Conecte-se conosco.

Críticas

Análise: Qasir al-Wasat é o stealth que você nunca pensou que existiria

Publicado

em

Qasir al-Wasat

Muito antes dos disfarces de Hitman e das caixas de Metal Gear, os jogos de stealth já existiam; na verdade, o gênero começou com 005, um arcade da Sega lançado em 1981. Em uma tradução livre, “stealth” seria algo como “ação furtiva”, um nome bem apropriado para games que desafiam os jogadores a passarem escondidos por mapas para concluir um objetivo. Sempre com discrição, sangue frio e, no caso do Snake, um pouco de papelão, claro.

31 anos depois, os curitibanos da Aduge Studio queriam muito fazer um jogo desses, mas queriam fazer algo diferente. E, bom, as ideias para “um personagem se esconder dos vilões” já pareciam esgotadas e nada mostrava-se “realmente inovador” ou algo assim.

OK, eles não disseram isso pra mim, mas essa é uma das únicas reuniões de brainstorming plausíveis para a criação de Qasir al-Wasat. Teve sua estreia em 2012, com o subtítulo de A Night in-Between, e agora, com a alcunha de International Edition, está prestes a ganhar o mundo com a ideia que deve tê-los salvado naquela noite: “se vamos fazer um jogo cujo protagonista vai se esconder, por que ele não pode ser… tipo… invisível?

Uma história do Oriente

Toda a trama do jogo se desenvolve em um grande deserto, localizado onde fica, atualmente, a Síria, no século XII; ou melhor, em um místico palácio, controlado por um poderoso e nem tão confiável feiticeiro. Você assume o papel de uma criatura invocada de outro mundo por este mago, com uma missão relativamente simples: matar três servos e, como recompensa, pegar as suas poderosas armas. Essa passagem para outro plano têm suas vantagens e desvantagens: você tem a invisibilidade a seu favor, mas um único ferimento pode levá-lo a morte e, segundo seu contrato, a uma servidão eterna ao humano que te trouxe para cá.

Por mais que a criatura possa interagir com objetos e, fisicamente, com as pessoas do palácio, você não sai falando com todo mundo para saber o que fazer — afinal, você está escondido para cumprir os assassinatos. Toda a rica história do jogo vai sendo contada com diálogos entre os guardas e outros habitantes do lugar (que você pode ficar ouvindo) ou documentos encontrados pelas salas, salvos no menu para leituras posteriores. Contadas dessa forma, a conta-gotas, as surpresas do roteiro tornam-se ainda mais envolventes e bem-vindas.

Se sujar faz bem?

Esqueça o sabão em pó por um momento e tente pensar em qualquer obra ficcional que tenha alguém invisível. Existe uma grande chance desse personagem ter uma roupa especial (ou nem usar nada no corpo) para usar seus poderes; afinal, a habilidade é dele e não de todos os objetos em volta. Qasir al-Wasat segue a mesma premissa para o seu conceito básico: por mais que o protagonista seja invisível, isso não quer dizer que ele não possa ser percebido pelos guardas e todos os outros que encontrar pelo caminho.

Antes de tudo, é sempre bom lembrar que, no jogo, você pode enganar a visão das pessoas, mas não a audição. Cada passo dado por você pode (e vai) ser ouvido pelos guardas, que se aproximarão se o barulho aumentar muito. Pisar sobre a água cria ruídos ainda mais fortes e característicos, apontando a sua localização facilmente. Por isso, existe um botão de “furtividade” no título: segure-o enquanto anda para não chamar muita atenção e perder um pouco de velocidade. Mesmo assim, não invente em dar de cara com um dos soldados, hein?

Qasir al-Wasat

Sim, aquele vulto transparente é o tal do “protagonista invisível”

Esse modo não é útil apenas para isso, mas também pelo novo ataque que ele permite. Geralmente, você vai assassinar seus alvos e outros que estiverem no seu caminho usando suas garras; desse jeito, não vai ter como impedir que sangue manche o seu disfarce e aumente a sua visibilidade. Enquanto estiver furtivo, você pode usar um veneno para fazer esse trabalho e manter a utilidade de seu poder. De toda forma, passar por poças rasas vai deixar a situação mais limpa — no sentido higiênico da coisa mesmo.

