Conecte-se conosco.

Críticas

Viaje ao passado com Yooka-Laylee

Publicado

em

Se você lembra com carinhos dos tempos em que assoprava seus cartuchos de Nintendo 64, passava na banca mais próxima em busca de detonados que o ajudariam a encontrar todos os segredos e colecionáveis das aventuras, e não tinha maiores preocupações na vida além de ajudar um urso e uma passarinha desbocada a derrotar uma bruxa maléfica, Yooka-Laylee foi feito para você.

Desenvolvido pela Playtonic Games, um time talentoso formado por diversos ex-funcionários da Rare (ou melhor, por ex-funcionários dos tempos em que a Rare ainda era uma grande desenvolvedora), Yooka-Laylee nasceu como um gigantesco sucesso de financiamento coletivo no Kickstarter, arrecadando mais de dois milhões de Euros em sua campanha.

Sua proposta era simples e clara: disponibilizar um novo jogo na mesma linha dos títulos que marcaram época no Nintendo 64, como Banjo-Kazooie, Conker’s Bad Fur Day e Donkey Kong 64. Para o bem ou para o mal, a promessa foi cumprida rigorosamente. Felizmente para o bem, na maior parte do tempo.

Yooka-Laylee é um jogo absolutamente convicto de seus valores, aplicando sua visão a cada detalhe de seu design. Jogado como um clássico da plataforma tridimensional, suas mecânicas são focadas na busca por colecionáveis espalhados por mapas bem grandes e repletos de segredos, com direito a bastante backtracking.

São cinco mundos ao todo, cada um deles com toneladas de conteúdo para descobrir. A principal meta é obter páginas douradas, que podem estar vinculadas tanto a enigmas ambientais como a pequenas quests habilitadas por personagens carismáticos. Como nem sempre os heróis terão os poderes necessários de cara, várias vezes é preciso voltar aos mundos munido com novos recursos.

Para encher nossos corações de nostalgia, os NPC falam em pequenos balões e grunhidos idênticos aos de Banjo-Kazooie, e há muito do típico humor britânico, tão presente nos velhos jogos da Rare. Prepare-se para esbarrar com vários trocadilhos bobinhos tanto nos nomes dos personagens como em suas falas.

O lagarto e sua parceira morcega aprendem várias habilidades novas ao longo da jornada. Ao conversar com a cobra Trowzer, é possível aprender a rolar, voar, ganhar invulnerabilidade temporária, disparar projéteis e… bom, praticamente todo o arsenal já visto em Banjo-Kazooie. Os poucos poderes novos não impressionam e fica claro que Yooka-Laylee poderia ter se empenhado mais nesse departamento.

Se antigamente era preciso coletar cinco Jinjos por fase, agora há 5 escritores fantasmas espalhados pelo mapa, o que traz um ótimo twist: ao invés de NPC estáticos, cada fantasma traz um desafio único. Os azuis só são revelados com tiros de sonar, os vermelhos estão prontos pra lutar e os rosas precisam ser alimentados por tiros de projéteis.

Outra boa ideia é a expansão dos níveis. Sempre que você abrir um novo mundo, terá acesso a apenas uma fração de seu território total. É preciso desembolsar algumas Pagies para que o mundo livro seja expandido e revele todos os seus segredos. Isso aumenta o fator replay e garante uma boa variedade ao game, embora faça falta não ter mais do que cinco mundos principais e um grande hub central.

O constante sentimento de familiaridade com os clássicos da Rare é, ao mesmo tempo, a maior benção e maldição de Yooka-Laylee. Embora eu tenha sorrido quase ininterruptamente ao longo das pouco mais de 15 horas que demorei para até encarar e derrotar o chefe final, também me senti preso às limitações inerentes ao formato.

