Conecte-se conosco.

Prévias

Prévia: Natural Doctrine será um prato cheio para estrategistas hardcore

Publicado

em

Desenvolvido no Japão pela Kadokawa Game Studio e trazido para o Ocidente pela NIS America, Natural Doctrine é um RPG tático que será lançado no dia 30 deste mês. O título, dirigido por Atsushi Li, que também foi diretor no desenvolvimento de Patapon (PSP), promete começar a saciar a sede por RPGs japoneses de estratégia no PlayStation 4, mas marcará presença também no PS Vita e no PS3, inclusive fazendo uso de um sistema cross-play e cross-save entre estas três plataformas da Sony.

 

Nós pelo petróleo, eles pelo Pluton

O jogo se passará num mundo de fantasia medieval mórbido e caótico, onde humanos, lagartos, minotauros e duendes malignos se digladiam ferozmente. Todas essas batalhas parecem ter sua motivação girando em torno de uma única coisa: a poderosíssima fonte de energia conhecida como Pluton, que é utilizada até mesmo na conjuração de magias.

NAtURAL DOCtRINE_20140715151859

Dito isso, a missão de Jeff, o guerreiro protagonista da história, será justamente a de se unir a outros combatentes para tentar derrotar uma ameaça maligna; e com isso garantir o fluxo de acesso da humanidade a esse tão valioso recurso.

 

Visual simples e jogabilidade robusta

Logo de cara já podemos perceber que Natural Doctrine não impressionará ninguém com seus gráficos. Contudo, seu sistema de personalização de classes de personagens robusto e a interação inusitada disso com o sistema de combate parece ser algo que fará o jogo brilhar na mente dos amantes do gênero RPG tático.

O gameplay será similar ao de jogos de franquias como Final Fantasy Tactics, Disgaea e Tactics Ogre Battle. As batalhas se travarão em um mapa que se assemelha vagamente a um grande tabuleiro de xadrez e você deverá customizar sua equipe de combatentes de acordo com a configuração da equipe oponente.

NAtURAL DOCtRINE_20140715143443

Contudo, apesar de a jogabilidade ter essa base tradicional já há muito utilizada, ela também parece introduzir conceitos bastante inovadores. Dentre estes eu poderia citar o sistema de customização sempre dinâmico da árvore de habilidades dos personagens e também a possibilidade de se configurar formações de combate através do agrupamento de combatentes em áreas específicas do campo de batalha.

Esses novos elementos de jogabilidade tornam o combate muito mais robusto e estratégico, mas também elevam consideravelmente o nível de dificuldade das batalhas. Principalmente quando se leva em conta que a inteligência artificial dos inimigos não é nada fraca. Mas dificuldade elevada nem sempre é uma coisa ruim, não é mesmo? Sim, Dark Souls, estou olhando para você.

NAtURAL DOCtRINE_20140715134802

 

[infobox color=”light”]

Multiplayer

Para comprovar a confiança que a desenvolvedora tem na robustez do sistema de combate de Natural Doctrine, um dos atrativos maiores pretendidos para o jogo estará em seu modo multijogador com suporte a cross-play, dentro do qual jogadores das três plataformas da Sony poderão se enfrentar em duelos tensos e estratégicos.

Ao que parece, nesta versão do jogo os membros da sua equipe de batalha poderão ser humanos e não-humanos, que serão representados por cards que podem ser aprimorados e subir de nível.[/infobox]

 

Mudanças na versão ocidental

Natural Doctrine já foi lançado no Japão desde abril deste ano, e apesar de muitos reconhecerem o potencial que há em seu gameplay, por lá o título foi bastante criticado por ter poucos checkpoints e por ser de uma dificuldade quase imperdoável. Pois é. Já dá para perceber que esta é uma combinação de fatores bem perigosa e que pode gerar muitas frustrações, não é mesmo?

natural-doctrine-preview-playreplay-004

Pois então, diante dessa situação, a desenvolvedora decidiu que a versão ocidental do game terá a inclusão de um modo Easy (que nem deve ser tão fácil assim) e um número maior de checkpoints espalhados pelas missões. Com isso, ao que parece, dois dos pontos mais criticados do game serão “consertados”, o que deve facilitar e muito o desenrolar do game.