Para ouvir, ver e ouvir de novo

Só de ver algumas imagens ou vídeos, você já pode constatar uma coisa: o visual de Qasir al-Wasat é algo que salta aos olhos. Ainda que tenha um estilo cartunesco, ele consegue criar uma atmosfera muito interessante e equilibrada; nem mesmo o protagonista invisível se perde nos cenários. A movimentação é que, às vezes, pode ser um pouco travada, mas nada que se torne um verdadeiro problema. O título ainda traz alguns puzzles, que não roubam a cena, mas são bem divertidos e combinam com a trama.

O verdadeiro destaque artístico do título você vai reconhecer pelos ouvidos, na realidade. Não que ele tenha trilhas memoráveis, inesquecíveis ou simplesmente grudentas, mas pela forma com que eles incorporam a música ao gameplay. Enquanto o protagonista consegue se esconder, ela se resume a poucas notas; agora, é só um dos guardas perceber algo para que a melodia acelere e fique carregada, aumentando a agonia de ser pego.

Um segredo a ser desvendado

Lembra daqueles jogos que você vai jogar e não vai esquecer deles tão cedo? Qasir al-Wasat é um dos novos integrantes dessa lista, feito aqui mesmo na nossa terrinha. Com uma ideia muito interessante, uma execução excepcional e poucas falhas, ele não é apenas recomendado para os fãs de stealth, mas também para aqueles que procuram uma boa história para desvendar e, principalmente, para os que gostam de ir aos poucos até chegar no fim de seu objetivo. O portal está se abrindo para o outro mundo: você está pronto para descobrir o que o deserto do Oriente lhe reserva?

Qasir al-Wasat

Ouvindo as conversas dos outros… Que feio!

Qasir al-Wasat: International Edition — Nota: 4/5

Desenvolvedora: Aduge Studio
Plataformas: PC, Mac, Linux
Plataforma utilizada na análise: PC

Compartilhe

Cientista da computação em formação pela USP São Carlos, sempre encontra tempo para falar sobre jogos, tecnologia, viagens no tempo e outras loucuras. Desenvolve jogos, aprecia chocotones, escreve sobre ciência no Deviante e fala sobre pérolas desconhecidas dos games na coluna Free to Play, aqui no PlayReplay.

Anime

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance: Um Teto Não Familiar

Mudanças e nostalgia se misturam em um longa digno do legado de Eva

Publicado

em

Após “rebootar” a franquia Evangelion de forma bem segura em Rebuild of Evangelion: 1.0 You Are (Not) Alone) — confira nosso review do filme clicando aqui —, Hideki Anno aproveitou o segundo longa, Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance (ヱヴァンゲリヲン新劇場版: 破 ), para fazer o que faz de melhor: surpreender os fãs do anime!


Veja também:


Como explicado na análise do filme anterior, o primeiro filme da linha Rebuild serviu para reapresentar ao mundo os conceitos, temas e personagens da série original de anime e mangá. De forma bem segura (talvez até segura demais), o longa passeia pelos eventos dos seis primeiros episódios da série sem maiores alterações, fora meia dúzia de acréscimos ou releituras.

Já no segundo filme, lançado em 2009, as coisas ficam um pouco mais complicadas: ao invés de se limitar a filmar passo a passo o anime com a maior fidelidade possível, desta vez praticamente tudo foi ou reimaginado totalmente, ou recontado de uma forma que apenas lembra de leve a série original.

Temos anjos novos, mais mudanças em sua numeração, e até uma nova piloto misteriosa de Eva, a Mari Illustrious Makinami, a Quarta Criança! Só isso já seria o bastante para provar que a linha Rebuild estava mais do que disposta a sair da zona de conforto, mas as mudanças não pararam por aí.

Kaji, por exemplo, tem um papel bem reduzido em relação ao anime original, e praticamente toda a paixão platônica que Asuka sentia por ele é totalmente ignorada desta vez. A própria Asuka parece um pouco menos arisca, chegando ao ponto de cozinhar para o Shinji em casa! Isso, claro, só depois de brigar com a Rei na famosa cena do elevador, que também tem um desfecho diferente por aqui. Compare:

Longe de ser uma aberração, mudanças assim viraram regra: em quase todas as ocasiões em que voltamos a uma cena bem conhecida, há um detalhe diferente em tela, ou mesmo uma radical alteração do material original. Como o próprio Shinji sentiu na pele, é quase como acordar em uma nova cama e vislumbrar um teto não familiar!

Isso só aumenta a força das teorias de que o primeiro filme dos Rebuild era apenas uma grande pegadinha: você começa a ver a nova série achando que vai ser tudo igual ao que conhecia mas, bem quando se acostuma com a ideia, Anno e sua equipe chegam e puxam seu tapete violentamente!