Foi delicioso reviver algumas das minhas memórias mais queridas da infância, mas não consegui afastar o sentimento de que tudo que Yooka-Laylee apresenta já foi feito de forma maior e melhor nos tempos do Nintendo 64. Inclusive o game traz de volta alguns problemas de câmera que deviam ter ficado no passado. Enquanto os títulos da Rare feitos em parceria com a Nintendo apresentavam a melhor tecnologia disponível na época, Yooka-Laylee larga com atraso, sofrendo com gráficos e até direção de arte aquém do padrão atual.

Ainda assim, é importante deixar claro que, para cada incômodo presente em Yooka-Laylee, há dois ou três elementos que tornam a jornada mais do que satisfatória. A incrível trilha sonora composta pelo mestre Grant Kirkhope, por exemplo, não apenas recria a vibe dos jogos antigos, como a moderniza de forma bem interessante.

Yooka-Laylee atende perfeitamente às necessidades de seu público. Se você busca um jogo de plataforma extremamente nostálgico, nem mesmo os problemas listados irão impedir sua diversão, então é só correr pro abraço. Já quem busca algo parecido com os modernos blockbusters, jogos de tiro, aventuras ou games AAA do mercado… bom, você tem certeza que clicou no texto certo?

Yooka-Laylee – Nota: 4/5

Produtora: Playtonic
Plataformas: Nintendo Switch, PC, PlayStation 4, Xbox One
Plataforma utilizada na análise: PlayStation 4

Compartilhe

Formado na arte de reclamar, odeia a internet. Ainda assim, sua hipocrisia sem limites o permite administrar a página no Facebook, plataforma de divulgação do seu primeiro livro. Você também pode seguí-lo em @thomshoes no Twitter, mas provavelmente é uma má ideia...

Críticas

Novo Perdidos no Espaço até que consegue divertir

Melhor que o filme de 98, mas não faz nem sombra ao seriado clássico

Publicado

em

Como o fiasco cinematográfico de 1998 deixou claro, rebootar a série Perdidos no Espaço não é a tarefa mais fácil do mundo. Originalmente transmitido entre 1965 e 1968 na CBS, o programa misturava muito bem elementos de aventura, ficção científica e comédia, e marcou época com sua fórmula característica. Assim, a missão da Netflix ao fazer uma nova série não era das mais fáceis.


Veja também:


Assim, o simples fato da versão de 2018 não ser uma catástrofe já é uma conquista notável por si só, ainda mais levando em conta o currículo da Netflix, cujas produções costumam ser por demais genéricas e formulaicas, com aquele modelinho intragável de esticar uma história até seu limite, com maratonas de 13 horas para contar uma trama bem curta e rasa (lembra da intragável Altered Carbon? Pois é).

Pensando nas produções originais Netfix, seu Perdidos no Espaço certamente fica entre os melhores lançamentos entre as séries do serviço de streaming. Mesmo sem chegar ao mesmo patamar de excelência das raras maravilhas como Love e Derek, Perdidos no Espaço consegue divertir e deslumbrar um pouco ao longo de seus nove episódios, e isso tem lá seu mérito.

O valor de produção é o elemento que mais salta aos olhos logo de cara. Na maior parte do tempo o seriado mais parece um filme de orçamento decente, e isso ajuda bastante na imersão do clima de aventura. O design das criaturas, veículos e uniformes ficou bem interessante até mesmo nas decisões mais ousadas, como a repaginação do robô companheiro do jovem Will Robinson.

Falando nos Robinson, os personagens estão razoavelmente diferentes dos originais em seu visual e motivações, mas o importante é que sua essência foi mantida. A ideia, claro, é que por mais intensos que sejam os perrengues e aventuras, no fim do dia, os Robinson sempre ficam juntos, bem como tem que ser em uma boa aventura família.

Como manda a cartilha dos bons costumes ditada pelo senso comum em 2018, há aquelas inevitáveis trocas de etnia e sexo em relação aos personagens originais. Felizmente, diferente da maioria das obras atuais, aqui tudo é feito de forma delicada, esperta e cumprindo seu propósito narrativo com bom gosto.

