitiva ou cooperativa!

A parte de modernidade online fica com as tabelas de liderança, já que seus tempos nas dezenas de pistas do game ficam registrados na internet, e aí dá pra desafiar os fantasmas dos amigos que você tiver em sua lista de contatos, o que gera um bom desafio e aumenta o fator replay.

Com o perdão do trocadalho, o motor gráfico faz com que todos os carros tenham um estilo bem legal e coerente com o cenário à sua volta, que usa um estilo caricato meio low-poly que cai muito bem com o mundo ao seu redor. Além de torneios e provas de resistência, o principal modo de jogo é o Volta ao Mundo que, como você já deve ter imaginado, traz pistas espalhadas por todo o globo. Cada pista é focada em cidades ou locais icônicos, então volta e meia pinta um ponto turístico legal no horizonte.

A curva de aprendizado é perfeitamente calibrada, então você vai pegando aos poucos o jeito certo de correr e aprendendo naturalmente os macetes e melhores formas de jogar. Não pense que é só correr, porque nas provas avançadas você precisa estudar até a melhor forma de gerenciar seu combustível e nitros! Ah, e ainda tem uns colecionáveis espalhados em pontos desafiadores das pistas para coletar, o que faz a alegria de qualquer complecionista como eu.

Entre blockbusters e jogos indie de primeira, 2018 já trouxe muitos jogos legais, mas, possivelmente por ser um grande fã de Top Gear, nenhum game do ano me alegrou mais que Horizon Chase Turbo até agora. Se você também gostava dos títulos de corrida da década de 80 e 90, nem precisa pensar duas vezes. O precinho camarada de R$ 50 deve ser todo incentivo que faltava para você ir correndo comprar o seu. Nos vemos na linha de chegada!

Horizon Chase Turbo
10 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Nostalgia sob medida
  • Dezenas de pistas
  • Trilha sonora
Contras
  • Pouca inovação
Avaliação
Horizon Chase Turbo é um legítimo herdeiro de Top Gear, e sabe recriar perfeitamente a sensação de jogar esse clássico 16 bits, usando a nostalgia com muita sabedoria. A trilha sonora é perfeita e jogar localmente com um amigo é tão divertido quanto na década de 1990. Sobe o tema da vitória, Brasil!
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Cinema

Surpreendente, Deadpool 2 é cinema descontraído, divertido e cheio de ação

Entre erros e acertos, longa diverte e surpreende ao tomar rumos inesperados

Publicado

em

Deadpool 2, a continuação do aclamado filme que chegou as cinemas em 2016 com os dois pés nos peitos de nossas expectativas ao subverter o gênero de super-heróis com todo tipo de piadas e violência gratuita e explícita, chega aos cinemas esta semana. O filme, estrelado novamente por Ryan Reynolds, tem a missão de ser tudo o que a película anterior foi e ir além. Mas será que consegue?


Veja também:


Antes de começar a crítica, é preciso fazer aqui uma declaração: nunca fui realmente fã do Deadpool. Voltando uns bons 15 anos no tempo, lembro que quando mais jovem, na época da escola, lia avidamente as HQs da Marvel e discutia os arcos e edições com os amigos, meio que ignorava um pouco o mercenário falastrão. Lembro nitidamente de ranquear meus super-heróis favoritos com a galera e sempre — sempre mesmo — um dos únicos a bater o pé e dizer que “o Deadpool é que é foda” era o Luiz Felipe Piorotti, que também colabora aqui no PlayReplay.

Avançamos no tempo e agora é 2016. Wade Wilson chega aos cinemas, interpretado por Ryan Reynolds, em um filme que muda bastante alguns aspectos do personagem e seu folclore, mas ainda assim se mantém fiel à essência do que se entende por Deadpool.

Era mais do que evidente que o filme vinha para causar com sua classificação etária alta, que lhe rendeu o título de filme para maiores mais rentável da história do cinema e ainda ajudou a preparar o terreno para o violentíssimo (além de muito bom) Logan, que fechou com chave de ouro a saga do Wolverine de Hugh Jackman nos cinemas. Não digo que virei fã de carteirinha do Deadpool, mas o filme com certeza me divertiu bastante e deixou aquele gostinho de “quero mais.”