Isso se provaria uma ideia ainda mais controversa no filme seguinte (linkaremos o seu review aqui posteriormente para sua conveniência) mas, ao menos até a parte 2.0, a maioria dos fãs ainda estava a bordo das atualizações e mudanças, dado que o rumo da história ainda parecia razoavelmente próximo ao material original. Só que, particularmente, quanto mais o segundo Rebuild se distanciava da fonte original, mais eu gostava. Afinal, a série clássica sempre vai estar lá disponível para a gente, do jeitinho que foi feita, para toda a eternidade! Se é para fazer filmes novos, eu quero mais é me deparar com novidades!

Adorei, por exemplo, a grande mudança na luta contra o Anjo Bardiel (antes 13º anjo, e agora o 9º): desta vez é Asuka quem fica presa dentro do Eva possuído! Eu amo o arco original, mas confesso que essa nova versão da luta me deixou mais nervoso e angustiado, até mesmo pela sacada brilhante da direção, que colocou uma música bem fofinha durante as partes mais brutais do combate, causando aquela inquietação esperta, do jeito que só um bom Eva sabe fazer!

Aliás, mais uma vez a trilha sonora merece todo o destaque e elogios! Shiro Sagisu novamente conseguiu misturar temas clássicos de nova roupagem com ótimas músicas inéditas, em um trabalho fenomenal. A animação também continuou evoluindo e oferece o melhor que estava disponível lá em 2009, misturando ótimo traço 2D com cenas em 3D por computador, que acabou envelhecendo surpreendentemente bem.

Diferente do primeiro Rebuild, que me deu um pouco de sono pelo seu foco excessivo em ação e na reciclagem de material antigo, o segundo Rebuild me deixou o tempo todo na ponta da cadeira, ansioso e empolgado por rever meus personagens queridos, e descobrir quais mudanças os aguardavam. Felizmente, ele é bem melhor sucedido em sua missão de recriar a comédia, ação, e até o “suspense e sedução” (como dizia o anúncio da saudosa Locomotion) da série original!

Claro que ainda há alguns problemas de ritmo e estrutura, e a própria Mari é quem melhor sintetiza isso, já que, depois da sua sólida apresentação, ela fica muito tempo sumida de tela. Sua reaparição não clica tão bem quanto deveria com o resto da trama, e acaba parecendo um pouco forçada — embora Mari até tenha um bom payoff de ação, ao assumir o Eva-02 para uma luta empolgante.

Entre os três filmes lançados até agora, Rebuild of Evangelion 2.0 é provavelmente o que vai agradar ao maior número de fãs das antigas, porque ele não tem tantas polêmicas, e a maioria de suas mudanças acertam em cheio o alvo, recriando um sentimento bastante familiar, mesmo com tanta coisa diferente ao seu redor.

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance
9 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • MINHA ASUKA VOLTOU <3
  • Músicas incríveis
  • Ação voltou a ser
    inquietante
Contras
  • Puristas podem se irritar
  • Ritmo
    inconstante
  • Mari podia ser melhor explorada
Avaliação
Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance é um grande aprimoramento em relação ao primeiro Rebuild. Já ajuda bastante que ele não se limite a refilmar o passado, como fez seu antecessor. Misturar nostalgia com frequente inovação deixa os velhos fãs curiosos na maior parte do tempo, mas nem toda novidade funciona igualmente bem: Mari é legal, mas seu arco todo parece um pouco forçado. O bom uso da música, suspense e inquietação tornam esse filme um legítimo Eva!
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Crawl | Escape das masmorras neste excelente multiplayer assimétrico

Enquanto você controla o herói, os seus amigos ficam no controle dos monstros ao seu redor.

Publicado

em

Existem quatro coisas sobre o Switch que não se pode negar: ele é um excelente lugar para jogos indies, ele foi feito para jogatinas rápidas, pixel art é linda na sua tela em modo portátil e ele é uma excelente plataforma para multiplayer local.

Muitos jogos atuais possuem essas características, mas elas são ainda mais evidentes em Crawl.

Originalmente lançado em 2014 na Steam, Crawl, como talvez você possa advinhar, trata-se de um dungeon crawler com elementos procedurais. A diferença aqui é que tanto os exploradores quanto os monstros da masmorra são controlados por jogadores (ou pelo computador, caso esteja jogando solo).

Empurrando a estética de uma maquina de fliperama desde sua tela inicial, Crawl opta por jogatinas rápidas e repetidas. A ideia aqui é que quatro jogadores competem para sair da tal masmorrana qual se encontram – mas somente um poderá sair de lá vivo.