 

Quem sabe uma joia bruta

Com um visual simples e uma jogabilidade robusta e cheia de detalhes, Natural Doctrine parece ser o tipo de jogo que não chama a atenção logo de cara, mas que cativa o jogador ao longo do tempo por suas singularidades divertidas, complexas e desafiadoras. É quase certo que este título chegará ao Ocidente sem receber muitos holofotes, mas se você for um apreciador do gênero, é mais que recomendado que você fique de olho na sua data de lançamento.

natural-doctrine-preview-playreplay-001

 

[infobox color=”light”]

Natural Doctrine

Plataforma: PS3/PS4/PS Vita
Desenvolvimento: Kadokawa Game Studio
Distribuição: NIS America
Lançamento: 30/09/2014

Expectativa: Média[/infobox]

Compartilhe

Notívago inveterado e apaixonado por tudo o que se liga ao mundo dos games. Lamenta a atual queda na qualidade das capinhas das mídias físicas e o sumiço cada vez mais definitivo dos manuais de jogos, e adora reclamar de tudo isso enquanto aproveita as ofertas de jogos digitais da Steam, da Live e da PSN. Seu gênero preferido é o JRPG.

Comentários

Games

The Last Guardian gera uma mistura de felicidade com preocupação

Publicado

em

Confesso que fui pego de surpresa pelo ressurgimento de The Last Guardian na conferência da E3 da Sony no ano passado. Anunciado há cerca de uma década para PlayStation 3, o jogo é a sequencia espiritual dos excelentes Ico e Shadow of the Colossus e, naquela época, tinha tudo para ser mais um grande clássico criado por Fumito Ueda. Contudo, após diversos problemas durante o seu desenvolvimento, muitos acreditavam que o título havia sido cancelado.

O retorno de Trico aos holofotes, apesar de chocante, não foi lá muito animador. Com gráficos datados e uma jogabilidade que parecia bastante imprecisa, o jogo dividiu opiniões de especialistas durante a E3. Na BGS deste ano, tive a oportunidade de ver a primeira meia hora do jogo e, apesar dos claros problemas de gameplay, pude notar a essência dos maravilhosos títulos lançados no PlayStation 2.

Logo de cara, o misterioso garoto protagonista da aventura acorda próximo a Trico, uma fera gigantesca que parece o resultado da fusão entre um gato e uma galinha. O imponente animal está preso por correntes e o menino, bastante assustado, não faz ideia de como foi parar naquele lugar. O jogo inteiro é um flashback da infância do protagonista, o que fará o jogador reviver a grande amizade vivida pelo menino e a misteriosa fera.

Assim como nas outras obras de Ueda, o enfoque de The Last Guardian está nas emoções. Felicidade, angústia, medo e raiva são alguns dos sentimentos que se misturam o tempo todo na mente do jogador, fazendo com que ele mergulhe completamente na história mesmo sem grandes cutscenes e momentos de grande desenvolvimento narrativo.

Após o susto inicial, o garoto percebe que, além de estar preso, Trico possui lanças fincadas em seu corpo. Após retirá-las, o menino faz de tudo para libertar a fera de suas correntes, e com suas ações vai conquistando cada vez mais a confiança da criatura. Entre um barril de comida e outro, é notável o realismo das reações de Trico nas mais diversas situações. Ao se libertar completamente, a criatura passa a seguir o garoto interagindo com ele pelo caminho e o ajudando avançar. A personalidade de Trico chama atenção, conquistando o jogador logo nos primeiros minutos da aventura.

Apesar de muito divertida, a experiência de gameplay de The Last Guardian ainda apresenta os mesmos problemas apontados desde a E3 do ano passado. Os gráficos não são e não objetivam ser realistas. Mas é um pouco frustrante ver que o jogo parece não tirar total proveito do hardware potente do PlayStation 4, sendo extremamente parecido com a versão apresentada no início da vida do PlayStation 3. Mas esta não chega nem perto de ser a minha maior crítica sobre a demonstração.

Na verdade, o que me preocupou bastante foi a jogabilidade. Bastante desengonçado, o garoto parecia não responder muito bem aos comandos dados pelo jogador, e ações que deveriam ser extremamente simples, como pegar um barril de comida ou subir em alguma beirada pareceram extremamente difíceis de serem executadas. A complexidade não estava nos comandos em si, mas na falta de precisão dos controles.

Nesta semana, o jogo foi adiado mais uma vez, e agora está com lançamento previsto para dezembro. Vamos torcer para que nesse meio-tempo consigam melhorar as respostas dos controles, já que The Last Guardian carrega a enorme responsabilidade de fazer jus aos seus antecessores. Com expectativas tão grandes, qualquer erro pode ser fatal.

Compartilhe

Continue lendo

Games

Detroit: Become Human mostra a Quantic Dream em seu ápice

Publicado

em

Em uma apresentação a portas fechadas, dentro do pequeno auditório da Sony em seu stand da BGS, tive a oportunidade de conferir como está ficando o aguardado Detroit: Become Human, título exclusivo de PlayStation 4, produzido pelas mesmas mentes brilhantes por trás de Heavy Rain e Beyond: Two Souls. E, com a demonstração de aproximadamente meia hora, já posso dizer que estou bastante impressionado.