Cuidado! A partir daqui o texto contém spoilers!

Voltamos agora ao presente, e Deadpool 2 está aí. Desde o começo do filme é notável que a equipe de produção optou por apostar todas as fichas em repetir (e aprimorar) tudo o que deu certo no longa anterior, como todo tipo de piadas sexuais, escatológicas e tiradas quebrando a quarta parede, até porque o fator “novidade” (que foi sem dúvidas um dos maiores trunfos da estreia de Deadpool nos cinemas) já passou.

Somos apresentados a um Deadpool tristonho — mas sem perder o senso de humor — cometendo suicídio, e após sua “morte” o filme repete o esquema de “memória narrada” do longa anterior e acompanhamos Wade Wilson matando bandidos ao redor do planeta, mostrando o que o personagem fez entre uma trama e outra. A ação durante este trecho do filme beira a perfeição (palmas para o diretor David Leitch, de John Wick!), cheia de cenas rápidas e violentas repletas de desmembramentos e mortes e piadas e muito, mas muito sangue. E são os acontecimentos desta sequência que desencadeiam a trama de Deadpool 2.

Após um terrível infortúnio, Wade perde a vontade de viver (culminando na tentativa de suicídio) e acaba sendo socorrido por Colossus (Stefan Kapicic), que aqui ganha um papel mais relevante como bússola moral e verdadeiro amigo do mercenário falastrão em uma sequência que tem uma das melhores (e mais inesperadas) participações especiais do filme. A trama vai se desenrolando até que Deadpool topa entrar para os X-Men como trainee/estagiário ao lado de Colossus e Míssil Adolescente Megassônico (Brianna Hildebrand), e é aí que somos apresentados a Russell Collins (Julian Dennison), um jovem mutante que busca vingança contra o orfanato onde sofria constantes abusos.

A química entre Wade e Russell funciona muito bem, o que ajuda a comprar a ideia de que Deadpool faria de tudo para salvá-lo quando Cable vem do futuro para exterminar o rapaz. Segundo o coroa bombado, quando adulto, Russel é responsável pela morte da família do brucutu, interpretado por Josh Brolin — que parece tão confortável na pele do mutante viajante do tempo quanto estava como Thanos, no último Vingadores.

E a partir daí o filme engata em um ritmo frenético, parando apenas para respirar (e soltar uma piada ou quebrar a quarta parede, isso quando não faz tudo isso de uma vez), e nos deleita com sequências de ação, diálogos, interações e reviravoltas na trama que nos deixam ao mesmo tempo sentados na pontinha da cadeira, gargalhando e boquiabertos.

Um dos grandes destaques dos trailers, a equipe X-Force criada por Deadpool brilha na sequência mais interessante, divertida e inesperada de todo o filme. Vanisher (não pisque ou vai perder a ótima participação especial!), Shatterstar (Lewis Tan), Bedlam (Terry Crews, o eterno “pai do Chris”), Zeitgeist (Bill Skarsgaard, o palhaço de It- A Coisa), Peter (Rob Delaney, simplesmente o melhor!) e Domino (Zazie Beetz, que mostrou que apesar de todas as críticas negativas dominou o papel) extrapolaram o surpreendente e provaram que a Fox fez a lição de casa na hora de conseguir manter os segredos guardados a sete chaves.

Deadpool 2 acerta em cheio em nos presentear com o inesperado, tomando rumos completamente diferentes do que esperávamos, mas peca (e muito) no uso da computação gráfica. Quando personagens feitos em CG aparecem na tela, fica mais do que evidente que são gerados por computação gráfica. Basta comparar o Colossus do primeiro filme com o desta nova película para perceber que a qualidade dos efeitos especiais caiu consideravelmente. Quando o último vilão do filme aparece, então, aí sim é que a coisa fica realmente feia.

