Conecte-se conosco.

Críticas

The Lion’s Song: transporte-se para Vienna de 1900

Publicado

em

É comum que peças narrativas situadas em épocas passadas usem de seus momentos históricos como foco ou propulsor da história, afinal qual o motivo de situar um conto no passado se não para tirar vantagem do contexto, certo? Pois a Áustria do início do vigésimo século, presente em The Lion’s Song, apenas serve de um pano de fundo, no quais contextos socioculturais servem apenas para engrandecer as diferentes histórias cujo peso narrativo é carregado majoritariamente pelas emoções de seus empáticos personagens.

A Vienna de 1900, proporcionando marcos na música e matemática, exibindo o auge dos salões artísticos que começaram na França e servindo como berço da psicanálise, tem todas essas suas facetas exploradas em três histórias com diferentes protagonistas e ligeiras conexões entre si, cabendo ao quarto capítulo, mais como um epílogo, entrelaçá-los de uma maneira bem interessante.

Não deixe o lindo visual pixelado em sépia te enganar: por mais que tenha cara (e ligeiros elementos) de um adventure point & click, Lion’s Song é primariamente uma Visual Novel. Meu maior aproveitamento do jogo não foram através de enigmas (estes, quase inexistentes) mas sim através das interações que escolhi ou não realizar ao comando de cada um dos protagonistas e o impacto que isso teve em suas respectivas histórias.

Cada um dos capítulos lida com algum tema criativo específico: seja em Silence e Wilma, com sua dificuldade de compor uma música, Anthology e Franz, com seu dilema sobre a sua habilidade de pintura, ou Derivations e Emma, lidando com a falta de reconhecimento das suas teorias matemáticas devido à uma sociedade machista. Apesar das histórias com premissas semelhantes, as camadas de temas complexos como fundamentos explorados por famosos residentes austríacos, Freud e Klimt, resultam em narrativas surpreendentemente profundas e que ressoam com qualquer pessoa.

Silence, o primeiro e mais curto dos capítulos (que duram em média de uma a duas horas cada) exemplifica bem essa ideia. Os tons sépia não só ajudam a dar a ideia de algo antigo como também um misto de solidão e distância amparados por um certo calor humano. A ausência quase completa de sons torna as pequenas notas e ritmos que a compositora descobre ao seu redor ainda mais impactantes, culminando na sua excelente peça sinfônica. E o recém inventado telefone promove uma excelente interação que explora os conceitos de Id e interpretação dos sonhos (e consequentemente o inconsciente) popularizados por Freud. Isso tudo numa história que se passa quase que em sua totalidade em uma cabana isolada na floresta – o que dizer então das outras que se passam no coração de Vienna?

Se há algo que Silence não exemplifica tão bem é a consequência de suas escolhas. Claro, eu conseguia ver como o diálogo seguiria em direções diferentes mas nunca senti um impacto tão grande quanto nas demais histórias, mesmo com a desenvolvedora Mipumi comparando minhas escolhas com as dos demais jogadores e disponibilizando um fácil acesso a estes pivotais momentos para explorar as outras opções que deixei passar. Enquanto no controle de Franz minhas escolhas resultavam em diversos possíveis quadros, nunca senti que a grande opus de Wilma compôs sofria perceptíveis alterações.

Nem tudo é belo em Vienna. Apesar da excelente direção artística de Pixel art moderna, o mundo parece um tanto estático devido à ausência de animações ou variações das mesmas. Isso é exacerbado pela ausência de música e um controle lento dos personagens. A ausência de suporte à toque ou pointer (no modo portátil e em dock, respectivamente) é quase imperdoável para um point & click que possuía tais funcionalidades nas versões iOS e Steam.