Com o devido aviso de spoiler (ainda que isso aconteça já no primeiro episódio e a informação esteja em todas as sinopses e IMDB logo de cara), a troca mais inteligente e interessante foi a transformação do Doutor Smith em Doutora Smith. Afinal, em inglês, “doctor” é um substantivo sem gênero, e foi sagaz se aproveitarem disso, especialmente porque Parker Posey consegue interpretar muito bem um dos personagens mais queridos da televisão.

A esperteza e covardia da personagem são aplicadas em doses perfeitas em suas caretas, do jeitinho que tem que ser. De longe, ela é o nome que mais se destaca positivamente no elenco, seguida pela Maureen Robinson de Molly Parker e o Don West de Ignacio Serrichio. Não dá para reclamar muito do elenco jovem, exceto por Maxwell Jenkins, que está totalmente perdido com seu Will Robinson. Cada pequena cena e demonstração de emoção parece um esforço hercúleo para o garoto.

Com bons efeitos visuais e atuações na maior parte decentes, só faltava o roteiro seguir o mesmo padrão de qualidade. Infelizmente ele fica um pouco abaixo da média, mas não o bastante a ponto de estragar tudo. Há algumas viradas espertinhas e divertidas, mas, no geral, quase todas as situações de perigo em que os protagonistas se encontram acabam sendo ou anticlimáticas, ou resolvidas de forma meio preguiçosa e excessivamente conveniente, o que atrapalha um pouco a jornada.

Ainda assim, é uma ficção científica mais coesa e redondinha do que o instável Star Trek: Discovery, e uma das séries de drama originais da Netflix mais interessantes disponíveis em seu fraco catálogo. E, mesmo que você não goste de nada citado acima, ao menos tem um consolo nos créditos finais, que contam com uma versão muito legal do clássico tema escrito pelo mestre John Williams!

Perdidos no Espaço (2018)
7.5 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • Ótimos efeitos especiais
  • Resgate da trilha original
  • Atuação da
    Parker Posey
Contras
  • Roteiro ocasionalmente preguiçoso
  • Will Robinson chatinho
    demais
  • Não é muito memorável
Avaliação
O novo Perdidos no Espaço é mais um reboot desnecessário, mas ao menos consegue ficar acima da média das produções originais da Netflix com seus bons efeitos especiais e alto valor de produção. Superar a série original era uma missão quase impossível, então ao menos resta o consolo de que a série é bem melhor que o filme de 1998.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Anime

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance: Um Teto Não Familiar

Mudanças e nostalgia se misturam em um longa digno do legado de Eva

Publicado

em

Após “rebootar” a franquia Evangelion de forma bem segura em Rebuild of Evangelion: 1.0 You Are (Not) Alone) — confira nosso review do filme clicando aqui —, Hideki Anno aproveitou o segundo longa, Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance (ヱヴァンゲリヲン新劇場版: 破 ), para fazer o que faz de melhor: surpreender os fãs do anime!


Veja também:


Como explicado na análise do filme anterior, o primeiro filme da linha Rebuild serviu para reapresentar ao mundo os conceitos, temas e personagens da série original de anime e mangá. De forma bem segura (talvez até segura demais), o longa passeia pelos eventos dos seis primeiros episódios da série sem maiores alterações, fora meia dúzia de acréscimos ou releituras.

Já no segundo filme, lançado em 2009, as coisas ficam um pouco mais complicadas: ao invés de se limitar a filmar passo a passo o anime com a maior fidelidade possível, desta vez praticamente tudo foi ou reimaginado totalmente, ou recontado de uma forma que apenas lembra de leve a série original.

Temos anjos novos, mais mudanças em sua numeração, e até uma nova piloto misteriosa de Eva, a Mari Illustrious Makinami, a Quarta Criança! Só isso já seria o bastante para provar que a linha Rebuild estava mais do que disposta a sair da zona de conforto, mas as mudanças não pararam por aí.