Por falar em vilão, Deadpool 2 sofre ao mesmo tempo com o excesso e com a falta de vilões. Pois é, eu explico. O filme tem 3 vilões principais: o primeiro surge na sequência de introdução, mas é descartado logo em seguida; o segundo, Cable, vira a vida de Deadpool de cabeça pra baixo mas logo se torna um aliado; enquanto o terceiro e último surge de maneira extremamente inesperada mas não tem qualquer peso ou importância para a trama. Em momento algum em Deadpool 2 há um senso de urgência ou de real perigo, o que atrapalha um pouco a experiência.

Em alguns momentos o filme também parece não saber aonde quer chegar, e de certa forma transformar Deadpool em alguém tão emocional em uma trama de alma amargurada em busca de redenção não combinou tanto com o personagem que Ryan Reynolds nos agraciou em 2016. Foi até mesmo por isso que foi impossível conter a risada quando o próprio Deadpool aponta que o roteiro do filme é preguiçoso.

Mas nada disso torna a experiência de Deadpool 2 ruim. Muito pelo contrário, a continuação honra o legado do filme anterior e se prova um filme imperdível. Depois do trauma de Vingadores: Guerra Infinita, nada melhor do que gargalhar no cinema em uma aventura descontraída, divertida e cheia de ação.

A sacada de aproveitar ambientações como a Mansão X e utilizar músicas famosas que realmente funcionam no contexto da trama ajudam Deadpool 2 a segurar a atenção do espectador, que fica atento a todo instante tanto pra pegar as referências e rir das piadas quanto para saber o que vai rolar na cena seguinte. 

Ah, e não saia do cinema quando subirem os créditos! Deadpool 2 tem as melhores cenas “pós-créditos” (no caso, no meio dos créditos) que já vi em um filme de super-heróis, tirando sarro e “corrigindo erros” do passado. Simplesmente genial! Resta saber o que será da franquia, agora que a Marvel detém os direitos do personagem e dos X-Men — e é provavelmente por isso que o longa termina sem deixar tantos ganchos para uma possível sequência.

Mesmo com alguns defeitos bastante evidentes, Deadpool 2 definitivamente merece ser assistido no cinema. Só tome cuidado para não engasgar quando rir enquanto come sua pipoca!

Deadpool 2
8 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ação na medida certa
  • Ótimas participações
    especiais
  • Reviravoltas na trama
  • Cenas "pós-créditos" geniais
Contras
  • Computação gráfica
  • Deadpool de coração mole
  • Não passa sensação
    de perigo
  • Trama meio preguiçosa
Avaliação
Entre erros e acertos, Deadpool 2 oferece uma aventura surpreendente emocional, cheia de reviravoltas e, é claro, violenta e divertida, que merece ser assistida na tela do cinema.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

McItália peca pelo peso, mas tem seu valor entre os Sanduíches Campeões McDonald’s

Confira nosso review do sanduíche de Domingo no McDonald’s

Publicado

em

Como em toda Copa do Mundo FIFA, o McDonald’s do Brasil lançou em 2018 a sua linha temática Sanduíches Campeões, que traz um sanduba diferente para cada dia da semana. Domingo é dia de McItália, e preparamos um review caprichado esmiuçando sua receita, batatas, preço e custo-benefício. Clique abaixo para dar play no nosso vídeo sobre o McItália!


Veja também:


Para você se organizar e não esquecer, lembre que segunda-feira é dia de McFrança, terça tem McEspanha, quarta McAlemanha, quinta McUruguai, sexta McInglaterra, sábado McArgentina, e domingo McItália, enquanto todo dia é dia de McBrasil! O preço sugerido para a promoção com sanduíche, batatas e refrigerante é de R$ 29,90, mas é possível gastar mais R$ 2,50 para dar uma aprimorada na sua batata com uma receita especial.

No caso do McItália, a batata é aquela mesma batada fininha padrão do McDonald’s, mas servida em maior quantidade com bacon picado sobre um molho de muçarela com tomate seco. O molho infelizmente é bem sem graça, e o ponto mais fraco do pacote. O mesmo molho é utilizado no sanduíche em si, onde é acompanhado por pão brioche, queijo muçarela, polpetone, tomate e pepperoni. No sanduba, o que realmente brilha é o queijo, que ficou bem puxa-puxa e surpreende ao casar muito bem com tudo no miolo da refeição.