Por 10 dólares, entretanto, é fácil relevar estes pequenos defeitos em prol de emocionantes e histórias contadas de forma digesta. Com jogos narrativos que diversas vezes passam de dúzias de horas, é gratificante ver um desenvolvedor indie entregar tanto conteúdo de forma tão compacta. Se você aprecia uma boa narrativa, é amante das artes ou está enfrentando problemas em sua profissão, qualquer que ela seja, não posso deixar de recomendar Lion’s Song.

The Lion's Song
8.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Linda direção artística
  • Historia e personagens
    cativantes
  • Excelente uso do contexto
    histórico
Contras
  • Ausência de outros
    modos de controle
  • Um tanto lento e estático
    em certos momentos
Avaliação
The Lion's Song é como um pequeno livro de curtas histórias, a ser devorado em uma tarde de domingo ou aos poucos durante uma semana, mas que todos entrando na vida adulta deveriam dar uma chance
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Cursando Game Design, Artes Sequenciais e Design de Serviços nos EUA, quando não está colocando seus desenhos no instagram (@hugoh2p), está gritando "Objection!" por aí, resolvendo enigmas com o Professor Layton ou assistindo a todas as séries de super-heróis da DC.

Comentários

Cinema

Aquaman prova que a DC tem fôlego de sobra nos cinemas

Com Jason Momoa, Amber Heard e Patrick Wilson, novo filme da DC agrada e toma para si o posto de melhor filme do DCEU

Publicado

em

Quem diria que um dia eu estaria deixando registrado na internet que um dos melhores filmes da DC nos cinemas é estrelado, acredite, pelo Aquaman. Mas aqui está: o filme do super-herói e rei de Atlântida é, sem sombra de dúvidas, um gigantesco acerto por parte da DC e da Warner Bros., e mostra que mudar o rumo dos Mundos da DC foi um tiro certeiro.

Com Jason Momoa no papel principal, reprisando sua participação no universo cinematográfico da DC como Arthur Curry, Aquaman nos apresenta uma história que é ao mesmo tempo uma continuação da saga do herói após os eventos de Liga da Justiça e uma quase história de origem.

O longa começa com Arthur narrando a história de amor de seus pais, o faroleiro Thomas Curry (Temuera Morrison) e Atlanna (Nicole Kidman), a Rainha de Atlântida (que ali mesmo já mostra o que podemos esperar do longa com uma sequência de ação de tirar o fôlego), mas logo pula para os dias atuais e nos reapresenta o personagem de Jason Momoa como o herói dos mares divertido, bombadão, meio desmiolado e carismático.

Fica claro desde o início do filme que Aquaman é uma aposta da DC em uma nova abordagem mais colorida e divertida, mas ainda carrega um pouquinho do peso e tom sombrio de filmes como Homem de Aço e Batman vs Superman. Embora o personagem título esteja quase sempre de bom humor, claramente se divertindo com a aventura na qual foi jogado contra sua vontade, Arthur Curry por vezes mostra ainda ter traços do mundo criado por Zack Snyder, mais sóbrio, realista e violento.

Mas nem de longe essa mistura de tons atrapalha. Na verdade, a salada que é o corte final de Aquaman mistura de tudo: temos um roteiro que mescla a clássica jornada do herói com um tom meio Indiana Jones, com os heróis buscando o lendário Tridente do Rei Atlan; temos a trilha sonora, que hora é uma batida psicodélica meio anos 80, hora foca em riffs de guitarra; temos o visual normal do mundo da superfície e logo em seguida vemos as maravilhas do mundo submerso, com todo tipo de personagens e raças diferentes. E essa mistureba funciona no final das contas, e dá a Aquaman uma identidade própria bastante distinta.

James Wan prova que não sabe fazer apenas filmes de terror. O diretor, que tem no currículo longas como Invocação do Mal, Sobrenatural e A Freira, mostra-se bastante confortável na direção de Aquaman, abusando de planos-sequência em cenas de ação, caprichando em cada tomada e conseguindo tirar dos atores e atrizes atuações que funcionam bem e ajudam a construir um mundo divertido, coeso e, embora fantasioso, bastante crível.