Seguindo a linha dos outros títulos da Quantic Dream, Detroit é um jogo com gráficos extremamente realistas que tem a narrativa como ponto central da experiência. Dessa forma, o jogador, no papel de alguns personagens, deve tomar decisões para dar prosseguimento na história, sendo que elas impactam completamente o seu desfecho sem que o jogador possa voltar atrás e refazer alguma escolha malfeita. E é justamente isso que faz com que os jogos da Quantic Dream sejam alguns dos mais imersivos da indústria.

Com temática futurista, Detroid: Become Human conta a história de uma sociedade na qual os homens utilizam os mais diversos serviços prestados por androides. Extremamente evoluídos e cada vez mais necessários para a vida das pessoas, os robôs começam a gerar diversos problemas para a sociedade, seja por seu comportamento evoluído, que passa a se assemelhar com o dos humanos (até mesmo em relação a sentimentos) ou por estarem afetando diretamente a economia, tirando os empregos das pessoas por sua mão de obra barata e praticamente infalível.

Neste contexto, o jogador controlará Kara e Connor, dois androides com histórias de “vida”diferentes que, provavelmente, se cruzarão em algum momento da narrativa. Kara é uma androide que se sente mal por não conseguir de forma alguma se inserir na sociedade, enquanto Connor é um policial responsável por investigar casos em que os robôs deixam de se comportar de acordo com a sua programação inicial.

Na demonstração apresentada na BGS, pudemos assistir a Connor realizando uma de suas missões. O agente deveria negociar com um androide que havia se revoltado contra seus proprietários, matando o pai da família e mantendo sua filha como refém. Logo no início do gameplay, nota-se imediatamente a qualidade absurda dos gráficos do jogo.

Contando com efeitos de luz impressionantes e cenários e personagens extremamente realistas, o jogo parece ter tudo para ser o mais bonito já lançado no PlayStation 4, o que é muito, se considerarmos que o console já recebeu títulos de encher os olhos como Ratchet & Clank e Uncharted 4: A Thief’s End. O nível de detalhes do apartamento que Connor deve investigar é algo ainda não visto nessa geração. Seja pela quantidade absurda de elementos no cenário ou pelo realismo de todos eles, dá para ver que a Quantic Dream não está brincando em serviço!

A jogabilidade do título se parece demais com o que já foi visto em jogos anteriores. O que muda parece ser a quantidade de objetos com que podemos interagir para investigar o cenário e a forma como isso interfere no desenrolar do enredo. Nesta demonstração, a mesma cena foi jogada duas vezes para que pudéssemos entender como as escolhas podem realmente fazer muita diferença dessa vez.

Na primeira tentativa, Connor foi direcionado a explorar pouquíssimas evidências pelo apartamento, o que fez com que ele estivesse despreparado para negociar com a soltura da garota com o androide que a fazia de refém. Uma coisa interessante é que a cada pista encontrada, a probabilidade de sucesso na negociação aumentava, sendo esta indicada por um percentual que aparecia na tela de forma bastante elegante. Por não possuir muitas pistas sobre o que havia acontecido ali e as motivações do robô criminoso, o policial não tinha muito o que dizer ao sequestrador. Com isso, diversas opções de diálogo estavam bloqueadas, não dando muito poder de negociação a Connor.

Após alguns poucos minutos de negociação, Connor deixou o criminoso ainda mais nervoso, fazendo com que ele se jogasse do prédio levando consigo a garota que estava mantendo refém. A cena, extremamente bem construída, mostrava as nuances de personalidade de todos os personagens envolvidos, tornando tudo o mais crível possível para que o jogador pudesse se envolver com a situação que estava vivendo.

Com o fim da cena e a conclusão infeliz da missão, a demo foi iniciada novamente para que os produtores pudessem mostrar como suas escolhas e informações fazem diferença no desenvolvimento da narrativa. Desta vez, ao investigar o apartamento, Connor descobriu que o androide em questão seria substituído por um modelo mais novo, mesmo tendo sido fiel por anos.

Revoltado com a situação após ter desenvolvido sentimentos por seus “mestres”, o robô entra em estado de desespero, mata o pai da família e faz a filha de refém. Connor ainda descobre que o criminoso possuía uma relação extremamente afetiva com a garota, o que torna a situação ainda mais dramática. Com essas informações em mãos, o policial pôde negociar a liberdade da criança apelando para os sentimentos do robô. Mesmo assim, o final não foi tão feliz, já que o jogador optou por mentir para o criminoso sobre as consequências de seu ato, o que resultou em sua morte.