Após o primeiro embate entre os jogadores – para definir o primeiro sobrevivente, cabe aos jogadores mortos assumirem o papel de fantasmas que podem incorporar objetos e armadilhas ou invocar monstros em círculos de magias arcanas para tentar derrotar o jogador humano. Quem acertar o golpe fatal recupera sua humanidade enquanto o recém-falecido assume a forma de fantasma.

Mas para escapar dessa masmorra não basta estar vivo. Você terá que coletar experiência o suficiente, chegar ao nível 10 e enfrentar um chefe gigante que também tem cada uma de suas três partes controladas pelos outros na partida.

Ainda assim, ficar no mundo dos vivos nem sempre é uma boa ideia, já que é na forma de fantasma, causando dano ao jogador vivo, que se adquire ouro para comprar melhores armas e habilidades – o que lhe oferecerá melhores chances de derrotar o chefão.

Alternar entre fantasma, humano e monstros é simples pelo fato do jogo manter o mesmo esquema de controle independentemente da entidade sendo controlada. “A” é seu ataque simples, “B” seu especial (que pode ser um ataque, invocação ou desvio de golpe) e o direcional lhe move.

A cada andar da masmorra o jogo balança os jogadores ao distribuir pontos que permitem tornar mais fortes os montros invocados através de uma árvore de upgrades. O balanceamento se dá através da distribuição dos pontos ser proporcional aos níveis adquiridos por seus rivais.

Desta forma, quem está em último recebe mais pontos para ter monstros mais fortes e, ultimamente, mais chances de derrotar o humano no próximo andar.

Um dos aspectos mais bacanas de Crawl é que existe uma certa progressão, apesar da abordagem arcade do jogo. Ao chegar em níveis mais profundos da masmorra, novos itens e monstros são desbloqueados para serem comprados e invocados, respectivamente. Com eles, novos desafios para um jogador são destravados.

Por todos os jogadores sempre estarem no mesmo cômodo da masmorra, Crawl também é uma excelete opção para se jogar em modo portátil com outros amigos, já que os pixels e cores primarias contra os cenários de tons terrosos são fáceis de se distinguir.

Com uma leve pegada Lovecraftiana em seu design e história (que até no multiplayer permite que “todos percam”), Crawl consegue intrigar e prender a atenção do jogador facilmente.

Também vale mencionar sua excelente direção artística em pixel art, que conta com uma paleta de cores limitada e com pixels relativamente grandes, mas que ganham vida através de animações detalhadíssimas.

Uma trilha sonora em chiptune empolgante e viciante eleva tudo a um outro nível, fazendo deste um excelente jogo para rápidas doses single-player ou horas de diversão e gritaria com amigos.

Crawl - Switch
9 Nota
10 Leitores (1 Nota)
Prós
  • Excelente direção artística
  • Ótimo como single e multiplayer
Contras
  • Alguns Easter Eggs foram retirados
Avaliação
Além de um estilo artístico incrível e uma ótima trilha sonora, Crawl oferece um tipo de conteúdo que funciona muito bem no single player e no modo cooperativo.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

The Sexy Brutale | Reviver assassinatos nunca foi tão divertido

Reviva a mesma noite nesse adorável cassino enquanto tenta evitar assassinatos sem ser visto.

Publicado

em

Controlar o tempo já deixou de ser novidade nos jogos há muito tempo, seja controlando areias em jogos de ação como Prince of Persia, ou nos puzzles e pulos de Braid.

Mesmo que essa mecânica não seja nova, poucos jogos se dispõem a explorar a ideia de looping temporal; de reviver o mesmo dia várias vezes tal qual o filme Feitiço do Tempo, com Bill Murray.

Isto é, até The Sexy Brutale, que acaba sendo uma versão simultaneamente mais fofa e sinistra do famoso longa-metragem.

Acordando confuso na mansão do excêntrico Lucas Bondes, o jogador assume o comando de Lafcadio Boone, um dos diversos convidados de Lucas para um espetáculo que rapidamente se torna um show de horrores quando os funcionários da mansão decidem assassinar os seus hóspedes.   Para piorar a situação, Lafcadio está condenado a reviver as doze horas nas quais esse assassinatos ocorrem – até que ele consiga desvendar o que fomentou tais homicídios e salvar todos os convidados.