Aquaman acerta muito, mas certos aspectos do filme deixam a desejar. O relacionamento de Arthur Curry e Mera (Amber Heard) parece forçado e corrido, em parte por conta do roteiro, em parte pela falta de química entre a dupla de artistas. A trama é bem simples, o que embora ajude a agradar um público maior acaba deixando o novo longa da Warner/DC bem aquém de filmes como Homem de Aço e Mulher-Maravilha.

Colorido e vibrante, Aquaman possivelmente é o melhor filme dos Mundos da DC (ou DCEU, como preferir). O longa tira o melhor de suas forças para esconder suas fraquezas, e o resultado final é uma aventura de 2h22min que passa voando (ou seria nadando?) e gera aquela expectativa para ver o que mais a DC tem para mostrar nos cinemas.

O tom meio galhofa de alguns trechos do filme, com várias piadas e situações cômicas, ajuda bastante a tornar o personagem de Jason Momoa em alguém por quem o espectador torce com gosto. O filme transforma aquele personagem alvo de piadas da época dos Superamigos e dos engraçadíssimos comerciais do Cartoon Network em alguém imponente, importante e interessante, aproveitando alguns conceitos que antes eram motivo de risada em cenas incríveis e momentos marcantes.

Um grande destaque de Aquaman são seus personagens secundários. O vilão Arraia Negra de Yahya Abdul-Mateen II rouba a cena com seu visual fiel aos quadrinhos e sua sede por vingança, enquanto o antagonista Rei Orm, interpretado por Patrick Wilson, se mostra inteligente e implacável, dominando a tela sempre que presente em alguma cena.

Nicole Kidman entrega uma boa Atlanna e surpreende em um papel que parece fugir da sua zona de conforto. O Rei Nereus, interpretado por Dolph Lundgren, embora apareça pouco tem grande importância para o desenrolar da trama e o ator domina o papel em uma atuação extremamente natural.

Senti falta de uma participação maior de Vulko, o mentor de Aquaman interpretado pelo sempre ótimo Willem Dafoe. Cortado de Liga da Justiça, Vulko é importante para a história de Aquaman mas sua participação é bem menor do que pessoalmente esperava. De qualquer forma, o elenco estelar do novo longa da DC brilha tão forte quanto os vibrantes seres vivos e construções submarinas de Atlântida.

Aquaman é, sem dúvida alguma, uma guinada da Warner e da DC na direção certa e mostra que os estúdios ainda têm muito fôlego e um caminho interessante pela frente.

Aquaman
9 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Visuais incríveis
  • Trilha sonora acertadíssima
  • Elenco de primeira categoria
  • Ação de tirar o fôlego
Contras
  • Falta de química
    entre protagonistas
  • Roteiro simples demais
Avaliação
Entre erros e acertos, Aquaman é uma guinada da Warner e da DC na direção certa e mostra que os estúdios ainda têm muito fôlego e um caminho interessante pela frente e é um dos melhores filmes da mais recente leva da DC nos cinemas.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Moonlighter divide seu tempo entre o comércio e a exploração de dungeons

Para que ficar só explorando dungeons quando você também pode vender todo o loot que encontrar?

Publicado

em

O aumento da quantidade e popularidade de jogos independentes nos últimos anos acabou sendo responsável por uma boa diversidade nos tipos de games que foram lançado recentemente. Como dá para imaginar, isso permitiu que jogos que misturam mecânicas de comércio com exploração de dungeons geradas aleatoriamente encontrassem um grande público interessado, como é o caso de Moonlighter.


Veja também:


O jogo chegou este ano no PC, PlayStation 4 e Xbox One, mas foi só no início de novembro que ganhou sua esperada versão no Nintendo Switch.

Nossa aventura já começa com um tutorial bem básico e estritamente visual dos nossos movimentos e habilidades em uma dungeon cheia de inimigos e loot a ser adquirido. Para dar mais ênfase na trama que vem a seguir, nosso herói de cabelos brancos acaba sendo derrotado por dezenas de inimigos que não param de aparecer.