Kaji, por exemplo, tem um papel bem reduzido em relação ao anime original, e praticamente toda a paixão platônica que Asuka sentia por ele é totalmente ignorada desta vez. A própria Asuka parece um pouco menos arisca, chegando ao ponto de cozinhar para o Shinji em casa! Isso, claro, só depois de brigar com a Rei na famosa cena do elevador, que também tem um desfecho diferente por aqui. Compare:

Longe de ser uma aberração, mudanças assim viraram regra: em quase todas as ocasiões em que voltamos a uma cena bem conhecida, há um detalhe diferente em tela, ou mesmo uma radical alteração do material original. Como o próprio Shinji sentiu na pele, é quase como acordar em uma nova cama e vislumbrar um teto não familiar!

Isso só aumenta a força das teorias de que o primeiro filme dos Rebuild era apenas uma grande pegadinha: você começa a ver a nova série achando que vai ser tudo igual ao que conhecia mas, bem quando se acostuma com a ideia, Anno e sua equipe chegam e puxam seu tapete violentamente!

Isso se provaria uma ideia ainda mais controversa no filme seguinte (linkaremos o seu review aqui posteriormente para sua conveniência) mas, ao menos até a parte 2.0, a maioria dos fãs ainda estava a bordo das atualizações e mudanças, dado que o rumo da história ainda parecia razoavelmente próximo ao material original. Só que, particularmente, quanto mais o segundo Rebuild se distanciava da fonte original, mais eu gostava. Afinal, a série clássica sempre vai estar lá disponível para a gente, do jeitinho que foi feita, para toda a eternidade! Se é para fazer filmes novos, eu quero mais é me deparar com novidades!

Adorei, por exemplo, a grande mudança na luta contra o Anjo Bardiel (antes 13º anjo, e agora o 9º): desta vez é Asuka quem fica presa dentro do Eva possuído! Eu amo o arco original, mas confesso que essa nova versão da luta me deixou mais nervoso e angustiado, até mesmo pela sacada brilhante da direção, que colocou uma música bem fofinha durante as partes mais brutais do combate, causando aquela inquietação esperta, do jeito que só um bom Eva sabe fazer!

Aliás, mais uma vez a trilha sonora merece todo o destaque e elogios! Shiro Sagisu novamente conseguiu misturar temas clássicos de nova roupagem com ótimas músicas inéditas, em um trabalho fenomenal. A animação também continuou evoluindo e oferece o melhor que estava disponível lá em 2009, misturando ótimo traço 2D com cenas em 3D por computador, que acabou envelhecendo surpreendentemente bem.

Diferente do primeiro Rebuild, que me deu um pouco de sono pelo seu foco excessivo em ação e na reciclagem de material antigo, o segundo Rebuild me deixou o tempo todo na ponta da cadeira, ansioso e empolgado por rever meus personagens queridos, e descobrir quais mudanças os aguardavam. Felizmente, ele é bem melhor sucedido em sua missão de recriar a comédia, ação, e até o “suspense e sedução” (como dizia o anúncio da saudosa Locomotion) da série original!

Claro que ainda há alguns problemas de ritmo e estrutura, e a própria Mari é quem melhor sintetiza isso, já que, depois da sua sólida apresentação, ela fica muito tempo sumida de tela. Sua reaparição não clica tão bem quanto deveria com o resto da trama, e acaba parecendo um pouco forçada — embora Mari até tenha um bom payoff de ação, ao assumir o Eva-02 para uma luta empolgante.

Entre os três filmes lançados até agora, Rebuild of Evangelion 2.0 é provavelmente o que vai agradar ao maior número de fãs das antigas, porque ele não tem tantas polêmicas, e a maioria de suas mudanças acertam em cheio o alvo, recriando um sentimento bastante familiar, mesmo com tanta coisa diferente ao seu redor.

Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance
9 Nota
0 Leitores (0 Notas)
Prós
  • MINHA ASUKA VOLTOU <3
  • Músicas incríveis
  • Ação voltou a ser
    inquietante
Contras
  • Puristas podem se irritar
  • Ritmo
    inconstante
  • Mari podia ser melhor explorada
Avaliação
Rebuild of Evangelion: 2.0 You Can (Not) Advance é um grande aprimoramento em relação ao primeiro Rebuild. Já ajuda bastante que ele não se limite a refilmar o passado, como fez seu antecessor. Misturar nostalgia com frequente inovação deixa os velhos fãs curiosos na maior parte do tempo, mas nem toda novidade funciona igualmente bem: Mari é legal, mas seu arco todo parece um pouco forçado. O bom uso da música, suspense e inquietação tornam esse filme um legítimo Eva!
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Críticas

Crawl | Escape das masmorras neste excelente multiplayer assimétrico

Enquanto você controla o herói, os seus amigos ficam no controle dos monstros ao seu redor.

Publicado

em

Existem quatro coisas sobre o Switch que não se pode negar: ele é um excelente lugar para jogos indies, ele foi feito para jogatinas rápidas, pixel art é linda na sua tela em modo portátil e ele é uma excelente plataforma para multiplayer local.

Muitos jogos atuais possuem essas características, mas elas são ainda mais evidentes em Crawl.

Originalmente lançado em 2014 na Steam, Crawl, como talvez você possa advinhar, trata-se de um dungeon crawler com elementos procedurais. A diferença aqui é que tanto os exploradores quanto os monstros da masmorra são controlados por jogadores (ou pelo computador, caso esteja jogando solo).

Empurrando a estética de uma maquina de fliperama desde sua tela inicial, Crawl opta por jogatinas rápidas e repetidas. A ideia aqui é que quatro jogadores competem para sair da tal masmorrana qual se encontram – mas somente um poderá sair de lá vivo.

Após o primeiro embate entre os jogadores – para definir o primeiro sobrevivente, cabe aos jogadores mortos assumirem o papel de fantasmas que podem incorporar objetos e armadilhas ou invocar monstros em círculos de magias arcanas para tentar derrotar o jogador humano. Quem acertar o golpe fatal recupera sua humanidade enquanto o recém-falecido assume a forma de fantasma.

Mas para escapar dessa masmorra não basta estar vivo. Você terá que coletar experiência o suficiente, chegar ao nível 10 e enfrentar um chefe gigante que também tem cada uma de suas três partes controladas pelos outros na partida.

Ainda assim, ficar no mundo dos vivos nem sempre é uma boa ideia, já que é na forma de fantasma, causando dano ao jogador vivo, que se adquire ouro para comprar melhores armas e habilidades – o que lhe oferecerá melhores chances de derrotar o chefão.

Alternar entre fantasma, humano e monstros é simples pelo fato do jogo manter o mesmo esquema de controle independentemente da entidade sendo controlada. “A” é seu ataque simples, “B” seu especial (que pode ser um ataque, invocação ou desvio de golpe) e o direcional lhe move.

A cada andar da masmorra o jogo balança os jogadores ao distribuir pontos que permitem tornar mais fortes os montros invocados através de uma árvore de upgrades. O balanceamento se dá através da distribuição dos pontos ser proporcional aos níveis adquiridos por seus rivais.

Desta forma, quem está em último recebe mais pontos para ter monstros mais fortes e, ultimamente, mais chances de derrotar o humano no próximo andar.

Um dos aspectos mais bacanas de Crawl é que existe uma certa progressão, apesar da abordagem arcade do jogo. Ao chegar em níveis mais profundos da masmorra, novos itens e monstros são desbloqueados para serem comprados e invocados, respectivamente. Com eles, novos desafios para um jogador são destravados.

Por todos os jogadores sempre estarem no mesmo cômodo da masmorra, Crawl também é uma excelete opção para se jogar em modo portátil com outros amigos, já que os pixels e cores primarias contra os cenários de tons terrosos são fáceis de se distinguir.

Com uma leve pegada Lovecraftiana em seu design e história (que até no multiplayer permite que “todos percam”), Crawl consegue intrigar e prender a atenção do jogador facilmente.