O que torna o jogo interessante é o fato de que Lafcadio não pode se comunicar – ou sequer estar no mesmo cômodo – que os demais residentes e funcionários, cabendo ao jogador espiar através de fechaduras e interagir com os objetos quando não há ninguem olhando.

É necessário descobrir o trajeto tanto da vítima quanto dos assassinos para entender como a morte ocorre e então revertê-la. É quase impossível salvar alguém de primeira, sendo necessassário coletar informações ou itens e, ao badalar da meia noite ou ao simples clique de um botão, reverter o horário até meio dia e prosseguir, com as novas informações em mãos, mais um passo rumo a impedir o assassinato.

Por mais que a ideia seja bem executada, infelizmente ela nunca atinge seu potencial. Os enigmas são claros o suficente para que não haja a confusão que ocorria nos jogos de aventura de antigamente, mas não complexos o bastante para que realmente desafie o jogador, exigindo apenas um ou três passos para que uma morte seja evitada.

Além disso, embora o estúdio Tequila Works se esforce para extender a longevidade do título com colecionáveis espalhados na mansão, em apenas poucas horas a história se acaba sem uma real sensação de aumento de dificuldade.

Infelizmente os mesmos problemas de lag, carregamento e travadas que permeavam RIME, o ultimo port da empresa pro Switch, também se apresentam aqui, ainda que de forma mais sutil.

Mas entre travamentos e enigmas fáceis, Sexy Brutale é uma experiencia única e divertidíssima de se jogar. Ele conta com uma direção artística excelente, uma mansão isométrica igualmente caricata e macabra (com bons tons de Luigi’s Mansion), uma história com reviroltas interessantes e tocantes e uma trilha sonora fenomenal.

The Sexy Brutale pode até não ser o mais complexo puzzle game do ano, mas certamente é um que fãs do gênero não podem deixar de experimentar.

The Sexy Brutale - Switch
7.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ótima trilha sonora
  • Reviravoltas interessantes
  • Boa direção artística
Contras
  • Puzzles são muito simples
  • Problemas de performance
Avaliação
The Sexy Brutale pode não ser muito complexo, mas vale a pena para os fãs de games de puzzle.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Séries19 horas atrás

Grey’s Anatomy | Série é renovada para sua temporada 15

ABC confirma mais episódios para o drama hospitalar favorito dos EUA

Séries22 horas atrás

Os Simpsons | Morre Waldyr Sant’Anna, o primeiro dublador do Homer

Dublador tinha 81 anos

Música2 dias atrás

Taylor Swift | Cantora participa de Babe com Sugarland

Música foi disponibilizada oficialmente em vídeo no YouTube

Games2 dias atrás

Pokémon | Game Freak registra marca “Ultra Shiny”

Ainda não se sabe o que significado o novo termo terá na famosa franquia dos monstrinhos.

Games2 dias atrás

Puzzle Fighter | Capcom decide acabar com jogo mobile

Infelizmente, o jogo será retirado da Google Play Store e da App Store em julho.

Anime2 dias atrás

Aggretusko | Anime já está disponível na Netflix brasileira

Confira todos os episódios online para streaming

Música2 dias atrás

Avicii | DJ morre aos 28 anos

Causa da morte não foi revelada

Games2 dias atrás

Ao vivo | Assista à equipe do PlayReplay jogando Fortnite

Vargolino, Luciana, Rodrigo e Thomas estarão ao vivo no canal do PlayReplay no Twitch

Games2 dias atrás

Pokémon | Parada anual de Pikachus em Yokohama está marcada para agosto

Fumiko Hayashi veta nova colaboração com o jogo Pokémon Go

Cinema2 dias atrás

He-Man | Aaron e Adam Nee vão dirigir novo filme do personagem

He-Man e os Mestres do Universo sai em dezembro de 2019

Games2 dias atrás

Graveyard Keeper | Confira o novo trailer do jogo

Infelizmente, ainda não há previsão de lançamento para o jogo no PC e Xbox One.

Cinema2 dias atrás

Bleach | Saiu o primeiro trailer completo do live-action

Filme estreia em julho no Japão

Cinema2 dias atrás

Rocky | Sylvester Stallone reinaugura estátua do Rocky

Warner divulga o feito para promover Creed II

Música2 dias atrás

Scarlett Johansson | Atriz lança a música Bad Dreams com Pete Yorn

Música já está disponível no Spotify

Games2 dias atrás

Fortnite | Jogo será lançado na China

Apesar de não ter feito um anúncio oficial, a Epic Games deixou bem óbvio que o game está prestes a...

Em alta