Em seguida somos resgatados e aprendemos as mecânicas da nossa pequena loja chamada “Moonlighter” (um termo usado para aqueles que possuem um trabalho normal durante o dia e precisam trabalhar à noite para ter uma renda extra). O esquema é bem simples: todo aquele loot que você conseguiu na dungeon explorada pode ser colocado à venda na loja.

Quando o seu comércio estiver aberto, diversos clientes virão, avaliarão os preços dos itens e comprarão aquilo que considerarem um bom negócio. É aí que entra um fator interessante: descobrir quanto vale cada objeto colocado à venda. É você que determina o preço, mas é a reação dos clientes que vai te mostrar se o item está muito caro, muito barato ou com um valor justo.

Tudo é anotado no seu diário dentro do game, então não é preciso ficar lembrando de todos valores por si próprio. Outro aspecto interessante é que se houver muita demanda para um item, seu preço pode ser aumentado de acordo, mas o desinteresse de um objeto bastante oferecido também pode diminuir seu valor.

Com tudo isso entendido, podemos voltar para as dungeons no início da noite. Falando nisso, há 5 dungeons no total, sendo que é necessário passar pelas 4 primeiras (derrotando o chefe de cada) para desbloquear a última. Com isso, você não só faz progresso na trama geral do game, como também enfrenta um número maior de inimigo e encontra uma diversidade de itens diferentes.

Felizmente, esses itens não servem apenas para serem vendidos na sua loja. Eles são necessários para conseguir armas, armaduras, poções e vários outros componentes que podem te auxiliar em suas aventuras norturnas. Isso pode ser adquirido em outros comércios que você desbloqueia na hora que achar melhor.

É claro que para também é necessário ter dinheiro suficiente para pagar tudo isso, o que nos leva de volta à loja. Como dá para perceber, é um belo de um ciclo vicioso que dá o tom pelo resto do game. Por isso, haverá alguns momentos que Moonlighter parecerá meio repetitivo e que será necessário fazer um pouco de grind para conseguir todos os materiais requisitados para uma arma ou item desejado, por exemplo.

Isso não torna o game menos divertido, até porque essa repetição e grind já são esperados de um título deste tipo. Ainda assim, é algo bom de se ter em mente se pretende investir seu tempo e dinheiro no jogo.

O bom é que é possível fazer várias melhorias na sua própria casa e loja, o que já ajuda bastante a facilitar certos aspectos da sua aventura. Isso inclui uma cama que te dá mais energia pela manhã, um baú que guarda mais itens, bônus que fazem os clientes darem uma gorjeta maior, etc.

Outro aspecto que merece ser mencionado é o visual do jogo, que segue o padrão retrô de tantos games indies. A diferença é que ele é muito mais detalhado do que temos visto em outros títulos recentemente e consegue entregar um charme extra quando combinado com a ótima trilha e os efeitos sonoros que o acompanham.

No geral, Moonlighter entrega uma experiência bem mais completa do que pode se imaginar no começo da aventura, especialmente se você investir seu tempo na parte do comércio em vez de focar apenas nas dungeons. É um jogo simples, divertido e que definitivamente vai te prender por dezenas de horas no Switch.

Moonlighter - Switch
8.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Estilo artístico lindo
  • Bem viciante
Contras
  • Tem um pouco de grind
  • Pode ser meio
    repetitivo
Avaliação
Moonlighter entrega uma experiência bem mais completa do que pode se imaginar no começo da aventura, especialmente se você investir seu tempo na parte do comércio em vez de focar apenas nas dungeons.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Castlevania Requiem traz o melhor da série para o PS4

Dois jogos clássicos em um pacote extremamente nostálgico

Publicado

em

Bem a tempo da chegada da segunda temporada do anime de Castlevania na Netflix, a Konami lançou a coletânea Castlevania Requiem: Symphony of the Night & Rondo of Blood, exclusivamente por download na PlayStation Store do PS4. Confira logo abaixo o nosso review completo sobre o game e descubra se vale a pena jogar!