Também vale mencionar sua excelente direção artística em pixel art, que conta com uma paleta de cores limitada e com pixels relativamente grandes, mas que ganham vida através de animações detalhadíssimas.

Uma trilha sonora em chiptune empolgante e viciante eleva tudo a um outro nível, fazendo deste um excelente jogo para rápidas doses single-player ou horas de diversão e gritaria com amigos.

Crawl - Switch
9 Nota
5.5 Leitores (2 Notas)
Prós
  • Excelente direção artística
  • Ótimo como single e multiplayer
Contras
  • Alguns Easter Eggs foram retirados
Avaliação
Além de um estilo artístico incrível e uma ótima trilha sonora, Crawl oferece um tipo de conteúdo que funciona muito bem no single player e no modo cooperativo.
O que as pessoas acharam... Deixe a sua avaliação!
Sort by:

Seja o primeiro a deixar uma avaliação.

User Avatar
Verified
{{{ review.rating_title }}}
{{{review.rating_comment | nl2br}}}

Show more
{{ pageNumber+1 }}
Deixe a sua avaliação!

Compartilhe

Continue lendo

Últimas notícias

Games14 minutos atrás

Adventure Time: Pirates of the Enchiridion | Jogo será lançado em julho

O novo game baseado no desenho será disponibilizado no PS4, Xbox One, Switch e PC.

Games1 hora atrás

The Legend of Zelda | Breath of the Wild é o jogo mais vendido da franquia

O novo título vendeu cerca de 10 milhões de unidades e ultrapassou Twilight Princess.

Cinema2 horas atrás

Harvey Weinstein | Escândalos do produtor inspiram filme

Annapurna Pictures e Plan B Entertainment serão as produtoras

Games3 horas atrás

For Honor | Jogo estará de graça na próxima semana

O jogo ainda estará com 75% de desconto em todas as plataformas em que ele está disponível.

Cinema4 horas atrás

Sai de Baixo | Humorístico vai virar filme com o elenco original

Miguel Falabella vai escrever e dirigir o longa

Cinema5 horas atrás

Star Trek | Paramount confirma dois filmes em produção

Envolvimento de Quentin Tarantino ainda é um mistério

Especial6 horas atrás

McDonald’s | Chegaram os Sanduíches da Copa do Mundo!

Conheça todos os sanduíches e promoções disponíveis

Games7 horas atrás

Day of Infamy | Jogo estará de graça no fim de semana

O shooter baseado na Segunda Guerra Mundial poderá ser aproveitado gratuitamente no Steam nos próximos dias.

Séries8 horas atrás

Star Wars | Disney anuncia o novo desenho Resistance

Série vai ser comandada por Dave Filoni

Games9 horas atrás

Sonic Mania Plus | Nova versão ganha data de lançamento

Quem já tiver a versão original do jogo poderá fazer um upgrade digital da nova edição.

Playerunknown's Battlegrounds Playerunknown's Battlegrounds
Games10 horas atrás

PlayerUnknown’s Battlegrounds | Servidor de teste fica offline no Xbox One

Depois de diversos problemas de conectividade e bugs, os jogadores ficaram sem experimentar o mapa Miramar no console.

Games11 horas atrás

Nintendo | Novo presidente da empresa é anunciado

Após quase três anos no cargo, Tatsumi Kimishima passará a posição para um executivo mais jovem.

Anime1 dia atrás

Stugio Ghibli | Prefeitura de Aichi divulga artes conceituais do parque temático

Parque só deve ser aberto ao público em 2022

Música1 dia atrás

Janelle Monáe | I LIke That é o novo clipe de Dirty Robot

Novo disco será lançado em 27 de abril

Games1 dia atrás

The Witcher | Jogo pode ser adquirido de graça no GOG

Basta instalar o free-to-play Gwent para receber uma cópia grátis do primeiro The Witcher no PC.

Em alta