Pense bem na hora de escolher o que fazer: sua decisão vai fazer toda a diferença

Pense bem na hora de escolher o que fazer: sua decisão vai fazer toda a diferença

Segundo os desenvolvedores, estes são apenas dois dos finais possíveis para aquela cena. Em um desfecho catastrófico pode ser até que os três personagens saiam mortos da situação. Apesar do grande impacto das decisões e da enorme possibilidade de falharmos, os produtores fizeram questão de enfatizar que desejam que não seja possível voltar atrás a cada decisão, o que fará com que o jogador tenha que conviver com as consequências de seus atos até o fim da aventura, que possuirá múltiplos desfechos.

Detroit: Become Human definitivamente foi um dos melhores jogos presentes na BGS deste ano e tem tudo para se tornar um dos melhores jogos do PlayStation 4, com seus gráficos arrasadores e escolhas que realmente fazem diferença. Infelizmente, o título ainda não possui data de lançamento definida. Enquanto isso, só nos resta jogar as versões remasterizadas de Indigo Prophecy, Heavy Rain e Beyond: Two Souls disponíveis para o console da Sony.

Compartilhe

Continue lendo

Prévias

Sorel recorda a saga de Link em The Legend of Zelda – Parte 3 de 4

Publicado

em

No último vídeo do Sorel, vimos uma análise sobre a fase dourada de The Legend of Zelda no Nintendo 64. Mas e depois disso, como seguir em frente com a expectativa cada vez mais alta sobre os jogos da série?

Assista o vídeo abaixo e relembre conosco os jogos lançados para o GameCube, além dos títulos portáteis que saíram no mesmo período. Só clássicos!

https://www.youtube.com/watch?v=HyTyejAyllk

Se você perdeu a Parte 1 ou a Parte 2, assista assim que puder e vá se preparando para o final da nossa saga!

Nós do PlayReplay também lançamos uma Edição Especial da nossa revista, inteiramente dedicada ao verdinho! Você pode conferí-la logo abaixo:


Para assistir outros vídeos do Sorel, recomendamos dar uma passadinha no canal do YouTube do rapaz! Tem análise de séries, listas dos mais diversos jogos além de muita informação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games1 dia atrás

State of Decay 2 | Game já conta com 1 milhão de jogadores

Em menos de dois dias desde seu lançamento, o título conseguiu um número impressionante de jogadores ativos.

Games1 dia atrás

The Wolf Among Us 2 | Jogo é adiado para o próximo ano

Infelizmente, algumas mudanças na empresa devem atrasar o jogo por algum tempo.

Cinema1 dia atrás

Star Wars | James Mangold será roteirista do filme de Boba Fett

Será que esse vai ser o próximo Star Wars Story?

Games1 dia atrás

Overwatch | Assista agora à equipe do PlayReplay jogando ao vivo no Twitch!

Sexta-feira é dia de live com a equipe!

Anime1 dia atrás

My Hero Academia | Revelada a sinopse do novo filme

Filme estreia em 3 de agosto no Japão

Música1 dia atrás

Good Charlotte | Confira o novo clipe Actual Pain

Novo disco sai em setembro de 2018

Cinema1 dia atrás

007 | Danny Boyle é oficializado como diretor de James Bond 25

Filme estreia em outubro de 2019

Games2 dias atrás

Steam Link | Apple recusa aplicativo da Valve na App Store

Ao que tudo indica, a Apple não deve liberar o aplicativo do Steam Link para seus dispositivos tão cedo.

Games2 dias atrás

Battlefield 5 | DICE confirma que Jogo não terá loot boxes

A Electronic Arts e a DICE não devem querer repetir a péssima polêmica de Star Wars Battlefront 2 este ano.

Games2 dias atrás

Far Cry 5 | Primeiro DLC do jogo chega em junho

O pacote colocará os jogadores no papel de um dos personagens da campanha principal.

steam capa steam capa
Games2 dias atrás

Steam | Vários jogos estarão de graça no fim de semana

Além de incentivar que você jogue os games que já tem em sua bliblioteca do Steam, a Valve preparou nove...

Anime2 dias atrás

Evangelion | Studio Khara já está recrutando para filmar o Rebuild 4.0!

Será que agora vai?

Cinema2 dias atrás

CCXP 2018 | Sebastian Stan é confirmado como atração do evento

Ele estará na feira nos dias 07 e 08 de dezembro

Games2 dias atrás

The Sims 4 | “Estações” é o novo pacote de expansão do game

Depois de uma longa espera dos fãs, a expansão Estações finalmente foi anunciada.

Games2 dias atrás

Sunset Overdrive | Jogo pode ser lançado no PC em breve

Depois de 4 anos de seu lançamento original no Xbox One, o game também pode ganhar uma versão para PC

Em alta