Veja também:


Inspirada na coletânea Castlevania: The Dracula X Chronicles do PSP, a nova versão traz, obviamente, os jogos Castlevania Symphony of the Night, lançado originalmente para SEGA Saturn e PlayStation em 1997, e Castlevania Rondo of Blood, lançado em 1993 para PC Engine CD. Por ser baseada no jogo de PSP, a coletânea traz vozes e textos diferentes do game clássico, o que é um pouco triste pois, apesar das vozes melhoradas, perdemos memes e falas marcantes como “What is a man? A miserable little pile of secrets”. E nunca é legal perder um meme assim de bobeira…

Veja no vídeo abaixo dicas para te ajudar a platinar Castlevania Requiem no PS4, começando pelo troféu de prata Vampire Killer, postado no nosso canal parceiro Aquele Cara

Clássicos atemporais

O bom desse pacote é que ele traz o melhor de dois tipos bem diferentes de Castlevania: de um lado temos Rondo of Blood, um dos mais caprichados e desafiadores títulos de plataforma 2D, praticamente a perfeição do estilo consagrado pelos primeiros Castlevania de NES.

De outro, Symphony of the Night começa a era dos Metroidvanias (nomenclatura da qual eu discordo, como explicado detalhadamente no vídeo abaixo. Prefiro chamar de gênero “Super Metroid”), com seu mapa único e bem integrado por atalhos, segredos e power ups espalhados pelo cenário, com direito a levíssimas mecânicas de RPG, como equipamentos e sistema de níveis para evoluir atributos.

Entenda neste vídeo a razão pela qual eu me recuso a usar a nomenclatura Metroidvania, preferindo chamar de “gênero Super Metroid”

São dois jogos clássicos muito queridos pelos fãs e, se você aceitar que é só isso que está buscando para sua vida, então Castlevania Requiem certamente saciará suas vontades. No entanto, quem busca algo a mais pode se frustrar, já que não há extras ou novidades significativas no pacote.

Só faltaram extras

Compare com as coletâneas de Mega Man ou Street Fighter lançadas nesta geração, por exemplo. Além de contarem com muito mais jogos, a Capcom encheu os cartuchos e discos com extras, curiosidades e um verdadeiro museu digital cheio de artes oficiais, conceituais e trilha sonora oficial, o que valoriza bastante a compra.

O tutorial acima ensina como pegar o troféu de bronze The Young Huntress em Castlevania Requiem, obtido ao resgatar a Maria

Aqui, a Konami trilhou o caminho mais rápido e simplesmente colocou os jogos em um único, feioso e preguiçoso menu inicial. De novo mesmo, só o fato do barulho dos itens sair do Dualshock, o que é mais inconveniente do que qualquer coisa. O suporte a resoluções altíssimas é bem-vindo, mas não importa tanto quando levamos em conta o tamanho das molduras que cercam os jogos originais.

E que venha mais Castlevania!

Seja lá como você for jogar, com ou sem filtros de imagem para emular televisores antigos, o fato é que os jogos possuem uma resolução baixíssima, então chega a ser contraprodutivo usar uma tv 4K para esse tipo de jogo. Não que eu esteja reclamando do suporte a isso, pois ele é bem-vindo e conveniente, só acho que oferecer molduras preguiçosas e filtros básicos é muito pouco para a grandeza desses jogos incríveis.

No vídeo acima você confere como resgatar a Tera e dicas para acessar a rota secreta que leva ao nível 3′ de Castlevania Rondo of Blood

E põe incríveis nisso! Por mais que se possa reclamar da simplicidade da coletânea, o fato é que ela oferece dois clássicos atemporais por um preço módico. Títulos obrigatórios não só para os fãs de Castlevania como para quem quer (re)descobrir o melhor que a plataforma 2D tem a oferecer nos videogames. Tomara que o sucesso do anime e de Requiem estimule a Konami a lançar mais e mais jogos de Castlevania.