O pepperoni tem um gosto bem similar ao de outras cadeias de fast food e pizzas de franquias como Domino’s e Pizza Hut, ou seja, é bem sequinho e gostoso. A carne está bem melhor em relação ao McItália de outros anos, com uma consistência mais gostosa de morder, o que era o ponto fraco nas edições passadas, quando o polpetone meio que parecia com um croquete barato em sua textura.

A mistura de queijo com molho deixa a refeição bem pesada e cansativa de comer, então o lanche é mais recomendado para ser comido por duas pessoas dividindo a batata. Caso contrário, vale mais a pena pedir a batata comum, que casa melhor com o sanduba. Mesmo que você seja muito fã dos ingredientes listados acima, infelizmente o McItália acaba tendo bem pouco de sabor italiano em seu sabor. É um bom lanche, mas há várias opções melhores no menu…

McItália - Sanduíches Campeões
7 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Queijo surpreendente
  • Bom pepperoni
Contras
  • Refeição pesada
  • Molho fraco
Avaliação
Entre os oito sanduíches da Copa do McDonald's, o McItália fica mais ou menos no meio da tabela. É um lanche gostoso e que alimenta bem, mas é o que mais pesa também quando você compra as batatas especiais em conjunto com o sanduíche. Seu queijo é ótimo e se destaca, mas o resultado final não é tão interessante nem tem um gosto tão característico e especial quanto deveria.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games1 hora atrás

The Sims 4 | “Estações” é o novo pacote de expansão do game

Depois de uma longa espera dos fãs, a expansão Estações finalmente foi anunciada.

Games2 horas atrás

Sunset Overdrive | Jogo pode ser lançado no PC em breve

Depois de 4 anos de seu lançamento original no Xbox One, o game também pode ganhar uma versão para PC

Games4 horas atrás

RuneScape Classic | Antigo MMO será fechado definitivamente

Depois de 17 anos, a versão mais antiga de RuneScape chega ao fim em agosto.

Música5 horas atrás

Will Smith | Ator volta ao mundo da música e grava rap inédito

Seria a volta triunfal do Fresh Prince?

Cinema6 horas atrás

Godzilla 2 | Warner adia o lançamento de março para maio de 2019

Michael Dougherty vai dirigir a sequência

Games7 horas atrás

H1Z1 | Beta no PS4 já conta com 1,5 milhão de jogadores

Várias pessoas também se depararam com certos problemas de estabilidade nos servidores.

Cinema8 horas atrás

Silvio Santos | Lendário apresentador ganhará cinebiografia em 2019

Filme será baseado no livro de Marcia Batista e Anna Medeiros.

Música9 horas atrás

Panic! At The Disco | Confira a nova música High Hopes

Faixa fará parte do disco Pray For The Wicked

Games22 horas atrás

State of Decay 2 | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo no Twitch

Fim da noite, aquela série que você assiste já acabou e não tem mais o que fazer? Então venha assistir...

Games23 horas atrás

Battlefield 5 | Jogo chega em outubro deste ano

O game foi revelado oficialmente e você confere seus principais detalhes aqui mesmo!

Games1 dia atrás

Overwatch | Jogo estará gratuito neste fim de semana

A Blizzard quer que todos comemorem o segundo aniversário de Overwatch, mesmo quem ainda não tem o jogo.

Games1 dia atrás

Kingdom Come: Deliverance | Jogo receberá vários DLCs nos próximos meses

Além de quatro DLCs pagos, o game ainda contará com atualizações gratuitas para todos os jogadores.

Games1 dia atrás

God of War | Assista agora ao nosso gameplay ao vivo no Twitch

Veja Vargolino encarnando Kratos ao vivo no novo God of War para PS4

Séries1 dia atrás

Disenchantment | Conheça o novo desenho animado de Matt Groening

O criador dos Simpsons e Futurama está de volta!

Literatura1 dia atrás

Philip Roth | Autor vencedor do Pulitzer morre aos 85 anos

Escritor lançou sucessos como O Complexo de Portnoy, Pastoral Americana e Adeus, Columbus

Em alta