Castlevania Requiem
8.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Dois clássicos reunidos
  • Trilha sonora matadora
  • Preço justo
Contras
  • Faltam extras
  • Poderia incluir mais jogos
  • Cadê meu "What is a man"?
Avaliação
Castlevania Requiem Symphony of the Night Rondo of Blood, como o próprio nome indica, reúne dois dos melhores e mais cultuados jogos da série. Seu preço acessível justifica a compra para fãs nostálgicos ou curiosos de plantão, mas seria legal que o pacote trouxesse mais extras ou conteúdo inédito.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games17 horas atrás

Fortnite | Evento 14 dias de Fortnite vai começar

Por duas semanas, jogadores vão poder ganhar recompensas e combater adversários em um evento temático nos modos Battle Royale e...

Games1 dia atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v7.10

O Natal chega a Fortnite nos modos Salve o Mundo, Battle Royale e Criativo

Games2 dias atrás

Street Fighter V: Arcade Edition | Kage é o novo lutador do jogo

Kage, o novo lutador de Street Fighter V: Arcade Edition e encarnação de um espírito maligno, já está disponível para...

Cinema5 dias atrás

Vingadores | Piticas lança chinelos inspirados em personagens da Marvel

Rede de vestuário geek lançou quatro modelos de chinelos inspirados em personagens da Marvel

Games5 dias atrás

Fortnite Battle Royale | Lâmina do Infinito é removida do jogo

Recentemente adicionada a Fortnite Battle Royale, Lâmina do Infinito é removida após reclamações dos jogadores

Games5 dias atrás

Captain Tsubasa: Dream Team | Jogadores famosos chegam ao jogo

Famosos jogadores de futebol Roberto Carlos, Morientes e Guti chegam ao jogo de simulação Captain Tsubasa: Dream Team, inspirado no...

Games6 dias atrás

The Crew 2 | Jogo está gratuito neste final de semana

Gamers que jogarem durante o final de semana gratuito poderão adquirir The Crew 2 a preços exclusivos até 20/12

Games6 dias atrás

Pokémon Go | Batalhas de Treinador já estão disponíveis

Partidas de treinador contra treinador já estão disponíveis em Pokémon Go

Games1 semana atrás

Fortnite Battle Royale | Espada mítica Lâmina do Infinito chega ao jogo

Arma branca mítica chegou a Fortnite Battle Royale no patch v7.01

Games1 semana atrás

Fortnite | Veja o que mudou com o Patch v7.01

Dentre as principais adições estão a Lâmina do Infinito no Battale Royale e o rifle de precisão Vingança de Ralphie no...

Últimas Notícias1 semana atrás

Fortnite | O Rei da Tempestade chegou ao modo Salve o Mundo

Completar o evento de Fortnite: Salve o Mundo até o dia 2 de janeiro garante uma insígnia especial totalmente de...

Games1 semana atrás

Monster Hunter: World | Capcom anuncia expansão Iceborne para 2019

Conteúdo especial adicional, incluindo uma colaboração com a série The Witcher e evento de aniversário dentro do jogo chegam no...

Games1 semana atrás

Fortnite Battle Royale | Jogo terá espadas em breve

Epic Games anunciou no Twitter que espadas estão chegando a Fortnite Battle Royale

Games1 semana atrás

Truck Driver | Jogo recebe primeiro trailer de gameplay

Game leva os jogadores ao mundo dos caminhoneiros oferecendo diversas missões e variados clientes

Games1 semana atrás

Far Cry: New Dawn | Ubisoft anuncia novo jogo da série

Novo título da série Far Cry coloca os jogadores em uma Hope County pós-apocalíptica para enfrentar o grupo Highwatman e...

Em alta